Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Abag propõe agenda de propostas aos candidatos a presidente em seu 5º Congresso Brasileiro de Agribusiness

postado em 24/07/2006

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

No 5º Congresso Brasileiro de Agribusiness, promovido pela Abag (Associação Brasileira de Agribusiness), que conta com apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, será a discutida a agenda de propostas do setor a ser entregue aos candidatos que disputarão a eleição para presidente da República este ano. O documento foi elaborado com o apoio de diferentes grupos de interesses ligados ao agronegócio e propõe a modernização do setor, discutindo seus pontos estratégicos.

Propostas para o próximo presidente

A agenda de propostas elaborada pela Abag pretende obter dos candidatos a presidente da República um comprometimento deles para a solução dos principais fatores que afetam a competitividade do agronegócio brasileiro. O mesmo foi feito nas três últimas eleições presidenciais. Seguem os temas abordados pela Abag:



Dotação Orçamentária do Ministério da Agricultura - Nos últimos 25 anos houve uma significativa queda no total de recursos do orçamento da União para o agronegócio brasileiro - de 3% para 0,3%. Essa redução da verba destinada compromete áreas fundamentais para o bom desenvolvimento do setor. É importante que o Estado atue como indutor do desenvolvimento no campo e planeje ações futuras em parceria com a iniciativa privada. O aporte de recursos públicos para o agronegócio deve ser compatível ao tamanho do setor na economia brasileira - 30% do PIB, 39% das exportações e 37% dos empregos.

Crédito e Endividamento Rural - A oferta de recursos pelo sistema nacional de crédito rural não está acompanhando o aumento da área plantada no pais e isso tem causado distorções graves e problemas para os produtores. O endividamento dos empresários do campo atinge, hoje, metade do valor que eles devem receber pela próxima safra, o que pode gerar uma descapitalização sem precedentes na história. É importante garantir oferta de recursos para o crédito de custeio e investimento, além de reduzir as taxas de juros para aumentar os depósitos à vista dos bancos e dos recursos da exigibilidade.

Seguro Rural - Idealizado para garantir proteção contra as adversidades climáticas e pragas, que colocam em risco a produção, o agronegócio depende de mecanismos de seguro. Para implementar instrumentos perenes de garantia de renda e de seguro rural, como medidas anticíclicas para dar sustentabilidade ao crescimento e desenvolvimento do agronegócio, o setor defende a existência de uma elaborada normatização técnica, com fiscais e peritos para monitorar o programa, a construção de um banco de dados para definir culturas e riscos cobertos pelo seguro e a constituição de um Fundo de Amparo à Catástrofe, como existe em diversos países.

Tributação - A competitividade do agronegócio brasileiro é esmagada pela alta carga tributária do País. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), de 1998 a 2004 foram editadas cerca de 220 mil normas tributárias no Brasil. Há inúmeras distorções que inibem o investimento no País, incentivando a transferência de unidades industriais para outros países do continente, como a Argentina. É preciso distribuir melhor a carga tributária e reduzi-la onde for possível. Uma das idéias é estender o benefício de isenção de PIS-COFINS para todos os insumos agropecuários e produtos como carne, trigo, soja, algodão e outros. O sistema tributário brasileiro hoje é complexo, distorcido e fora de padrão com outros países, alguns deles concorrentes diretos no mercado agropecuário.

Parceria Público-Privada (PPP) e Custo Brasil - O crescimento do agronegócio no Brasil depende diretamente de investimentos em infra-estrutura para melhorar sua logística e competitividade. Há gargalos nos setores de transporte, armazenamento e escoamento da produção. Como o governo não tem dinheiro para investir adequadamente nessas áreas, é de extrema importância que as parcerias com a iniciativa privada saiam do papel. O Brasil pode sofrer uma crise de abundância, caso a colheita seja farta demais, causando prejuízos para o setor e para a economia brasileira.

Segurança Fundiária - Os índices de produtividade no campo para efeitos de desapropriação para a reforma agrária devem ser mantidos nos atuais patamares, principalmente neste momento em que o agronegócio enfrenta problemas de quebra de safra e endividamento. Caso contrário, o País corre o risco de ver uma drástica diminuição da área cultivada e do padrão tecnológico das plantações. O governo deve zelar pela segurança das propriedades rurais e manter a paz no campo para atrair investimentos externos e promover o desenvolvimento do setor.

Marketing e Venda de Produtos - O Brasil deve melhorar a promoção dos produtos agropecuários no exterior. Nesse sentido, uma parceria mais intensa do Ministério da Agricultura com a APEX, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio é fundamental para vender nossos produtos a outros países. É importante também ampliar a comunicação das cadeias produtivas com a sociedade.

Contratos nas Cadeias Produtivas - Os contratos de compra e venda entre produtores e agroindústria é um modelo de maturidade e força das cadeias produtivas do setor. É preciso incrementar a adoção desses contratos e disseminar a consciência da necessidade da transparência, credibilidade e cumprimento entre as partes envolvidas. Outra providência: defender a expansão do modelo para outros setores do agronegócio e inclusão de cláusula para dirimir conflitos em conselhos arbitrais.

Negociação Internacional - O país é hoje signatário de diversos acordos internacionais e isso exige uma maior articulação entre governo e iniciativa privada. Para tal, é preciso reforçar o papel do governo nas negociações comerciais externas e fortalecer o papel do Fórum Permanente de Negociações Agrícolas Internacionais (Abag, CNA e OCB) como canal legítimo de interlocução do setor com o governo.

Normas e Certificações - A grande competitividade no mercado internacional de produtos agropecuários promove inúmeras barreiras não-tarifárias que limitam a exportação de produtos brasileiros ao exterior. É preciso incorporar às discussões de comércio a abordagem de normatização e não de regulamentação pública tradicional, além de estabelecer critérios de equivalência entre processos de avaliação da conformidade. Assim, certificações nacionais seriam reconhecidas em operações de comércio internacional. Para tanto, é preciso implementar o Programa de Tecnologia Industrial Básica (TIB), sob coordenação do Ministério de Ciência e Tecnologia.

Sustentabilidade - Desde a conferência ambiental Rio 92, o tema da sustentabilidade seduz a opinião pública e orienta os negócios no campo, reduzindo riscos e agregando valor. A implantação do Zoneamento Ecológico Econômico para definição das áreas de ocupação, exploração, preservação e recomposição em cada unidade agroecológica é fundamental para corrigir distorções e impedir que o agronegócio seja paralisado pela atual legislação ambiental brasileira. O caso da Amazônia merece atenção especial, por ser alvo de especulação internacional e argumento para adoção de barreiras comerciais não-tarifárias.

Defesa Sanitária - É preciso ter agilidade e eficácia para tratar desse tema tão caro ao agronegócio. O acesso a mercados internacionais dos produtos brasileiros pressupõe ações em conjunto do Ministério da Agricultura e dos produtores para evitar riscos com o aparecimento de epidemias inéditas e exóticas, ou mesmo de outras doenças já conhecidas (como febre aftosa). Defendemos a criação de uma Agência Sanitária, com participação multiministerial e de agentes privados.

Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação - A área de pesquisa e desenvolvimento é fundamental porque dela depende a obtenção de bons resultados no futuro. Não são poucos os casos de inovações implementadas no agronegócio nacional. O avanço tecnológico trouxe ganhos de produtividade, aumentando a produção e reduzindo perdas. Mas há ainda tabus a serem vencidos, como na área dos transgênicos. Nesse caso, as decisões da Comissão Nacional de Biossegurança precisam ser acatadas e respeitadas. A constituição de marcos legais deve acompanhar o progresso científico e os novos anseios da sociedade.

Agroenergia - Para se livrar da cara dependência do petróleo, o mundo está pesquisando cada vez mais alternativas para dotar a matriz energética de fontes renováveis. O Brasil tem neste novo cenário uma posição de destaque por ser um dos maiores produtores de cana e de um tipo de combustível renovável - o álcool. Com isso, o setor de agroenergia ganha relevância e precisa contar com todo o apoio possível, tanto do governo como da iniciativa privada. É preciso fortalecer o Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel e incentivar a produção desse novo combustível, além de dar mais fôlego à produção do álcool combustível.

Montagem Institucional - A relação externa do agronegócio brasileiro deve ganhar mais força nos próximos anos e, com isso, a posição brasileira deve ser de uniformidade e coerência nos fóruns internacionais como a OMC. Para tratar do agronegócio, o Ministério da Agricultura tem um papel soberano e não pode ser atrapalhado por estruturas paralelas com orientações conflitantes nas questões ligadas ao meio ambiente, biossegurança e posse e uso de terra. O Brasil precisa ter um marco regulatório adequado para uma economia aberta, com menor dependência de recursos públicos e orientação voltada para o abastecimento e o mercado. E atribuições que hoje estão sob responsabilidade de outros órgãos governamentais (ministérios do Desenvolvimento Agrário e Meio Ambiente, e Secretaria Especial da Pesca, por exemplo) devem se concentrar no Ministério da Agricultura. Questões relativas à reforma agrária ficariam a cargo única e exclusivamente da Presidência da República.

Abag

Fundada há 13 anos, a Associação Brasileira de Agribusiness (Abag) tem por objetivo conscientizar os segmentos decisórios do país sobre a importância da cadeia produtiva do agronegócio, destacando o papel estratégico do trabalho de gestão e gerenciamento do sistema agroindustrial junto aos órgãos de governo, iniciativa privada, entidades de classe e universidades.

Por meio de reuniões, seminários, painéis e palestras, a Abag busca soluções para problemas como a organização do processo de desenvolvimento sustentado, a integração à economia internacional, a eliminação das desigualdades de renda e dos bolsões de miséria e o respeito ao meio ambiente.

Com 56 associados, a Abag integra inúmeros conselhos, câmaras setoriais e fundos administrativos, consultivos ou superiores. Entre eles estão o Conselho do Agronegócio (Consagro/MAPA) e suas Câmaras Setoriais (de algodão e derivados; do açúcar e do álcool; ciências agrárias; citricultura; financiamento; infra-estrutura e logística; insumos agropecuários; negociação agrícola internacional; oleaginosas e biodiesel e financiamento e seguro agrícola).

Fonte: Assessoria de Imprensa da Abag.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Guilherme Gonçalves Teixeira

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 03/08/2006

O documento elaborado pela ABAG, através do 5° Congresso Brasileiro de Agribusiness, é bastante interessante para determinada categoria do setor agropecuário. Portanto, este documento possui alguns itens que são absolutamente insensatos no que tange ao desenvolvimento e consolidação da agricultura familiar, que tanto contribui para a manutenção do PIB da produção agropecuária (40%), cerca de 10% de toda a riqueza do país.

Essa categoria, que é legítima após a sanção da lei da agricultura familiar, está presente em mais de 4,2 milhões de empreendimentos rurais, ou seja, 84% do total da população rural do país e acolhe cerca de 70% da mão-de-obra do campo.

Qualquer candidato que aderir a essas propostas sem ao menos questionar a importância da agricultura familiar no contexto do agronegócio, não tem real conhecimento do segmento agropecuário do país e muito menos estará exercendo a democracia conquistada pela nação.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade