Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Principais cuidados com os cordeiros recém nascidos

Por Cledson Augusto Garcia
postado em 20/04/2007

88 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O período de gestação da ovelha é de aproximadamente 147 dias, sendo que nos primeiros 100 dias de prenhês, a exigência da mesma é menor. Entretanto, na fase que compreende as últimas 6 semanas (terço final de gestação) são formados aproximadamente 75-80% de peso final do cordeiro. Neste período, a alimentação deficiente traduz-se em nascimento de cordeiros débeis, além da baixa produção de leite da ovelha e menor instinto materno, com maior chance de rejeição dos cordeiros.

Desta maneira, o cuidado com o cordeiro se inicia quando o mesmo está na fase de feto, devendo dar continuidade nas boas práticas de manejo após o nascimento. O colostro é imprescindível nas primeiras horas, quanto mais rápido o cordeiro ingeri-lo melhor (no máximo até 8 horas), devido à maior absorção de imunoglobulinas nesse período, conferindo a imunidade pelo mesmo.

As reservas energéticas dos cordeiros os mantêm vivos por um período de aproximadamente oito horas, em condições de frio e umidade, esse tempo reduz drasticamente se a cria não mamar o colostro, em pouco tempo entra em estado de inanição e vem a óbito.

Em seguida, deve-se realizar o corte (2 a 3 cm) do umbigo, quando necessário, com tesoura desinfectada, posteriormente deve-se fazer a desinfecção do mesmo, com tintura de iodo a 5%, segurando o cordão umbilical imerso em um frasco de boca larga por 40 a 60 segundos.

Outra técnica importante é a identificação e pesagem dos cordeiros (PN= peso ao nascer), possibilitando selecionar as melhores ovelhas, pois aquelas que produzirem mais leite irão desmamar cordeiros mais pesados, inclusive devemos anotar se a mesma teve parto simples, gemelar ou múltiplo.


Figura 1. Registro do peso aos nascer do cordeiro.

Quanto menor o peso ao nascer maior será a probabilidade de mortalidade do cordeiro, aliado a demora da mamada do colostro, considerados fatores indesejados, que são responsáveis pela alta mortalidade dos cordeiros por inanição, podendo chegar em percentuais elevados, sendo que até 10% são considerados valores aceitáveis.

Em raças lanadas deve ser realizada a caudectomia, em cordeiros (as) que serão destinados à reprodução, em criações cujo objetivo é a produção cordeiros para abate, não há necessidade desta prática de manejo. A idade ideal para o corte da cauda é de aproximadamente 3-10 dias, quanto mais novo, mais rápida será a cicatrização. A caudectomia pode ser feita com alicate elastrador (borrachinha - figura 2), com ferro aquecido ao rubro (quente) ou até mesmo com equipamentos a gás ou elétrico, já existentes no mercado.


Figura 2. Caudectomia de cordeiro lanado com alicate elastrador

No desmame devemos realizar outra pesagem (PD), possibilitando o cálculo do ganho de peso médio diário (GMD), que é obtido pela seguinte fórmula: GMD = PD-PN/ID (Idade do desmame).

Em seguida, passarão para a fase de recria, sendo a categoria chamada de borregos (as), devendo dar continuidade no bom manejo, pois estes serão futuras matrizes e/ou reprodutores, no caso da criação ter como meta à produção de animais elite.

No próximo artigo abordaremos os principais cuidados no manejo dos animais em recria.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Antonio Campos Lopes

Itaberaba - Bahia - Instituições governamentais
postado em 06/08/2007

Conciso, preciso e completo e em linguagem acessível aos produtores.

fabricio pereira frota

Porto Nacional - Tocantins - Instituições governamentais
postado em 21/09/2007

A matéria é muito interessante e esclarecedora. Apenas queria saber o porque do corte de cauda?

Resposta do autor:
Prezado Fabrício,
Para evitar acúmulo de sujidades na região de vulva e ânus. A prática é realizada somente em ovinos lanados que vão para reprodução. Tanto machos quanto fêmeas.
Grato

--
Prof. Dr. Cledson Augusto Garcia

Fabiano de Aragão Oliveira

Imperatriz - Maranhão - Consultoria/extensão
postado em 24/08/2009

Gostei muito do artigo, mas tenho muitas duvidas ainda no manejo dos recém-nascidos.

Tenho criação de ovinos em Imperatriz-MA, e estou sentindo muita dificuldade com os borregos, a mortalidade é imensa.

Fiz um estoque de colostro de vaca e forneço para os filhotes após o nascimento cerca de 250 mL, quando as mães não produzem leite suficiente ou não produz nada eu suplemento os filhotes em 450 mL dividido 3 vezes ao dia até os 15 dias de idade, após disso diminuo para 300 ML em 2 vezes ao dia simulando uma mamada controlada pois os filhote ficam no creep.

Obs. O leite que forneço é de vaca diluido em água na proporção de 1:1.

O que acontece é o seguinte: Muitos borregos com média de 5 dias recebendo todo o tratamento adequado diariamente estão enfraquecendo ate a morte, mas, um enfraquecimento relâmpago. Tenho algumas desconfianças! possa ser o leite com a diluição o valor nutricional dele cai, ou os animais estão ingerindo alguma bacteria na baia.

Desde ja agradeço e aguardo resposta.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade