carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Agricultura: Kátia Abreu quer ampliar comércio exterior

postado em 06/01/2015

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Um novo planejamento para o setor de defesa agropecuária deverá ajudar o agronegócio brasileiro a ampliar suas exportações, avaliou nesta segunda-feira a nova ministra da Agricultura, Kátia Abreu, em seu discurso de posse.

Nos últimos anos, a escassez de recursos tem dificultado o trabalho dos fiscais agropecuários, responsáveis por garantir a qualidade de produtos brasileiros fundamentais para o resultado da balança comercial brasileira, especialmente carnes e grãos.

"A efetivação do planejamento de defesa agropecuária vai consolidar nossa participação nos mercados nos quais já estamos e também facilitar o acesso a outros mercados. Ampliar o comércio exterior vai ajudar o Brasil a crescer", disse Kátia, ao receber o cargo de seu antecessor, Neri Geller. O Brasil fechou 2014 com o primeiro déficit na balança comercial desde 2000.

A ministra disse que a meta é garantir padronização, transparência e segurança no sistema, contando com a ajuda da iniciativa privada e da academia.

Nos últimos anos, não foram poucos os casos de produtos brasileiros que sofreram embargos em países compradores sob alegação de problemas sanitários. Em 2013, por exemplo, o presidente da entidade representativa das indústrias exportadoras de aves, o ex-ministro da Agricultura Francisco Turra, reclamava das condições ruins do sistema de fiscalização sanitária no país.

"A gente vê que lamentavelmente o orçamento federal cresce em todas as direções e menos na defesa agropecuária", disse ele à Reuters, na época. No ano passado, contudo, o Brasil conseguiu reduzir as barreiras da Rússia à carne brasileira, após longo período de restrições.

No seu discurso de posse, Kátia Abreu não comentou sobre recursos financeiros que serão destinados à defesa agropecuária.

Ela acrescentou que uma de suas metas será aumentar a classe média rural brasileira, retirando 800 mil produtores rurais das classes D e E.

As informações são da Reuters Brasil.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Carlos Roberto Dias Barboza

Meridiano - São Paulo - Produção de leite
postado em 07/01/2015

PARA AJUDAR OS  TRABALHADORES RURAIS  A  SAIR  DA CLASSE C E D; PRECISA-SE DAR  CONDIÇOES  PARA QUE  TODOS  CONSIGAM PRODUZIR E VENDER SEUS  PRODUTOS.SOMENTE ASSIM QUE CONSEGUIRA FIXAR AS FAMILIA NA TERRA E TRAZER ALGUMAS  QUE  SE  FORAM PARA A CIDADE. A MAIOR MOTIVAÇAO PARA QUALQUER SER HUMANO  E  PRODUZIR COM LUCRO, SEJA EM QUALQUER ESCALA; AI SIM ACREDITO QUE HAVERA UMA MELHORA CONSIDERAVEL NESTA CATEGORIA DE TRABALHADORES BRASILEIROS TÃO SACRIFICADA.

CARLOS BARBOZA -VOTUPORANGA SP      

Elisio Antonio de Oliveira

Juiz de Fora - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 07/01/2015

  Penso que deve ter uma politica de preços para produtores de leite. Hoje para comprar uma cerveja, precisamos de mais de cinco litros de leite. Fico a pensar que e um produto tão útil a saúde humana e é tratado com tão pouco caso. O leite é único produto que produtor produz, entrega, planeja sem saber o que vai receber. Ministra Kátia, dá uma olhadinha com carinho aí para nós produtores  de leite. Obrigado, quem sabe num espaço de tempo pequeno vamos estar batendo palma pra você.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade