Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Petróleo, o grande culpado

Por ANDRE MELONI NASSAR
postado em 16/04/2008

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os preços dos alimentos se transformaram em preocupação mundial. Altos preços são um problema para os importadores líquidos de alimentos, que estão entre os países mais pobres do mundo - e para o brasileiro também, se deixarem algum resíduo inflacionário por aqui. Até o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) e o presidente do Banco Mundial revelaram, recentemente, suas preocupações sobre o tema.

O problema maior, no entanto, não é as commodities estarem caras, mas sobrevalorizadas. A dica é a seguinte: quer saber o que vai acontecer com os preços dos alimentos? Siga os preços da energia. E a moral da história: os alimentos estão sobrevalorizados porque as políticas dos EUA para o etanol de milho e as européias para o biodiesel de colza encareceram os alimentos mais do que o esperado.

Desde que os preços do petróleo dispararam a partir de 2003 - nessa época o barril estava cotado abaixo dos US$ 30 e hoje já ultrapassou a barreira dos US$ 100 -, uma mudança estrutural ocorreu nos preços das commodities agrícolas: seus preços e os do petróleo passaram a andar juntos.

Isso é verdade para as commodities agrícolas que são usadas para biocombustíveis, como milho, óleos vegetais (soja, palma e colza) e açúcar (que é referência de preço para o etanol de cana-de-açúcar), mas é também verdade para as commodities não-energéticas, como café e algodão. A crescente integração financeira dos mercados, o movimento dos investidores institucionais em direção aos derivativos, o aumento dos custos dos fertilizantes agrícolas, fruto da subida dos preços do petróleo, e a própria desvalorização do dólar, por si só, já explicam o porquê dessa aproximação de tendências.

Quando, no entanto, investigamos mais a fundo, identificamos que as commodities agrícolas energéticas estão mais fortemente conectadas aos preços do petróleo e, mais importante, que existe uma relação de causalidade entre eles. Ou seja, que os preços do petróleo influenciam fortemente os preços das commodities agrícolas energéticas. O mesmo não foi encontrado na via contrária - preços das commodities determinando preços de petróleo.

Não há como negar, portanto, que o desenvolvimento do mercado de biocombustíveis promoveu uma integração mais intensa das commodities agrícolas energéticas com os preços do petróleo. Isso significa que uma subida nos preços do petróleo não deixaria de levar para cima as commodities agrícolas, sobretudo as energéticas. Essa relação íntima entre petróleo e commodities agrícolas energéticas deverá permanecer até que a oferta dos agrícolas volte a acompanhar a demanda.

Os biocombustíveis, dessa forma, têm, sim, sua parcela de responsabilidade na alta dos preços dos alimentos, na medida em que promoveram essa maior integração entre petróleo e commodities agrícolas energéticas. É bom termos em mente, contudo, que biocombustíveis não afetam preços de petróleo. Essa integração, ao contrário do que alguns estão falando, é boa, porque traz maior previsibilidade ao mercado de commodities agrícolas, que está entre os mais voláteis. Dado que os biocombustíveis não promovem aumento nos preços do petróleo, a única forma de conter o aumento do preços dos agrícolas é conter os preços do petróleo. Alguém põe fé em que isso seja possível?

O petróleo é, portanto, o grande culpado pelo aumento estrutural dos preços. Onde está a culpa, afinal, dos biocombustíveis? Está na sobrevalorização das commodities agrícolas energéticas em relação aos preços do petróleo. Para medir isso convertemos os preços das commodities agrícolas energéticas em peso equivalente de petróleo e os comparamos com os preços do petróleo na mesma unidade de medida. Esse procedimento é feito a partir do conteúdo de energia em cada produto. Um exemplo: o preço médio do açúcar na Bolsa de Nova York em 2007 foi de US$ 0,996 por libra. Isso equivale a US$ 320 por m3 de etanol, que é igual a US$ 0,62/kg de petróleo equivalente. O preço do petróleo nesse mesmo ano foi de US$ 71 por barril, ou US$ 0,56/kg.

Quando comparamos os preços de milho, óleos vegetais (colza, soja e palma) e açúcar com o petróleo, descobrimos que, de 2005 até os primeiros meses de 2008, com exceção do açúcar, os preços das commodities agrícolas estão se sobrevalorizando em relação ao petróleo. Em 2005, o milho, a preços de petróleo, valia US$ 0,49/kg, ante US$ 0,42/kg do petróleo. Hoje, o preço do milho é de US$ 1,05/kg, ante US$ 0,73/kg no caso do petróleo. A relação entre preços passou de 1,15 para 1,44. No caso do óleo de colza, matéria-prima para o biodiesel europeu, a relação subiu de 2,3 para 2,8. A relação nos óleos de soja e palma, substitutos da colza no prato do europeu, passou de 1,5 e 1,15 para 2,3 e 2. Em relação ao petróleo, milho e óleos de colza, soja e palma se valorizaram em 25%, 19%, 43% e 65%, respectivamente. O açúcar, na contramão dos demais, desvalorizou-se em relação ao petróleo.

Por que milho e oleaginosas estão ficando mais caros em relação ao petróleo e, assim, puxando os preços dos alimentos para cima? Os preços não deveriam andar juntos, já que eles são aditivos para gasolina e diesel? A explicação está nas políticas utilizadas por EUA e União Européia, que distorcem o mercado desses produtos. Se os mercados de biocombustíveis fossem abertos, os preços de milho e óleos de colza, soja e palma deveriam estar, hoje, 20%, 16%, 30% e 39% mais baixos, mantendo a relação que tinham com o petróleo em 2005.

Uma correção dos preços, porém, não significa que eles não teriam subido. Significa apenas que estariam menos valorizados. Se a idéia é encontrar um culpado pela alta dos alimentos, aponte-se o dedo para o petróleo.

Artigo baseado no documento de trabalho "O Petróleo e a Formação dos Preços das Commodities Agrícolas", de autoria própria em conjunto com M. Moreira e L. Harfuch.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

ANDRE MELONI NASSAR    São Paulo - São Paulo

Pesquisa/ensino

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

André B. F. Schierz

São Paulo - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 22/04/2008

Acredito que vale mencionar, além do acima, com o que devemos mesmo pontuar para que os "dirigentes" do mundo não apontem o dedo para o lugar errado, é que houve um incremento muito grande de investidores que antes estavam "restritos" ao mercado financeiro em commodities.

Também pelo mesmo argumento do preço daquelas commodities relacionadas com energia, mas pela maior rentabilidade oferecida, que antes era questionável, já que os mercados financeiros ofereciam bons retornos.

Com a crise, diversificar e procurar novos mercados foi a palavra de ordem. O mercado de commodities não é novo, e muitos fundos vêem trabalhando com suas análises fundamentalistas e grafistas com successo há alguns anos. Muito dinheiro entrou comprando commodities nos mercados futuros.

O Atual panorama também os incentiva, ásia crescendo muito, estimulando a demanda por alimentos, além de problemas climáticos e estoque mundiais em níveis muito baixos.

Ou seja, há mais fundamentos do que aqueles correntemente apontados, todos importantes para montar o cenário atual.

Javier Berterreche

Tarragona - Catalonia - Espanha - Pesquisa/ensino
postado em 24/04/2008

Ótimo artigo. Achei muito interessante, para poder interpretar um assunto muito controversial.

Maurício de Souza Sobrinho

Patrocínio - Minas Gerais - Instituições governamentais
postado em 05/05/2008

Ótimo, parabéns!
Textos como estes deveriam ganhar a grande mídia para estimular o debate. É triste ver organismos internacionais usando a fome, que sempre existiu e nunca os preocupou, simplesmente porque o domínio que sempre tiveram sobre o mundo está sendo dividido com outros, como o Brasil, por exemplo.

Aroldo Augusto Martins

Edealina - Goiás - Produção de leite
postado em 14/05/2008

Já faz alguns anos que sempre surge um vilão para os aumentos do insumos , já foi o dólar , a seca , o frio e agora é o petróleo. Tudo isso é uma maneira de acabar com o produtor, o que realmente precisava acontecer era a união dos produtores, e uma grande greve ou seja ninguém plantar ou melhor plantar só para o consumo. Quem sabe dai os governantes olhariam o agronegócio com maior interesse e pagariam um preço mais justo para quem produz e menos para quem especula.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade