Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Leite de cabra pode ser usado em fórmulas infantis no Reino Unido, mas pode não ter oferta suficiente para isso

postado em 23/01/2014

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Com a introdução da legislação que permite o uso de proteína do leite de cabra na produção de fórmulas infantis, o chefe da Associação de Nutrição Especializada Britânica (BNSA) questionou se as cabras do país podem produzir leite suficiente “para justificar processá-lo em pó”.

Na semana passada, o Departamento de Saúde do Reino Unido anunciou que, após um período de consulta, fez uma emenda nas regulamentações de fórmulas infantis, de 2007, autorizando “pela primeira vez” o uso de proteína do leite de cabra na produção de fórmulas infantis. Anteriormente, as únicas fontes de proteínas que eram permitiras eram de leite de vaca e de soja.

O diretor geral do BSNA, Roger Clarke, disse que dado o tamanho da indústria de leite de cabra britânica, o processamento de fórmulas infantis baseado nesse produto pode não ser “prático”. “Do ponto de vista comercial, eu não sei onde eles começariam. Eu não sei nem se eles teriam volumes. Isso simplesmente não é prático”.

De acordo com o Departamento de Meio-Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais do Reino Unido (Defra), existem cerca de 30.000 cabras produzindo leite na Inglaterra e no País de Gales. Cada cabra em lactação produz em média 1.000 litros de leite por ano. Isso significa teoricamente que as cabras britânicas produzem cerca de 30 milhões de litros de leite por ano – comparado com 13,2 bilhões de litros de leite de vaca produzido por ano no Reino Unido.

“Considerando o número de rebanhos caprinos no país, a menos que eles formem uma cooperativa, não consigo vê-los produzindo leite suficiente para justificar a secagem. Essa é minha opinião prática, não a opinião da BSNA. Pode haver um cenário diferente na Europa como um todo, mas eu duvido disso”.

A introdução de fórmulas infantis baseadas em proteína de leite de cabra fornecerá “uma opção melhor para os pais e cuidadores que desejam usar uma alternativa às fórmulas baseadas em leite de vaca e soja”, disse o memorando do Departamento de Saúde do Reino Unido. Esse informa que pelo menos um processador pretende lançar fórmula infantil à base de leite de cabra no Reino Unido.

Clarke, cuja organização representa empresas como Danone Nutrition, Nestlé Nutrition, Mead Johnson Nutrition e Abbott Nutrition, não foi capaz de dizer qual é esse processador. “É provável que seja um de nossos membros, à medida que representamos quase todos os processadores de fórmulas infantis do Reino Unido, mas qual companhia é, eu não sei”.

Não foram recebidas objeções à emenda, mas oito respostas, de membros da indústria incluindo Baby Milk Action, BSNA e Royal College of Midwives, foram recebidas durante o período de consulta. As respostas focaram na “importância de qualquer nova fórmula baseada em leite de cabra ser rotulada e comercializada de acordo com a legislação” e “preocupações de que pais e cuidadores possam acreditar de forma incorreta de que as fórmulas baseadas em leite de cabra são adequadas para bebês diagnosticados com alergia à proteína do leite de vaca”.

A emenda, que se aplica somente à Inglaterra, começará a valer a partir de 28 de fevereiro de 2014. A partir dessa data, os processadores podem formular seus produtos de acordo com os padrões revisados. Uma legislação paralela está sendo feita na Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

A reportagem é do Dairy Reporter, adaptada pelo FarmPoint
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade