Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Entrevistas

Beno Zaterka: "O mercado é crescente, mas ainda falta matéria-prima"

postado em 04/05/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Na 8ª Feinco (Feira Internacional de Ovinos e Caprinos), Raquel Maria Cury Rodrigues - analista de mercado do FarmPoint - entrevistou Beno Zaterka, diretor comercial do Clube do Cordeiro. Na entrevista, Beno falou sobre o mercado ovino no Estado de São Paulo, qualidade e diferenciação da carne ovina no mercado. Acesse e confira o vídeo e os destaques da entrevista!

História do Clube do Cordeiro

O Clube do Cordeiro foi fundado em 2005, depois que o Biólogo Beno Zaterka percebeu um grande mercado para esse tipo de produto, uma vez que a carne de cordeiro vem sendo muito apreciada. A falta de abatedouros adequados levou Zaterka a inaugurar um frigorífico com sala de cortes específica para ovinos, que foi instalada no padrão internacional e que hoje é referência no Estado.

Em toda a cadeia produtiva o Clube do Cordeiro está comprometido em colocar no mercado produtos de qualidade que são embalados a vácuo e passam por um processo de congelamento rápido (20 minutos), o que permite 12 meses de validade.

Recentemente o Clube do Cordeiro inovou ao lançar a linha de Temperos e Molhos Prontos para Cordeiros e Cabritos, ideal para o preparo de churrascos, assados e ensopados.

Destaques da entrevista

"O mercado no Estado de São Paulo está aquecido, os preços estão bem melhores para o produtor, o consumo aumentou razoavelmente tantos nos hipermercados, como restaurantes e até na mesa das donas de casa. Eu acredito que o mercado é crescente mas ainda falta matéria-prima. O produtor pode apostar na atividade que ele vai ter liquidez garantida".

"O produtor deve apostar em qualidade. Hoje em dia muita gente está criando, porém, acredito que apenas 50% produza da maneira que o frigorífico almeja, que são animais padronizados, de confinamento, precoces, com bom acabamento de carcaça e com gordura entremeada entre as fibras. Por isso, o produtor precisa se informar, precisa apostar em genética e ele precisa otimizar a produção para produzir o que o mercado quer".

"Captamos animais do Estado de São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Paraná. Num raio maior de atuação hoje para achar animais padronizados. De 100 animais para cima estamos pagando totalmente o carreto, 50 animais nós dividimos e menos do que isso é por conta do produtor, porque esses encargos encarem muito o produto".

"O consumo vem aumentando paulatinamente só que o consumidor não sabe diferenciar os diferentes tipos de carne: de capão, ovelha, cordeiro e não sabem que têm custos diferentes de produção. Na verdade, falta uma diferenciação da carne ovina no mercado. De repente ele quer cordeiro e compra ovelha e não é aquilo que ele procura. Precisamos informar os consumidores".

"Hoje a gente acredita que o cordeiro paulista é o de melhor qualidade, pois a maioria é oriunda de confinamento, cruza industrial e a maioria dos animais é abatida com 120 dias, o que gera carne de melhor qualidade. Precisamos também informar isso ao mercado".

Vídeo da entrevista



Equipe FarmPoint

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade