Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Bruno Santos: "A indústria está mais presente do que nunca na ovinocultura brasileira"

Por Bruno Fernandes Sales Santos
postado em 27/04/2011

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Bruno Fernandes Sales Santos, produtor de ovinos, mestre em zootecnia, da Aries Reprodução e Melhoramento Genético Ovino - Abacus BioLimited enviou uma carta ao debate proposto pelo FarmPoint "Você acredita que a indústria está mais presente na ovinocaprinocultura brasileira?". Abaixo leia o comentário na íntegra.

"Discussão de alto nível e de suma importância. A minha opinião é que a indústria está mais presente do que nunca na ovinocultura brasileira. Esta presença no entanto, deve ser melhor ajustada e assim fazer com que todos sejam beneficiados. Temos observado grande movimento em torno da cadeia produtiva devido aos altos preços do mercado, demanda crescente e ausência de cordeiros de qualidade para atender o consumidor.

Ao mesmo tempo nós produtores ainda tentamos buscar maneiras de aumentarmos a receita e cobrir os custos com a produção, mas ainda assim a conta é difícil de fechar pois não temos cordeiros suficientes para cobrir a folha de pagamento, os insumos (alimentação, medicamentos, manutenção, investimentos e etc). O que nos retira o lucro é a nossa própria ausência de produtividade, isto é, desmamar maior número de cordeiros do que o número de matrizes do rebanho todos os anos. Isto eleva muito nosso custo de produção e nos dá a falsa impressão de que a atividade não é boa.

A empresa frigorífica passa pela mesma situação com relação ao processamento da carne ovina. Trata-se de uma indústria que opera muito abaixo da capacidade de produção, porém, os custos fixos são altos e os problemas dentro das linhas são enormes em termos de manutenção, mão de obra, perdas e desperdícios, estoques e etc. O maior problema, no entanto, refere-se à impossibilidade de determinar uma rotina de abates, devido à falta de cordeiros de qualidade no mercado, com poucas exceções. Existe ainda, o fato dos abates utilizarem animais desuniformes, que viajam longas distâncias e muitas vezes fora das especificações. Nas linhas de abate é frequente verificarmos carcaças danificadas por facas e pelos próprios funcionários da linha, o que reflete em baixos rendimentos e queda na qualidade das carcaças.

Pessoal, se os produtores precisam melhorar muito os aspectos gerenciais e produtivos, os frigoríficos ainda tem que evoluir muito também. E rápido para poder acompanhar a velocidade da ovelha. Temos todos muito a melhorar, pois é impossível haver evolução se não houver comprometimento de todos. A Nova Zelândia conta com organizações poderosas como o New Zealand Meat Board e Beef and Lamb New Zealand, de propriedade dos produtores e totalmente integrado com o mercado, pesquisa e desenvolvimento, promoção da atividade e etc. As maiores empresas de abate, processamento e comercialização, são cooperativas de produtores. As empresas privadas trabalham dentro dos modelos estruturados para que todos tenham participação na cadeia de valor.

No Brasil muitas vezes temos que acompanhar os abates para não sermos lesados pelos frigoríficos. Por outro lado, frequentemente enviamos um lote de cordeiros para abate com pesos que vão dos 25,0 aos 45,0 kg. Quando não enviamos algumas ovelhas velhas no meio...

O mercado está aí e precisamos nos organizar, sentar e discutir, todos devem estar comprometidos e rápido!

Deixe a sua opinião sobre este assunto clicando aqui! Participe dessa discussão!

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Bruno Fernandes Sales Santos    Dunedin - Otago - Nova Zelândia

Produção de ovinos

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Pedro Alberto Carneiro Mendes

Fortaleza - Ceará - Consultoria/extensão rural
postado em 27/04/2011

Acredito que o maior problema enfrentado pela industria, seja a pulverização  dos rebanhos, ou seja, muitos criadores explorando rebanhos muito pequenos, e  sem sentido associativo, dificultando sobremaneira a constancia da oferta.

Se não vejamos, no Ceará onde o rebanho médio por produtor é de 34 cabeças e fossem atingidos níveis zooténicos médios teríamos que organizar 805 produtores para um abate de 30 animais dia. E quem vai organizar esse número de produtores. E o que significa para uma industria 30 animais dia.

Bruno Fernandes Sales Santos

Dunedin - Otago - Nova Zelândia - Produção de ovinos
postado em 28/04/2011

"Prezado(a) Pedro Alberto Carneiro Mendes",

Este problema crônico se deve à história e cultura da atividade em nosso país. Este quadro deve mudar no futuro próximo em boa parte do país à medida que a atividade se torna mais profissional.

De qualquer maneira, as regiões de pecuária ovina familiar e de pequeno volume devem se organizar e trabalhar com o apoio dos elos da cadeia. Se pensarmos bem este número de 30 animais por dia é suficiente para fazer funcionar um pequena planta eficiente e adequada para esta capacidade. Assim, 30 cabeças por dia * 300 dias = 9.000 cabeças por ano, número nada absurdo para muitos municípios Brasileiros ou comunidades localizadas. Isto funcionaria muito bem em regiões Ovinocultura estruturada, com mão de obra familiar e pessoas conduzindo o funcionamento do negócio como empresa dos produtores e participantes daquela região. Se a planta está localizada de maneira a atender uma micro-região, é perfeito desde que exista organização, todos com os mesmos interesses e iniciativa por parte dos produtores, sendo apoiados por órgãos de fomento e incentivo.

Vamos em frente!

Atenciosamente,

Guterres

Rio de Janeiro - Rio de Janeiro
postado em 29/04/2011

Bruno, nossa ovinocultura familiar, à partir do momento que se capacitar para processos mais eficientes de produção chegará ao patamar de eficiência que a cadeia requer. Acredito que está no caminho certo, visto o incentivo de preservação das matrizes - pelo menos no RS -, e parcerias como a da MARFRIG e outras.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade