Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Entrevistas

Carlos Schmidt: "A raça East Friesian é inédita no Brasil"

postado em 15/06/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Raquel Maria Cury Rodrigues, analista de mercado do FarmPoint, entrevistou na 7ª FEINCO - Feira Internacional de Ovinos e Caprinos Carlos Schmidt, presidente da Associação Brasileira da Raça East Friesian no Brasil e proprietário da Fazenda Valle das Fadas. Na entrevista, Carlos falou sobre o mercado de ovinos leiteiros hoje no Brasil, aptidões da raça East Friesian e sobre o início do trabalho da associação.

Destaques da entrevista

"Embora a raça East Friesian tenha tripla aptidão, ele é mais voltada para a produção leiteira. É uma raça de seleção genética de 600 anos, de origem alemã e também tem aptidões para produzir carne e lã"

"Antes de trazermos a raça para o Brasil, nós fizemos uma pesquisa das raças de leite, pois o nosso interesse era produzir leite ovino e, ao estudarmos a raça, nós elegemos a East Friesian como a mais indicada devido a alta produção leiteira (em média 4 litros/dia)"

"Foi criada a Associação Brasileira de Criadores de East Friesian e a sede é numa fazenda em Campo do Jordão/SP. O nosso objetivo é fomentar e divulgar a raça em todo o Brasil, pela utilidade que essa atividade representa"

"Embora sendo de aptidão leiteira, ela é muito utilizada na Nova Zelândia nos rebanhos de carne, pois transmite alta aptidão materna e com facilidade de engorda dos cordeiros, obtendo animais mais precoces"

"Por ser uma raça inédita no Brasil, está havendo muita consulta, muita procura e muita curiosidade de todo mundo, tanto dos criadores, como daqueles que já pretendem ingressar na atividade, o que é muito importante. O Brasil necessita desse setor, pois está carente"

"O Brasil ainda é incipiente na produção de queijos de leite de ovelha. O Brasil praticamente importa tudo o que consome. Existem alguns grandes produtores no Rio Grande do Sul, mas ainda é muito pouco para o que se precisa para o mercado"

"O maior desafio hoje para a ovinocultura de leite no Brasil é o conhecimento técnico e a cultura. O Brasil tranquilamente é apto também para esse setor de aptidão leiteira, pois não é uma novidade para o brasileiro trabalhar com leite"

"É uma opção muito especial pelo valor agregado que o leite da ovelha tem. Para se ter ideia, cada 5 litros de leite produz 1 quilo de queijo de alto valor agregado (em média, 1 kg de queijo = R$ 150,00 ou mais). É uma boa opção para o produtor"



Equipe FarmPoint

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade