Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Entrevistas

Simone Fernandes: "Os criadores encantam-se por sua magnífica habilidade materna"

postado em 01/07/2010

15 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Confira a entrevista exclusiva realizada pelo FarmPoint com Simone Fernandes, zootecnista e Auxiliar Acadêmica do Departamento de Produção Animal - FMVZ - UNESP - Botucatu/SP. Na entrevista, Simone destaca as características e vantagens da raça Bergamácia e projetos realizados na Unesp de Botucatu.


FarmPoint - Fale sobre a raça Bergamácia

A raça Bergamácia formou-se no norte da Itália, nas regiões de Lombardia e Piemonte, originária dos ovinos do Sudão; é também conhecida em seu país de origem como Gigante de Bergamo, sendo utilizada para as produções de carne, leite e lã.

Introduzida no Brasil na década de 30, primeiramente no estado da Bahia, onde foi utilizada em cruzamentos com raças locais, foi aos poucos substituída por ovinos deslanados (MACEDO et AL., 1996).

São ovinos de grande porte, com peso adulto ao redor de 100- 120 kg para machos e 70- 80 kg para fêmeas; lanados, mochos, com perfil ultra convexo e com orelhas largas e pendentes, que atingem no mínimo a ponta do focinho.

Sua lã é branca, cobre parcialmente os membros até os jarretes, porém não é de boa qualidade. Embora seja utilizada em nosso país para a produção de carne, apresenta um alto potencial para a produção de leite; porém, estudos são necessários para determinar qual é seu potencial produtivo, e quais são as características do seu leite.

No Brasil, muito pouco se conhece sobre a produção de leite ovino. A maioria das raças brasileiras apresenta aptidão para a produção de carne ou lã, mas é possível encontrar animais com aptidão leiteira.

Figura 1 - Ovelha e cordeiro da raça Bergamácia no setor de ovinocultura da Unesp de Botucatu.



FarmPoint - Em quais regiões do Brasil essa raça encontra-se inserida?

A raça Bergamácia encontra-se inserida na região Nordeste e um pouco na região Centro-Oeste do país.

FarmPoint - Quais as vantagens da raça

Raças com maior aptidão leiteira têm sido utilizadas em programas de cruzamentos com raças nativas ou raças com aptidão para a produção de carne, com a finalidade de formar fêmeas mestiças, com uma produção de leite superior e, consequentemente, capazes de desmamar cordeiros mais pesados. A raça Bergamácia também pode ser utilizada como uma opção para esses programas de cruzamento, uma vez que apresenta boa produção de leite, que permite desmamar seus cordeiros com pesos elevados.

Apesar de, atualmente, a carne ser o principal enfoque da ovinocultura brasileira, tem-se observado um grande interesse pela produção de leite, área carente de pesquisa e de desenvolvimento de processos produtivos, principalmente pelo valor agregado que seus derivados possuem no mercado.

Devido às características peculiares do leite de ovelha, com cerca de 7,5% de gordura, o rendimento para a produção de queijos é muito superior aos leites de vaca e cabra, o que reflete positivamente para a indústria e também para o produtor, que poderá exigir um preço diferenciado por este leite.

A composição média do leite de ovelha, descrita por KREMER et al. (1996), em um período de 2 anos, foi de 7,16% de gordura; 6,32% de proteína; 5,27% de lactose e 12,58% de sólidos não gordurosos. Na revisão de literatura feita por esses autores, o teor de gordura variou de 6,35 a 9,40%, o de proteína de 4,30 a 5,00% e o de lactose de 3,70 a 5,16%.

Quando a opção para a produção de leite ovino for a raça Bergamácia, deve-se ter consciência que apesar dela apresentar um bom potencial de produção, este não é conhecido; há que se trabalhar com melhoramento genético. Em experimentos realizados com a raça Bergamácia, na FMVZ- UNESP/ Botucatu, observou-se médias para a composição química do leite de: 5,67% de proteína, 6,1% de gordura, 16,8% de sólidos totais e 4,8% de lactose.

FarmPoint - Projetos desenvolvidos na UNESP

Sabendo que a capacidade de produzir leite dos ovinos, pelas características peculiares do próprio leite e da espécie, é menor que em outras espécies como vacas, búfalas e algumas cabras, temos, enquanto pesquisadores, que adquirir conhecimento e desenvolver técnicas que otimizem ao máximo a produção de leite nesta espécie. (SIQUEIRA & MAESTÁ, 2002).

Considerando-se que o país importa queijos de leite ovino, ao gerar conhecimento e difundí-lo ao meio criatório brasileiro, poderemos agregar valores ao sistema de criação de ovinos e viabilizar a ovinocultura em pequenas e médias propriedades rurais espalhadas pelo Brasil (SIQUEIRA & MAESTÁ, 2002).

O rebanho de ovinos da raça Bergamácia da FMVZ- UNESP/ Botucatu está envolvido em projetos de pesquisa sobre sistemas de produção de leite ovino. Podemos citar alguns dos principais projetos:

1 - Produção e composição do leite, incidência de mastite, crescimento de cordeiros e perfil econômico em três sistemas de manejo de ovelhas da raça Bergamácia

Sabe-se que nos sistemas extensivos de produção de leite existe um período de amamentação, e somente após a desmama as ovelhas são ordenhadas; ao passo que nos sistemas mais intensivos, utilizando-se ovelhas de elevada produção e boa aptidão para a ordenha, os cordeiros são separados de suas mães e criados artificialmente, com ordenha até o fim da lactação. Há ainda, em alguns países, o uso do sistema misto, em que os cordeiros permanecem apenas um período com suas mães, e estas são ordenhadas durante o tempo de aleitamento. Neste contexto, cento e cinco ovelhas da raça Bergamácia foram divididas em três manejos diferentes no que diz respeito à desmama dos cordeiros (2, 30 e 45 dias de idade), com os objetivos de verificar a produção e a composição do leite, a contagem de células somáticas, o crescimento dos cordeiros e o comportamento em sala de ordenha.

Figura 2 - Cordeiro da raça Bergamácia - setor de ovinocultura Unesp/Botucatu.



2 - Sistemas de produção de leite ovino em pastagem e confinamento

Este trabalho teve por objetivo avaliar dois sistemas de produção de leite: em pastagem e em confinamento, uma vez que entre os fatores que podem afetar a produção e a qualidade do leite está o sistema de produção ao qual os animais são submetidos.

3 - Produção, composição do leite e comportamento de ovelhas da raça Bergamácia sob dietas com quatro distintos níveis de FDN"

Entre os pontos decisivos que podem influenciar a produção leiteira, está a alimentação. Sendo a lactação uma fase de alto requerimento nutritivo por parte do animal, é necessário o fornecimento de alimentos de qualidade e em quantidade suficiente, tendo em vista que uma alimentação escassa pode acarretar diminuição na produtividade, com variações nos componentes e queda na quantidade do leite produzido.

A fibra, além de manter a fermentação no rúmen e o percentual de gordura do leite, regula o consumo de matéria seca e energia, e ajuda na prevenção de desordens metabólicas do pós-parto, sendo um componente essencial da dieta de animais em lactação. A utilização de níveis adequados de FDN na dieta visa obter elevada produção, entretanto, ainda existem poucas informações na literatura a respeito dos níveis adequados de FDN para ovinos, visando a obtenção dos melhores resultados produtivos. Em vista do exposto, o objetivo desse trabalho foi avaliar o consumo de nutrientes, o desempenho e as respostas produtivas e comportamentais de ovelhas Bergamácia alimentadas com distintos níveis de FDN.

4 - Efeito da gordura protegida sobre parâmetros produtivos de ovelhas da raça Bergamácia nos processos de fabricação e aspectos sensoriais dos derivados do leite

Diversos trabalhos comprovaram que o leite de ovelha possui maior concentração de proteínas (sobretudo caseína) e lipídios do que outras espécies leiteiras tradicionais; estes, sabidamente benéficos para a saúde humana, pela atividade anticarcinogênica, propriedades antioxidantes, estimulação da resposta imune e proteção contra arteriosclerose. Porém, o Brasil ainda é muito carente de informações técnicas sobre a produção e qualidade do leite de ovelha, bem como a respeito dos efeitos em sua industrialização, ao utilizar-se suplementos dietéticos. Em vista do exposto, realizou-se este trabalho com o objetivo de estudar os efeitos da adição de gordura protegida na dieta de ovinos leiteiros.

5 - Influência do fotoperíodo na produção de leite e níveis hormonais de ovelhas da raça Bergamácia

O ganho de peso e a lactação sofrem influência do número de horas de luz e escuridão ao qual o animal é submetido; mas as causas destes efeitos ainda não são totalmente conhecidas. Portanto, este trabalho teve por objetivo avaliar o efeito do fotoperíodo sobre a produção e a composição do leite de ovelhas da raça Bergamácia e estudar as alterações na secreção dos hormônios relacionados com a lactação, em função de dois fotoperíodos: longo (18h de luz : 6h de escuridão) e curto (12h de luz : 12h de escuridão).

6 - Estudo da interação entre ordenhador e ovelhas da raça Bergamácia relacionada ao comportamento em sala de ordenha, produção e composição do leite, e níveis de cortisol.

A observação comportamental das ovelhas durante a ordenha é importante para determinar o nível de bem estar e o condicionamento. A separação da ovelha do cordeiro pode gerar desconforto para ambos e consequências negativas durante a ordenha, pois o estímulo maior para a liberação do leite, que é o filhote, pode não estar presente, como ocorre em alguns sistemas de produção de leite. Estudos com ruminantes têm demonstrado que altos níveis de cortisol estão associados com estresse durante a ordenha. O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência de três sistemas de produção (desmama com 2, 30 e 45 dias de idade) sobre o bem estar dentro da sala de ordenha, e comparar as reações comportamentais à ordenha mecânica em ovelhas da raça Bergamácia .

Figuras 3 e 4 - Sala de ordenha e ovelhas da raça Bergamácia sendo ordenhadas do setor de ovinocultura da Unesp de Botucatu.



FarmPoint - Você acredita que a procura por esta raça está aumentando?

A raça Bergamácia, infelizmente, tem uma pequena população no Brasil. Em vista disto, ela não é tão conhecida, sobretudo em relação à sua potencialidade produtiva. Entretanto, os poucos criadores que passam a conhecê-la e a criá-la, encantam-se, principalmente por sua magnífica habilidade materna. A viabilidade de seus cordeiros é excelente, ou seja, a taxa de sobrevivência é alta; certamente em vista da elevada produção de leite e dos cuidados que dedicam às crias. É uma raça muito mansa, fato que facilita o manejo. Alias, a mansidão é uma característica fundamental de animais com elevada habilidade de produção de leite.

Figura 5 - Cordeiros mamando - setor de ovinocultura Unesp/Botucatu.



Portanto, se houvesse uma maior disponibilidade de animais desta raça, tenho certeza que sua procura seria sempre crescente.

Referências bibliográficas

ARCO - Associação Brasileira de Criadores de Ovinos. www.arcovinos.com.br

KREMER, R., ROSÉS, L.; RISTA, L.; BARBATO, G.; PERDIGÓN, F.; HERRERA, V. Machine milk yield and composition of non-dairy Corriedale sheep in Uruguay. Small Ruminant Research. v. 19, p. 9-14, 1996.

MACEDO, F.A.F., MARTINS, E.N., SIQUEIRA, E.R. et AL. 1996. Desenvolvimento de cordeiros puros e cruzados terminados em pastagem eem confinamento. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 33, 1996, v.1, Fortaleza. Anais...p.254- 255.

SIQUEIRA, E.R. , MAESTÁ, S. Bases para produção e perspectivas de mercado de leite ovino. In: Simpósio Mineiro de Ovinocultura, II, Anais, Lavras, v.1, p.59- 78, 2002.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Quirino de Freitas

Fernandópolis - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 01/07/2010

Oi Simone, parabéns. Gostaria de saber sobre a adaptabilidade desses animais. Abs

Marco Antônio Borges

Goiânia - Goiás - Produção de leite
postado em 03/07/2010

Bom dia, parabéns, onde posso encontrar animais para reprodutotres em Goiás dessa raça, obrigado.

Simone Fernandes

Botucatu - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 04/07/2010

Prezado Quirino de Freitas

A adaptabilidade dessa raça é muito boa. Entretanto por serem animais de grande porte, são exigentes quanto a alimentação e precisam ser suplementados na época de escassez de forragens. Coloco-me à sua disposição para qualquer outro esclarecimento.
Simone Fernandes

Pedro Nobre

Belo Horizonte - Minas Gerais - Produção de ovinos de leite
postado em 04/07/2010

Muito bom Simone,
Só através da informação e do conhecimento do potencial produtivo das diversas raças é que conseguiremos disseminar a produção do leite ovino no país. Quando as pessoas entenderem que para criar pequenos rebanhos, deverão gerar mais de uma fonte de renda na criação de ovinos, sob pena de não conseguirem o equilíbrio econômico para suas criações.
Saudações,
Pedro Lima

José Paiva Soares

São Paulo - São Paulo - Ovinos/Caprinos
postado em 21/07/2010

Quero parabenizar a Dra. Simone e o Professor Edson pelo magnífico trabalho que desenvolvem no setor de ovinocultura da Unesp de Botucatu, pela perseverança e pelo carinho que se dedicam a este projeto. Infelizmente pessoas idealistas e de bom coração sempre encontram algumas pedras pelo caminho, mas com fé e determinação voces não desistiram e continuam o seu trabalho e eu acredito que vão produzir muitos frutos com certeza. Desde criança tenho paixão pela ovinocultura, mas nunca tive oportunidade de colocar minhas idéias em prática, mas a esta altura da vida tudo o que eu quero é realizar os meus sonhos, pois acredito nele e que pode ser rentável e prazeroso. Procurando adquirir conhecimentos nesta área tenho estudado muito o assunto e nesta busca tive a feliz oportunidade de conversar com o Professor Edson e a Dra Simone que são pessoas maravilhosas e me dispensaram total atenção e eu quero lhes agradecer muito por isso. Pelo que tenho pesquisado a raça Bergamacia não é a mais leiteira, mas é sem dúvida nenhuma uma raça exepcional para iniciar uma criação seja para cruzamentos absorventes ou pura, pelas suas excelentes aptidões leiteira, habilidade materna, docilidade e rusticidade. Realmente é uma raça que merece ser estudade e trabalhada no sentido de melhorar ainda mais o que já é bom. É muito bom saber que tem muita gente querendo arregaçar as mangas e abraçar esta atividade maravilhosa, a ovinocultura leiteira, quem sabe num futuro próximo poderemos ter este nobre alimento, produdos da ovinocultura nas prateleiras dos supermercados ao alcance de todos. Mais uma vez os meus parabéns e muita força e que Deus abençoe muito vocês.
Um grande abraço.

Deraldino

Ipiaú - Bahia - médico/agropecuarista
postado em 08/01/2011

Boa noite,

Sou criador de ovino da raça Bergamácia e disponiponibilizo animais, dentro do padrão racial, para vendas. Possuo machos com idades de 2 a 6 meses e reprodutor de 4 anos, de grande porte para venda ou troca (intuito de evitar consanguinidade).
Interessados contatar-me via e-mail.

Arnor Carneiro

Valente - Bahia - Produção de ovinos
postado em 04/07/2011

Deraldino,
Gentileza mandar o seu email e telefones pois tenmos interesse na raça BERGAMÁCIA.
Aguardamos.
Arnor Carneiro -
Valente-BA
arnor.araujo@hotmail.com
mauricioasilveira@hotmail.com

Jonatas Ferreira de Barros

Piracicaba - São Paulo - OUTRA
postado em 25/08/2011

Estarei até final do ano transferindo minha residência para um sítio no Estado de Santa Catarina, especificamente em região bem próxima  do planalto serrano. Gostaria de saber qual a raça de ovino é indicada para ser criada nessa região.
Obrigado.
abraços
Jonatas

Antonio josé Dourado de Oliveira

São Luís - Maranhão - OUTRA
postado em 27/12/2012

Deraldino,

Sou também criador da raça bergamácia no Maranhão, como iniciante, gostei muito da sua iniciativa, pois a raça está prestes à extinção, principalmente por falta de variabilidade genética.

Desejo manter mais contato com vc como tbm com outros companheiros.

Antônio José Dourado

sergio saretto

Sobradinho - Distrito Federal - Produção de caprinos de corte
postado em 27/12/2012

Marco Antonio Borges,


Estou usando atualmente um reprodutor puro Bergamacia em ovelhas 1/2 sangue, logo terei produtos 3/4 para disponibilizar. se tiver interesse entre em contato.


Abraços


Sergio

Waldir gonçalves Junior

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Produção de gado de corte
postado em 14/03/2013

sou criador de Bergamacia em Jardim, MS. Tenho reprodutores Bergamacia para venda, alem de femeas1/2 sangue.
Tenho interesse de trocar reprodutores.
Interessados favor contactar via e mail.

Fabio Andre Ribeiro

Padre Bernardo - Goiás - Produção de ovinos de corte
postado em 22/07/2013

Tenho interesse em adquirir femeas PO da raca Bergamacia.
e-mail - fabioandre@fabioandre.com

Ricardo Imbassahy

Salvador - Bahia - Consultoria/extensão rural
postado em 05/02/2014

Estou procurando animais puros da raça Bergamácia Brasileira quem tiver animais disponíveis favor contactar genemaster@folha.com.br

sergio saretto

Sobradinho - Distrito Federal - Produção de caprinos de corte
postado em 06/02/2014

Tenho um reprodutor para vender com 2 anos filhos de ovelha frizona, bastante caracteritico e selecionado, interessados mandarei foto. Esta em Planaltina de goias!!! Ideal para quem quer para leite!!!

Antonio josé Dourado de Oliveira

São Luís - Maranhão - OUTRA
postado em 23/02/2014

Companheiros,
Além de pequeno plantel de ovelhas bergamácia e berganesas, sou também criador de cabras da raça mambrina, de dupla aptidão.

Contatos: douradogir@hotmail.com
                   98 8125 44443 oi
                   98 9127 9300 vivo
                   99 8123 9095 tim
                

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade