Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Editorial

Experiências e reflexões da Feinco

Por Raquel Maria Cury Pereira (FarmPoint)
postado em 04/04/2011

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Este ano, participei pela 3ª vez da Feira Internacional de Ovinos e Caprinos, semana na qual São Paulo se transforma na capital da ovinocaprinocultura.

Sempre é muito bom observar o ânimo dos produtores andando com os seus animais pela feira. Muitos, viajam quilômetros para, em cinco dias, expor o trabalho anual da sua propriedade, negociar e interagir com outros produtores. Além disso, o criador tem a possibilidade de contactar outros elos da cadeia como associações, indústria e mercado. São através desses contatos que há troca de experiências, surgem novas ideias e projetos são engenhados.

Há algumas coisas que me chamam a atenção todos os anos:

Cultura: é muito curiosa a presença dos gaúchos com suas boinas, lenços, alpargatas, bombachas e chimarrão na mão. Também é interessante entrar nos stands de associações e cabanhas nordestinas e degustar castanhas, carne de sol e rapadura. A impressão é que existe um pedacinho da realidade de cada lugar. Me deparei com produtores de vários estados brasileiros e aprendi um pouco com cada um deles.

Paixão pela atividade: os funcionários e proprietários não hesitam em contar aos visitantes a história do estabelecimento que trabalham, como manejam os animais e as curiosidades de alguns fatos. A adoração pela atividade é intrínseca, o que remete à tradição pecuária do nosso país.

Raças: a diversidade de raças na feira é muito grande. O público tem acesso a animais com aptidão para lã, carne e leite. Inclusive, podem degustar queijos oriundos de leite de cabra ou ovelha e carne ovina e caprina. Essa variedade de raças é reforçada pelas dimensões do nosso país e adaptabilidade dos animais às distintas regiões.

Participação internacional: sendo como visitantes, palestrantes ou jurados, pessoas de diversos países vêm para a feira conhecer o que está sendo feito no Brasil e compartilhar experiências. Este ano, pude assistir uma palestra de um uruguaio e conhecer um neozelandês, que comentou sobre o aumento da presença das indústrias na feira.

Eventos simultâneos: para quem está participando da feira o que não falta são eventos. Vários workshops, palestras e cursos são oferecidos além da cozinha interativa, lançamento de sumários, reuniões e confraternização nos stands. O visitante pode escolher a opção que mais combina com o seu intuito.

Interação dos elos da cadeia: é fácil topar com uma roda de produtores papeando com um chefe de cozinha, um consultor e o presidente de uma associação. Os participantes buscam novidades e ficam muito curiosos com algumas delas, o que felizmente provoca interações e compartilhação do conhecimento.

Na feira este ano, pude perceber algumas mudanças. A indústria estava mais presente e novos programas de incentivo ao produtor estão sendo lançados, na busca da formalização do setor. É perceptível que as pessoas estão mais focadas nas coqueluches do momento - carne ovina e caprina - e estão movendo as suas atenções à tudo que se refere a isso.

É válido lembrar que em países com a ovinocultura desenvolvida, a indústria teve importante papel. Na Nova Zelândia por exemplo, desde 1922 existe um conselho regulador chamado New Zealand Meat Board, que coordena a indústria, desenvolve mercados e negocia preços e fretes. Uma das primeiras medidas do conselho foi a criação de uma marca que até hoje identifica o cordeiro neozelandês. A Nova Zelândia também apresenta condições favoráveis para a produção, porém, a indústria busca insistentemente melhorias na atividade visando a qualidade.

Para aproveitar a presença dos represantes de algumas indústrias durante a feira ocorreu uma mesa redonda com foco na produção de carne ovina de qualidade com o principal objetivo de alinhar a cadeia produtiva da ovinocultura. O público participante foi bem variado e muitas dúvidas foram esclarecidas.

Acredito que a ovinocaprinocultura brasileira está dando passos relevantes para a cadeia como um todo, resultado da integração entre os protagonistas de cada setor e da boa fase na qual encontra-se o mercado. As expectativas são muito boas e com certeza mais uma semente foi plantada! E venha a 9ª Feinco!

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Julio Erasmo Reich

Querência - Mato Grosso - Produtor de ovinos
postado em 16/04/2011

Legal Raquel. Acho que você conseguiu sucintamente expor o que ocorre nesses eventos. Abs, Julio Erasmo

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade