Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Segurança alimentar mundial - e o Brasil?

Por ANDRE MELONI NASSAR
postado em 17/02/2011

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Pela repercussão na imprensa, está claro que o tema da oferta de alimentos está ganhando um novo status. Os artigos recentes publicados por Marcos Jank, Lester Brown e pelo ex-ministro Roberto Rodrigues mostram que o tema pode ser abordado a partir de diferentes perspectivas. As três manifestações, no entanto, cada uma à sua maneira, indicam a mesma origem para a elevação dos preços internacionais: a demanda por alimentos e produtos agropecuários vem crescendo com vigor nos últimos anos e a oferta - também porque acontecem eventos climáticos que a compromete em partes do mundo - não tem sido suficiente para repor estoques mundiais. O mercado identifica essa situação, empurrando os preços para cima.

Por sua própria natureza de elevado risco climático e pela crescente preocupação de nações com um tema que voltou para ficar no debate internacional - a segurança alimentar -, os preços dos produtos agropecuários são muito influenciados pelas expectativas do mercado. Tanto o mercado futuro quanto os compradores em busca de recomposição de estoques passam a alimentar as altas até que boas notícias do lado da oferta apareçam. Não há muito o que fazer numa situação como a que vivemos hoje. A boa notícia é que ela é, em sua essência, passageira - lembrando que, como safras agrícolas são anuais, o transitório dura meses.

O que é destoante na elevação de preços a que assistimos hoje é que ela é generalizada, ou seja, está ocorrendo com todas as commodities agrícolas. Seria preciso uma elevação muito além do provável na produção mundial para fazer os preços voltarem aos patamares de 2008, pós estopim da crise financeira nos Estados Unidos. Se este cenário está correto, o tema da segurança alimentar, entendido como a capacidade do mundo de ofertar alimentos em proporção equivalente ao crescimento da demanda, vai reaparecer com toda força nas relações internacionais. E, mesmo que os preços caiam no futuro próximo, a resiliência do mercado em lidar com baixos estoques estará em xeque - a menos, é claro, que a China reverta sua tendência de crescimento.

Assim, aumentar a oferta como mecanismo central para garantir segurança alimentar no mundo será a solução apregoada daqui para a frente. A segurança alimentar pode até ganhar status similar ao de mudança do clima em relação às atenções mundiais para problemas de natureza coletiva. Que caminhos existem para aumentar a oferta é assunto para um próximo artigo. Aqui, é preciso entender que o Brasil é parte interessadíssima nesta temática, seja na perspectiva do produtor rural, na da diplomacia política, na do investidor ou na do consumidor.

A FAO nos diz, com base em cenários de demanda, que a produção de carnes precisa crescer 48% de hoje a 2030 e mais 21% de 2030 a 2050. O milho, para dar conta de engordar todo o frango e suínos que as pessoas comerão a mais, terá de crescer 30%, no primeiro período, e mais 17%, no segundo. Oleaginosas, cujo cultivo se expandirá pelas mesmas razões que o milho e também pelo crescente consumo de óleos vegetais, terão de crescer 43% e 37%, respectivamente. Açúcar, 60% e 15%, levando em conta iguais períodos. Mesmo o arroz, produto menos dinâmico, terá de crescer 19% e 4%. O número é surpreendente: de hoje a 2050 o mundo terá de produzir mais 1 bilhão de toneladas de milho e oleaginosas, sendo necessários 90 milhões de hectares a mais.

Para isso 60% dessa nova área precisará entrar em produção até 2030 - a menos que o mundo descubra um jeito de fazer a produtividade crescer mais rapidamente. Mesmo tendo em conta que alguns produtos terão suas áreas reduzidas, como no caso do arroz, a demanda adicional por terra chama a atenção.

Tais cenários de demanda não me parecem fora da realidade por uma razão: o crescimento projetado de hoje a 2030 é menor do que o observado de 2000 a 2009, que é menor ainda para o período 2030 a 2050. Como sabemos, à medida que a renda cresce, as pessoas tendem a consumir alimentos de maior valor, mas, ao mesmo tempo, gastam uma porção menor de sua renda com alimentos. Esses cenários se baseiam nessa regra.

E o Brasil? Em todos os produtos citados o Brasil vem mostrando uma capacidade de aumentar a produção a taxas maiores do que as mundiais. Ou seja, o País vem ganhando participação de mercado na oferta internacional. A meu ver, é isso o que se espera do País.

Um cenário plausível é considerar que o Brasil continuará ganhando participação de mercado até 2030 e que, a partir de então, manterá sua participação até 2050. Até 2030, novas potências agrícolas surgirão e nossa responsabilidade em garantir a segurança alimentar poderá ser mais bem compartilhada. A produção de carnes deverá crescer 28 milhões toneladas até 2030 (63% de aumento) e 10,5 milhões até 2050 (26,5%). Nossa produção de soja duplicará até 2030 e baterá a casa de 170 milhões de toneladas em 2050 (172%). No caso do milho, cresceremos em 44 milhões de toneladas até 2030 (85%) e mais 17 milhões até 2050 (17% sobre 2009). A produção de açúcar chegará a 70 milhões de toneladas (90% de crescimento). Nessa perspectiva, já descontando ganhos normais de produtividade, o País terá de alocar na produção de soja, milho e, em menor proporção, cana-de-açúcar, mais 16 milhões de hectares até 2030 e 5 milhões, de 2030 a 2050.

Uma reforma inteligente do Código Florestal vai garantir que essa produção adicional ocorra nas áreas de maior aptidão para agricultura no Brasil. Parte da demanda adicional por terra virá das pastagens, outra parte se expandirá no Cerrado. Pela interpretação de dados históricos, a expansão de grãos se dará 60% sobre pastagens e 40% sobre áreas novas. Se feita de forma inteligente, respeitando a legislação brasileira e práticas agrícolas mais sustentáveis, o mundo agradecerá nossa mudança no uso da terra.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

ANDRE MELONI NASSAR    São Paulo - São Paulo

Pesquisa/ensino

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Carlos Eduardo Costa Maria

Anhembi - São Paulo - Instituições governamentais
postado em 18/02/2011

Interessante, os dados apresentados neste artigo sobre a necessidade espantosa de se produzir alimentos num período extremamente curto é de chamar atenção.Mas o que destoa é esta preocupação inusitada sobre este antigo clamor de se garantir alimentos à população.Seja pela crescente consciência de se respeitar os limites ambientais em razão da influência das atividades humanas sobre as mudanças climáticas globais,especialmente na atividade agricola, mais visada pelos ambientalistas e também pela necessidade de novos fatores ao mercado especulador, que descobriram na produção alimentar um filão de lucros fáceis reafirmando tão desumano é este sistema econômico ao transformar em commodities produtos de primeira necessidade que afetará a vida de milhões de pessoas, alijadas dos benefícios da tecnologia atual.

Jose Eduardo Ferreira da Silva

Belo Horizonte - Minas Gerais - Analista de Desenvolvimento
postado em 18/02/2011

Há tendência de aumento de consumo de bens superiores (leites e derivados, carnes, etc), em função do aumento de renda nos países em desenvolvimento, sobretudo China, India, Rússia,entre outros, terá conseqüência com o aumento da demanda de soja e milho (elasticidade cruzada). Abre-se uma grande oportunidade para o Brasil (e quem sabe para a África?), desde que se resolva desde já alguns entraves:
- direito de propriedade com repressão às invasões e paralisação do patrocínio público a grupos de sem-terras;
- gastos públicos - reverter a situação vergonhosa de aumento dos gastos de custeio vis-à-vis os ridículos gastos em investimentos (não precisamos de trem bala!).
- logística - solucionar os gargalos em portos, estradas, ferrovias, armazenamento e transbordo, além dos problemas de governança no sistema (trem bala?!);
- juros e impostos pornográficos - a meta deve ser o país convergir para os patamares internacionais;
- educação e ciência e tecnologia para o agronegócio - sem isso, não existe competitividade, nem respeito ao meio ambiente, nem gente capaz de pensar criticamente o país, e continuaremos a mercê de governantes velhacos posando de mitos e salvadores da pátria. Um cenário de horror.

A especulação é fato, mas é apenas uma reação das pessoas e empresas e, no fundo é importante para conferir liquidez aos mercados. Não é a causa, mas a conseqüência. Ficar resmungando em torno de concepções ideológicas (esse papo de amaldiçoar especuladores, mercado de derivativos, etc, é aborrecido) não nos leva a pensar o Brasil, as ameaças e oportunidades que se abrem. Precisamos pensar estrategicamente e para isso é necessário enxargar o que pode emperrar nesse caminho, como vamos resolver as questões acima e trabalhar para desempenhar o papel que o mundo espera de nós e alavancar os ganhos de produtores, indústrias, cooperativas, distribuidores, profissonais, e mais um mundo de gente que representa hoje cerca de 40% do mercado de trabalho nacional, quase 30% do PIB, etc.

Acordemos!

Eduardo

Maurício Carvalho de Oliveira

Brasília - Distrito Federal - Instituição pública
postado em 21/02/2011

O quadro mundial sobre segurança alimentar que se apresenta é realmente preocupante. As projeções sobre o crescente consumo de alimentos no mundo pode significar oportunidades para a melhoria da renda dos diferentes elos das cadeias produtivas, conta essa, paga, em última instância, pelo consumidor final e, no caso brasileiro, por uma sociedade em geral alheia à realidade do campo, e que briga ideologicamente, em diversos fóruns, por uma legislação ambiental sem foco na ciência e na técnologia agropecuária que o país detem. É preciso que a sociedade seja informada sobre o que é a agricultura brasileira e sua responsábilidade pela paz no mundo, paz que não se constroí de barriga vazia. A agricultura brasileira detêm avanços inquestionáveis como o Plantio Direto na Palha, sementes geneticamente melhoradas, uso racional de insumos, entre outros, e por um agricultor competente nesse ambiente caótico, construido por uma legislação ambiental desconectada da realidade. Precisamos sim preservar os nossos recursos naturais, mas com os olhos também na qualidade de vida das pessoas. Para tanto, o governo e o Congresso Nacional deveriam voltar os olhos e trabalhar para a redução do chamado "Custo Brasil" e implementar um sério programa para desenvolver, em parceria com os estados e municipios, uma agricultura irrigada, que por muitos anos encontra-se em completo esquecimento -uma alternativa que não pode ser ignorada pelos governos e pela sociedade.

Bruno Manoel Rezende de Melo

Guaxupé - Minas Gerais - Instituições governamentais
postado em 12/03/2011

Para atender tal demanda precisamos acima de tudo de tecnologia disponivel e acessivel ao homem do campo para que este possa aumentar tais produtividades, precisamos diminuir a diferença de produtividade entre os maiores e menores produtores, de forma que todos tenha as mesma capacidade técnica e produtiva do seu negocio, também há necessidade de politicas publicas que saiam do papel e chegue a quem de fato precise, precisamos também de leis ambientais que vá de encontro com uma agricultura sustentavel, e não leis que se fazem apenas ideologicas, precisa-se que o homem do campo seja valorizado pelo que faça, não apenas financeiramente, mas que seja reconhecido como um gerador de riquezas de primeira necessidade para a sociedade, requer também uma maior capacitação do produtor no sentido de torna-lo um empresário rural, fazendo deste um gestor do seu negocio, com otica empreededora.
Outro ponto falho e que precisa ser corrigido é que as instiuiçoes de pesquisa participem mais do cotidiano do produtor, atendendo suas necessiades e expectativas, gerando resultados comuns e satisfatorios a todos.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade