Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Relação entre utopia e plano de realidade

Por Rodrigo CA Lima
postado em 20/02/2009

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O debate sobre transgênicos é um caso típico da relação entre o universo utópico e o plano da realidade. A questão regulatória dentro do Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança, que visa criar regras para o movimento entre países de organismos vivos modificados (OVMs), como sementes, grãos, enzimas, bactérias e outros microorganismos, é um exemplo interessante de como os países, organizações não-governamentais, entidades do setor privado e organizações da sociedade civil se movimentam em torno de um assunto tão polêmico.

Um dos temas discutidos nas reuniões do Protocolo é a criação de um regime de responsabilidade e compensação por danos causados pelos OVMs ao uso e a conservação da diversidade biológica. Dentro dessa negociação, muitas vezes parte-se do pressuposto de que todo e qualquer produto derivado da biotecnologia impõe um perigo iminente, como se representassem um risco potencial para a biodiversidade, para a saúde humana, para os animais e para a sociedade. Por essa razão, algumas propostas defendem que é preciso tratar dos OVMs considerando os potenciais riscos que podem trazer, quando na realidade, a possibilidade de responsabilização depende da efetiva ocorrência de um dano sério, passível de ser mensurado e quantificado.

No último dia 6 de fevereiro o Itamaraty reuniu os Ministérios envolvidos no debate sobre biotecnologia e a sociedade civil para tratar da posição brasileira que será defendida na reunião do Protocolo que ocorrerá na cidade do México durante a semana do Carnaval. Quatro pontos ficaram claros em relação à posição brasileira: 1) nenhuma regra deve ser criada com o objetivo de barrar o desenvolvimento da biotecnologia; 2) a criação de seguros com vistas a cobrir possíveis danos dos OVMs não é necessária para atingir os objetivos do Protocolo e poderá criar novos custos para produtores, transportadores, traders, importadores e consumidores, o que deve ser rejeitado; 3) somente danos à biodiversidade, levando-se em conta possíveis danos à saúde humana podem ser considerados; 4) as regras não devem ensejar barreiras desnecessárias ao comércio.

Apesar das críticas a essa posição, que no entender de muitas pessoas coloca o Brasil na contramão da biossegurança, é possível enxergar que felizmente o governo brasileiro passou a tratar essa negociação com uma visão realista. É sempre bom enfatizar que os OVMs sujeitos a movimentos transfronteiriços são produtos que passaram por rigorosos processos de análise de risco. Além disso, todos os países têm acesso às informações sobre quais OVMs foram aprovados nos países exportadores, o que é uma ferramenta de transparência importante.

demanda por seguros denota o quanto as discussões no contexto do Protocolo ganharam contornos irrealistas. Discute-se, por exemplo, que os produtores, transportadores, armazenadores, exportadores, desenvolvedores da tecnologia e importadores teriam que fazer seguros contra possíveis danos dos OVMs. Considerando que não é fácil rastrear cada grão de soja vendido no mundo, ou as enzimas e bactérias microscópicas que provavelmente serão utilizadas na fabricação de queijos, como exigir seguros de todas essas pessoas, lembrando que se discute um período de até 20 anos para que o dano seja reclamado?

É realmente necessário criar seguros para proteger a biodiversidade? Esses seguros não trariam aumento de custos de produção e dos alimentos? Seria simplesmente impossível operacionalizar um seguro nesses moldes, sem contar que até hoje não existem apólices dessa natureza, mesmo porque não se sabe quais danos deveriam ser cobertos.

Partindo-se do cenário acima, é muito confortante observar que o Itamaraty passou a defender uma negociação equilibrada. Não foi a postura adotada pelo Brasil que evitou uma decisão na reunião de Bonn em 2008, mas sim, o intenso debate entre o Japão, que passou a defender regras ponderadas sobre o tema, e a Malásia, que luta por decisões rigorosas. O sentimento claro no final daquela reunião era de que a negociação estava desbalanceada, e é preciso rever certos pontos para não ir além dos propósitos do Protocolo, criando barreiras à biotecnologia e tornando-o um tratado de difícil cumprimento.

A reunião do México certamente dará espaço para as propostas idealistas e realistas. Se as propostas contrárias aos OVMs forem mais fortes, é muito provável que anos e anos de discussões e negociações levem a mais um tratado ambiental sem aplicabilidade, não pelo fato de ser pouco importante, mas porque no mundo em constante movimento no qual vivemos, prevaleceu o viés utópico, desmerecendo as realidades de nosso dia a dia. Espera-se, no entanto, que predomine o bom senso e a clareza quanto ao grande objetivo que é preservar a biodiversidade por meio de regras que permitam reparar danos quando eles sejam efetivamente sérios, mensuráveis e quantificáveis.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Rodrigo CA Lima    Alcântara - Maranhão

Produção de gado de corte

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

wesley Pinto Nascimento

Porto Nacional - Tocantins - Estudante
postado em 26/02/2009

Achei este artigo muito bom, porque ele nós lembra em que qualquer projeto agricola é sempre bom nos preocuparmos com a biodiversidade, e tambem nos deixando sempre bem informado.

luciana maria pazinato

Rondonópolis - Mato Grosso - Pesquisa/ensino
postado em 04/03/2009

Muito bom, coisa de profissional!

Uma visão clara, para nós que estamos do lado de fora das discussões, mas que precisamos nos atualizar sobre assuntos, que díga-se de passagem, se tornaram utopias pela simples falta da informação clara vinculada aos canais de comunicação.

L. Ferreira de Aguiar

Patrocínio - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 07/03/2009

Quando se fala tanto em Código Florestal, vemos ecologistas defendendo sem nenhum escrúpulo a destruição do setor produtivo rural em nome da defesa do meio ambiente, me vem uma pergunta: será que os cereais como milho e soja transgênica não ajudam a defender o meio ambiente? A agricultura empresarial e mesmo muitos pequenos agricultores usam sem nenhum controle inseticida nas sementes no plantio. Esse ano, no combate a lagartas no milho na nossa região, foi muito usado a pulverização aérea. E nessa época é comum vermos centenas de aves mortas envenenadas, e uma infinidade de animais que estão desaparecendo, mortos por inseticidas. Será que o milho transgênico resistente a lagartas não ajudaria a defender nossa fauna sem o uso de inseticidas?

Chegou a hora de ser racional, deixar o idealismo político cego de lado e pensar no Brasil como celeiro de um mundo globalizado. Onde cada dia mais se exigem condições de competir em preços, tendo alta produtividade com baixos custos de produção. Ou então correremos o risco de terminar como nossos vizinhos, a mercê da demagogia e irresponsabilidade de ditadores incompetentes ou até mesmo com o desabastecimento do mercado interno. Não podemos pensar esse assunto como uma utopia, mas como um fato que se não for levado a sério nos deixará fora do mundo real. Onde vai sair melhor quem usar as novas tecnologias, sabendo usar as vantagens que os Ovms podem trazer em beneficio para o homem, com segurança e conhecendo a fundo essa nova realidade.

L. Aguiar

Rubem Rosso Baptistella

Indaial - Santa Catarina - Médico Veterinário
postado em 19/03/2009

Meus caros, muito bom os comentários de vocês, porém são focados em meios, não em fins e, se em fins, os fins escolhidos ainda não tem poder para tal.

O fato é que não adianta pensar em aumento de produção, somente, pois o monetarismo vigente não permite a boa distribuição dos produtos. Tão pouco adianta desenvolver grandes tecnologias enquanto estas, superfaturadas, forem alvo de especulações financeiras, principalmente.

Será que quase ninguém vê o mundo com clarividência? Ta quase toda a gente à mercê da roda que gira sem controle, à reboque do dinheiro. É como se uma avalanche descesse sobre todos nós e só vai parar quando houver o solapamento.

Triste fim se a maioria atual continuar ditando as normas. Procuro mas ainda não vi debate aberto destituído de forças facciosas direcionadoras do conscenso.

Triste abraço à todos!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade