Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Radares Técnicos > Sanidade

Intoxicação por closantel em pequenos ruminantes

Por Carmo Emanuel Almeida Biscarde , MV Dr. Leandro Rodello, PhD e Vitor Santiago de Carvalho
postado em 21/11/2011

21 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A verminose é um dos principais problemas sanitários que afeta a criação de ovinos e caprinos, podendo ter como consequências o crescimento retardado, perda de peso, redução no consumo de alimentos, queda na produção de leite e baixa fertilidade do rebanho, resultando em elevadas perdas econômicas. Nos casos de infecções maciças, são verificadas altas taxas de mortalidade, além de gastos no controle da verminose.

Para evitar esses entraves na produção de ovinos e caprinos faz-se necessário o uso de um adequado protocolo de vermifugação. Porém, a falta de informação de alguns produtores, vermifugando indevidamente os animais com o uso contínuo ou em subdoses de um determinado antiparasitário, pode ocasionar o surgimento da resistência anti-helmíntica. A falta de orientação ainda pode levar a ocorrência de intoxicações dos animais por superdosagem, ao achar que alcançará um resultado mais eficiente no rebanho.

Existem vermífugos com diferentes compostos e mecanismo de ação para determinado tipo ou mais de um tipo de parasitismo. Closantel é um antiparasitário que tem ação contra Haemonchus contortus, Fasciola hepática e Oestrus ovis. Esse antiparasitário pode ser aplicado por via intramuscular ou fornecido via oral, utilizado principalmente em bovinos, ovinos e caprinos. Quando esse composto é administrado em doses superiores às recomendadas, causa cegueira, com degeneração da retina e edema intramielínico do nervo óptico e outras áreas do sistema nervoso central resultando em incoordenação motora e em alguns casos, até morte.

A intoxicação por closantel afeta tanto ovinos e caprinos e ocorre acidentalmente quando o produto é utilizado em sobredosagem. Porém a intoxicação pode ocorrer também em rebanhos tratados com as doses recomendadas, só que calculadas com base no animal mais pesado.

Quando a dose é de 2 a 5 vezes maior que a recomendada, os sinais clínicos caracterizam-se por cegueira, dilatação da pupila, e o animal pode começar a andar em círculos. A cegueira aparece em 2 dias a 2 semanas após a administração. Quando a dose é 10 vezes superior, pode-se observar, além dos sinais anteriores, depressão acentuada, gemidos, paralisia dos membros, dor abdominal, o animal fica deitado, fraqueza, e cegueira bilateral.

Algumas alterações podem ser observadas em alguns órgãos como os olhos, coração, rins, fígado e algumas regiões do sistema nervoso.

Figura 1 -Dilatação acentuada de pupila, na intoxicação por closantel (Fonte: Furlan et al., 2009).



O closantel apresenta uma pequena margem de segurança. O seu uso nas mães e nos filhotes lactentes ao mesmo tempo, pode levar a intoxicação dos filhotes devido a dosagem adicional pela ingestão de leite.

Não há tratamento eficiente para os animais intoxicados e a cegueira é permanente. No entanto, outros sinais nervosos podem ser parcialmente reversíveis. Para prevenir a intoxicação deve-se calcular corretamente a dose de closantel à ser aplicada, tomando cuidado com animais de menor peso e mal nutridos.

Referências bibliográficas

ECCO, R.; BARROS, C.S.L.; GRAÇA, D.L. Alterações oftálmicas associadas à intoxicação experimental por closantel em caprinos. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 60, n. 1, 2008.

FURLAN, F.H.; LUCIOLI, J.; BORELLI, V.; FONTEQUE, J.H.; STOLF, L.; TRAVERSO, S.D.; GAVA, A. Intoxicação por closantel em ovinos e caprinos no Estado de Santa Catarina. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 29, n. 1, 2009.

GILL, P.A.; COOK, R.W.; BOULTON, J.G.; KELLY, W.R.; VANSELOW, B.; REDDACLIFF, L.A. Optic neuropathy and retinopathy in closantel toxicosis of sheep and goats. Australian Veterinary Journal, v. 77, n. 4, 1999.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

gabriela almeida bastos

Montes Claros - Minas Gerais - Estudante
postado em 21/11/2011

Parabéns pela reportagem, muito boa. É de extrema importância a concientização de um manejo correto na aplicação dos vermifugos além do diagnóstico dos vermífugos utilizados e o teste de suas eficácias, pois só assim conseguimos controlar a verminose. Gostaria de saber quais são os nomes comerciais de vermifugos a base de closantel e o valor que eles se encontram no mercado.

Desde já muito obrigada
Aguardo resposta
Att,
Gabriela A. Bastos  

Nagato Nakashima

Candeias do Jamari - Rondônia - Consultoria/extensão
postado em 21/11/2011

A produção de alimento brasileiro duma maneira geral precisa melhorar a qualidade do produto na base da cadeia produtiva. Não é os frigoríficos e laticínios que vão fornecer a qualidade. Tenho tecido comentário da necessidade duma re-engenharia na cadeia produtiva. Sou médico veterinário, CRMVRO 0001, consultor de agronegócio é o que sinto nas conversas e discussões no meio.

Jordana Andrioli Salgado

Curitiba - Paraná - Pesquisa/ensino
postado em 21/11/2011

Parabéns pelo artigo.
Eu sempre bato na tecla da importância da pesagem no cálculo de doses, principalmente de anti-helmínticos, evitando intoxicações por sobredosagem e resistência por subdosagem.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2015 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade