Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Radares Técnicos > Sanidade

Vacinas para ovinos e caprinos: quais, como e quando utilizá-las?

Por Vicente de França Turino e André Maciel Crespilho
postado em 04/09/2007

36 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Em virtude dos altos custos da produção agropecuária e da competitividade dos mercados mundiais quanto a exportação de carnes e sub-produtos, o correto manejo sanitário torna-se imprescindível para o sucesso dos criatórios caprinos e ovinos, representando, muitas vezes, o fator determinante da viabilidade da produção rural. Entre outros fatores, o controle sanitário só é possível a partir da adoção de medidas preventivas para evitar uma série de enfermidades que acometem os animais (Langoni, 2004), condição que ressalta a importância da prática de vacinações como ferramenta de manejo dos rebanhos.

Segundo o Instituto Fiocruz do Rio de Janeiro, vacinas são produtos biológicos que servem para a imunização contra diversas doenças causadas por vírus e bactérias, também conhecidos como micróbios, ou seja, organismos tão pequenos que só podem ser vistos pelo microscópio. Os chamados antígenos representam os constituintes ativos das vacinas, ou seja, os verdadeiros responsáveis pela aquisição da imunidade para os animais vacinados. As vacinas são produzidas e classificadas de acordo com os diversos tipos de antígenos, representados pelos próprios microorganismos causadores das doenças ou por suas partes estruturais e produtos de seu metabolismo.

Um programa efetivo de imunização deve propiciar a proteção para controlar ou prevenir as moléstias infecciosas que naturalmente ocorrem nos rebanhos (Brumbaugh & Hjerpe, 1993).

Segundo a Instrução Normativa n° 87 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) que estabelece as diretrizes do Programa Nacional de Sanidade dos Caprinos e Ovinos (PNSCO), não é obrigatória a prática de nenhum tipo de vacina para os pequenos ruminantes. Mesmo enfermidades como a febre aftosa, doença responsável por prejuízos econômicos exponenciais em virtude dos embargos econômicos internacionais impostos aos países ou áreas geográficas endêmicas, a vacinação de pequenos ruminantes não é realizada. Segundo o Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PNEFA, 2007) do MAPA, a vacinação contra a febre aftosa é proibida para ovinos e caprinos.

No entanto, em virtude do impacto econômico representado por diversas doenças que assolam os rebanhos nacionais, algumas vacinas tornam-se essencias como medidas preventivas. Os tópicos abaixo ilustram as principais doenças e métodos de vacinação utilizados a campo para a prevenção dos rebanhos caprinos e ovinos.

Raiva

A raiva representa uma doença viral que acomete os diversos animais domésticos e o homem, tendo no cão o principal reservatório da doença para disseminação nas áreas urbanas. Em ambiente rural os morcegos hematófagos da espécie Desmodus rotundus representam um dos principais vetores da doença para caprinos e ovinos.

A doença se manifesta por uma gama de sinais clínicos que incluem isolamento do rebanho, apatia, perda do apetite, dor, excitabilidade, salivação abundante, dificuldade de deglutição, incoordenação motora, tremores e paralisia respiratória que evolui para a morte dos animais.

Clostridioses

Em virtude do caráter agudo e da dificuldade para estabelecimento de tratamentos eficazes para as clostridioses, medidas preventivas devem ser adotadas, sendo a utilização de vacinas a principal estratégia a ser utilizada (LOBATO et al., 2004).

O termo clostridioses engloba uma variedade de manifestações clínicas causadas por diferentes bactérias anaeróbicas produtoras de toxinas que acometem as diferentes espécies de interesse econômico e de companhia.

Os principais sinais clínicos apresentados por ovinos e caprinos acometidos incluem a dificuldade de locomoção, incoordenação, aumento de volume de membros posteriores, excitabilidade, desvio lateral de cabeça e morte súbita. Ovinos podem contrair o carbúnculo sintomático, tipo de clostridiose causada predominantemente pela espécie de bactéria Clostridium chauvoei, através da contaminação de ferimentos, tais como feridas causadas durante o parto, castração e lesões de umbigo (RIET-CORREA, 2001).

Linfadenite Caseosa

A linfadenite caseosa ou mal do caroço é uma enfermidade altamente contagiosa causada pelo Corynebacterium pseudotuberculosis que acomete preferencialmente ovinos e caprinos causando perdas econômicas por condenação de carcaças (Riet-Correa, 2001). A doença é caracterizada pela formação de abscessos em diferentes partes do corpo dos animais, podendo levar a emagrecimento progressivo, deficiência respiratória e hepática (abscessos localizados em vísceras, pulmão e fígado, respectivamente).

Ectima Contagioso

O ectima contagioso ou dermatite pustular é uma doença infecto-contagiosa causada pelo vírus Parapoxvirus que afeta ovinos e caprinos. A enfermidade é caracterizada pelo desenvolvimento de lesões na pele do focinho, úbere e boca que evoluem para a formação de bolha, úlceras e crostas grosseiras.

Borregos ou cabritos não recebem anticorpos contra a doença através do colostro materno (Barros, 2001). Os animais gravemente afetados podem perder peso pela dificuldade de alimentação, sendo que em animais jovens as lesões na língua impedem a amamentação levando a expressivas perdas econômicas, situação que sinaliza para importância dos programas de vacinação nos casos de surtos.

A Tabela 1 abaixo ilustra as principais vacinas e os esquemas de vacinação preconizados para a prevenção de doenças dos pequenos ruminantes.

Tabela 1. Esquema de vacinação indicado para caprinos e ovinos.


*Adaptado de Cavalcante & Barros (2005) e Langoni (2004).

1 Vacinação preferencial em regiões endêmicas para a doença.
2 Preferencialmente vacinas polivalentes (várias espécies de clostrídeos) e vacinação das fêmeas gestantes para aumento da concentração de anticorpos no colostro materno.
3 Proteção vacinal variável não havendo proteção total contra formação de abscessos.
4 Recomenda-se a vacinação apenas em casos de surtos na propriedade, visto que a vacinação insere o vírus nas propriedades; animais mesmo vacinados podem adquirir a doença.

Outras enfermidades que merecem menção pela incidência e morbidade nos rebanhos caprino e ovino e que podem ser controladas com o emprego sistemático de vacinações encontram-se exemplificadas nos tópicos abaixo.

Leptospirose

Caprinos e ovinos são susceptíveis aos mesmos sorovares (variedades) de leptospiras que acometem os bovinos (Langoni, 2005), motivo pelo qual se preconiza a utilização das mesmas vacinas comerciais após a identificação sorológica da variedade de leptospira responsável pelos surtos nas propriedades.

A espécie ovina corresponde ao grupo de animais domésticos menos susceptíveis à doença, embora a leptospirose possa se manifestar nas formas aguda ou crônica levando a quadros de septicemia ou infecção generalizada, hemorragia, problemas renais, mastite sanguinolenta, retorno ao cio, abortamento e morte precoce de cordeiros (Hermann et al., 2004).

Após a identificação do surto preconiza-se a vacinação com duas doses em intervalos de 3 a 5 semanas e revacinação semestral, conduzindo também o tratamento sistêmico com antibióticos para os animais clinicamente acometidos.

Foot Root

O Foot Root caracteriza-se por uma doença bacteriana altamente contagiosa que afeta todos os aspectos da produção de pequenos ruminantes, levando a inflamação dos cascos e laminite (Burke & Parker, 2007). Preconizam-se vacinações estratégicas dos animais susceptíveis coincidindo com os períodos mais favoráveis ao aparecimento de surtos.

Segundo Ribeiro (2001) para a prevenção dos surtos de outono recomenda-se a vacinação do rebanho em fevereiro e reforço em maio. Para evitar os surtos de primavera os animais devem ser vacinados em julho e revacinados em agosto. Para animais já vacinados, incluindo fêmeas em gestação recomenda-se o reforço anual. Trabalhos recentes têm explorado o efeito da raça, categoria animal e grau de acometimento dos animais sobre a resistência e sua herdabilidade na produção de pequenos ruminantes.

Cabe ressaltar que a conservação inadequada (temperatura de estocagem ideal encontra-se entre 2 a 8°C), aplicação após o vencimento, dose incorreta ou insuficiente, falta de assepsia ou limpeza no local de aplicação representam fatores determinantes para o sucesso dos programas de vacinação, independentemente do tipo de vacina utilizada ou da espécie animal. As boas práticas de vacinação aliadas a vacinas de qualidade comprovada representam o primeiro passo para o correto manejo sanitário dos criatórios caprinos e ovinos, merecendo, portanto, total atenção por parte dos produtores e técnicos envolvidos nessa cadeia produtiva.

Referências

BARROS, C.S.L. Ectima Contagioso. In: RIET-CORREA, F.; SCHILD, A.L.; MÉNDEZ, M.D.C. et al. Doença dos Ruminantes e Eqüinos. ed.2. São Paulo: Varela, 2001. p.72-76.

BRUMBAUGH, G.W.; HJERPE, C.A. Uso de agentes biológicos na prevenção das moléstias infecciosas. In SMITH, B.P. Tratado de Medicina Interna de Grandes Animais. ed.1. Barueri: Manole, 1993. p.1469-1503.

CAVALCANTE, A.C.R.; BARROS, N.N. Sistema de produção de caprinos e ovinos de corte para o Nordeste brasileiro, 2005. Disponível em: Acesso em 28 de agosto de 2007.

FERNANDES, C.G. Raiva. In: RIET-CORREA, F.; SCHILD, A.L.; MÉNDEZ, M.D.C. et al. Doença dos Ruminantes e Eqüinos. ed.2. São Paulo: Varela, 2001. p.149-162.

HERMANN, G.P.; LAGE, A.P.; MOREIRA, E.C. et al. Soroprevalência da aglutininas anti-Leptospira spp. em ovinos nas mesorregiões sudeste e sudoeste do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Ciência Rural, v.34, n.2, p.443-448, 2004.

LANGONI, H. Vacinas: Quando e como Usá-las. Anais Palestra. Disponível em: Acesso em 01 de setembro de 2007.

LOBATO, F.C.F.; ASSIS, R.A.; BALSAMÃO, G.M. Eficácia de vacinas comerciais contra clostridioses frente ao desafio com Clostridium sordellii. Ciência Rural, v.34, n.2, p.439-442, 2004.

MACIEL, F.C. Caprinovinocultura: Manejo Sanitário. In: Série Circuito de Tecnologías Adaptadas para a Agricultura Familiar, 2006. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. Natal: Brasil, 2006. p.1-18.

RIBEIRO, L.A.O. Foot Root. In: RIET-CORREA, F.; SCHILD, A.L.; MÉNDEZ, M.D.C. et al. Doença dos Ruminantes e Eqüinos. ed.2. São Paulo: Varela, 2001. p.242-252.

RIET-CORREA, F. Carbúnculo Sintomático. In: RIET-CORREA, F.; SCHILD, A.L.; MÉNDEZ, M.D.C. et al. Doença dos Ruminantes e Eqüinos. ed.2. São Paulo: Varela, 2001. p.213-216.

RIET-CORREA, F. Linfadenite Caseosa. In: RIET-CORREA, F.; SCHILD, A.L.; MÉNDEZ, M.D.C. et al. Doença dos Ruminantes e Eqüinos. ed.2. São Paulo: Varela, 2001. p.284-288.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Jefferson de Alexandre Pessoa

Palmas - Tocantins - Instituições governamentais
postado em 05/09/2007

Acredito que com o crescimento da ovinocaprinocultura em todo o país e a pressão internacional por produtos de qualidade e com um rígido controle de sanidade as diretrizes do Ministério da Agricultura para com algumas doenças contempladas pelo PNSCO deverão se alterar. Mesmo porque o Programa ainda está em construção e diversas diretrizes sob consulta pública.

Álvaro Ferreira Júnior

Uberlândia - Minas Gerais - Pesquisa/ensino
postado em 07/09/2007

Acredito que dentro do processo de criação e implementação da cadeia produtiva para os ovinos é fundamental a introdução das técnicas de imunização ativa (viroses, bacterinas e os toxóides). A relação custo benefício que a vacinação pode oferecer aos produtores (redução da morbidade e da mortalidade dentro do rebanho vacinado X custo de aquisição das vacinas e manejo da aplicação) é suficiente para que voluntariamente muitos produtores já realizem essa prática. E na minha opinião estes produtores já encaram a ovinocultura como uma atividade profissional. Para aqueles que ainda consideram esta atividade como hobby, a obrigatoriedade de certas vacinas ajudará a resguardar a sanidade dos rebanhos tecnificados.

Edson Luiz Peres

Populina - São Paulo - medico veterinario
postado em 10/09/2007

A ovinocaprinocultura é o mercado promissor e de grande e premente vicissitude, porém precisamos ser mais sérios. Profissionais certos nos lugares certos.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade