Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

A cobertura de lã na face e a produtividade de ovinos lanados

Por Pablo Costa
postado em 23/09/2009

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Durante vários anos houve uma tendência entre os ovinocultores brasileiros de selecionar animais com uma maior cobertura de lã na face, visto que este tipo de animal normalmente recebia melhor classificação nas pistas de julgamento, além da crença que a cara tapada estava diretamente relacionada com um maior peso de velo.

Entretanto, pesquisas realizadas com diferentes raças em vários países, demonstram que as ovelhas de cara descoberta são mais férteis e produzem cordeiros com maior viabilidade e melhor desenvolvimento.

Segundo Figueiró (1988), a cobertura de lã na cara apresenta uma forte associação com o desempenho reprodutivo dos rebanhos, evidenciando uma nítida superioridade das ovelhas de cara descoberta em relação as de cara coberta.

Em ovinos Corriedale, Coop (1956) encontrou 20% a mais de cordeiros desmamados nas ovelhas de cara descoberta.

Em relação ao peso corporal, vários pesquisadores encontraram resultados semelhantes, sempre com uma relação positiva favorecendo os grupos de cara descoberta. Em animais adultos, ovinos de cara descoberta apresentam de 1 e 7 kg a mais de peso vivo que seus contemporâneos de cara coberta. Em borregas de dois dentes da raça Ideal observa-se uma diferença de 5 a 7% no peso vivo a favor das borregas de cara descoberta (Figueró, 1988). Em cordeiros os valores variam de 1 a 1,5 kg (Figueiró apud Carman & Willians, 1988).

Grau de cobertura de lã na face:

Grau 1 - Coberta



Grau 2 - Intermediária



Grau 3 - Descoberta



A região da cabeça das ovelhas de cara coberta, possui uma maior irrigação sanguínea do que a mesma região de ovelhas de cara descoberta, assim os folículos faciais mais irrigados produzem lã a um ritmo mais acelerado. Isso faz com que em pouco tempo as ovelhas tenham sua visão dificultada, sendo necessário o recorte periódico da lã ao redor dos olhos dos animais; no entanto, mesmo que se faça este recorte em curtos intervalos de tempo, permitindo que o animal tenha uma boa visão, não se consegue melhorar os índices relativos a fertilidade desses animais.

Em borregas, principalmente, a excessiva cobertura de lã diminui a fertilidade, a habilidade materna e a capacidade de produção de leite. Assim, a seleção de animais de cara limpa pode melhorar os índices reprodutivos do rebanho, além de reduzir os gastos em mão de obra na propriedade.

A utilização de reprodutores de cara limpa se constitui em uma boa alternativa para reduzir o grau de cobertura da face de um rebanho, visto que esta é uma característica de média a alta herdabilidade. Se aliado a isto o produtor fizer uma seleção nas futuras matrizes, descartando as cordeiras de cara coberta, em poucas gerações terá um rebanho de cara descoberta.

De acordo com o exposto, conclui-se que a presença de lã na face de ovinos se constitui em um caráter indesejável, devendo-se selecionar animas de face descoberta com o intuito de melhorar os índices reprodutivos e o peso vivo do rebanho, além, de conseqüentemente, reduzir os gastos com mão de obra.

Referências bibliográficas:

COOP, I. E. Face cover in sheep Corriedales. Proc. N. Z. Anim. Prod., 1956.

FIGUEIRÓ, P.R.P. Algunos factores en relacion a la produccionde lana en la raça Corriedale, com especial enfasis en la cobertura de lana en la cara. Balcarce - RepublicaArgentina. 97 p. Tesis M.Sc. - Curso de Pós graduacion en Produecion Animal, Instituto Nacional de Produccion Animal(INTA), 1974.

FIGUEIRÓ, P. R. P. Cobertura de lã na cara e desempenho reprodutivo em ovelhas Ideal. Ciência Rural, Santa Maria, 1988.

RIBEIRO, L. A. O. et al. Prenhez em rebanhos ovinos do Rio Grande do Sul. Ciência Rural, Santa Maria, 2002.

ROSATI, A.; MOUSA, E.; VAN VLECK, L. D.; YOUNG, L. D. Genetic parameters of reproductive traits in sheep. Ruminant Research, Amsterdam, 2002.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Pablo Costa    Pinheiro Machado - Rio Grande do Sul

Zootecnista

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Maurício Prestes Bragagnollo

Dom Pedrito - Rio Grande do Sul - Estudante
postado em 27/09/2009

Buenas meu colega veio, meus parabéns pelo artigo sendo que este assunto na maioria das vezes passa por despercebido pela a maioria dos produtores. Certamente se estes animais forem manejados adequadamente os índices de produção como um todo serão ainda melhores. Muito bom e bem lembrado este assunto!!!!

Eliane Damasceno

Pinheiro Machado - Rio Grande do Sul - Indústria de insumos para a produção
postado em 29/09/2009

Pablo,

Parabéns pelo artigo, sua abordagem foi muito boa, espero que um grande número de produtores leia, para que possam selecionar seus animais e, consequentemente, melhorar sua produtividade.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade