Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Deu no "New York Times"

Por Kátia Abreu
postado em 30/04/2014

5 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

De forma temerária e gratuita, o jornal insinua que pode ser criminosa a procedência da soja do país

O fato é que “deu no New York Times”, para lembrar o jargão celebrizado no Brasil dos anos 1980 pelo cartunista Henfil, no jornal “O Pasquim”, ressaltando a importância desse diário norte-americano.

A pretexto de alertar o mundo para o que seria mais uma tragédia ambiental, o “Times” publicou, na edição internacional impressa do último dia 16, um feroz ataque ao mais importante item das exportações brasileiras.

Assim como o fizera na véspera, em sua versão on-line, o jornal sugeriu, com a malícia de uma afirmação travestida de hipótese, que o crescimento da produção nacional de soja é fruto do aumento do desmatamentoda Amazônia.

Ao registrar dados obtidos por um sistema global de mapeamento florestal desenvolvido por cientistas da Universidade de Maryland –cuja idoneidade não se discute até por ser referendado pelo Google e por informações dos satélites de observação dos Estados Unidos–, o “Times”, gratuita e temerariamente, insinua que pode ser criminosa a procedência da commodity produzida aqui.

“A soja não é a única causa do desmatamento no Brasil, mas é um fator importante”, atenua o texto, intitulado “Perdendo terreno na Amazônia” e atribuído ao Conselho Editorial do jornal, composto por 18 profissionais. Logo em seguida, o autor ou autores apontam a aprovação do novo Código Florestal como indutora do processo.

O toque de malícia e inverdade está em associar, como se fossem causa e efeito, um fato concreto sobre a Amazônia a outro fato: a expansão da produção da soja no Brasil. E as duas coisas, ao Código Florestal. Raramente se vê exemplo tão acintoso da chamada “dicotomia da causalidade”, quando dois fatos opostos são equivocadamente associados, desprezando outras opções entre as quais pode estar a verdade.

Desprezou-se, nesse caso, o fator produtividade, reconhecida chave da economicidade e dos avanços tecnológicos aplicados no plantio. É isso o que torna competitiva a soja brasileira no mercado mundial, a despeito dos gargalos de infraestrutura e logística que o produtor ainda tem que enfrentar.

Vincular o grão brasileiro ao desmatamento da Amazônia não é um exercício de ingenuidade, posto que, como lembra o próprio texto, “o Brasil é hoje o segundo maior produtor mundial de soja, atrás apenas dos Estados Unidos”. Devia também lembrar que a tese já havia sido desmontada com o monitoramento das áreas de produção entre 2006 e 2012, durante a Moratória da Soja, à qual aderiram a Abiove (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais) e a Anec (Associação Brasileira dos Exportadores de Cereais).

A vigilância das ONGs, com as quais se comprometeram importadores da nossa soja, impôs rigoroso controle das exportações a partir dos financiamentos e da certificação de origem, produzindo a certeza de que a commodity não provém de áreas desmatadas do Bioma Amazônia. As sucessivas safras recordes do grão também comprovam que os 27,7% do território nacional ocupados pela agropecuária são suficientes para suportar –e com folga– nossa produção.

Sabemos que faz parte do jogo pagar um preço altíssimo por termos quase dois terços do território na Amazônia. O país é a maior vitrine do ativismo ambientalista mundial, com grande capacidade de mobilização da opinião pública, dada a importância da nossa floresta para a preservação do ambiente.

Ninguém registra, porém, que temos a mais rigorosa legislação ambiental do planeta. Tampouco alardeiam que preservamos 61% da cobertura nativa do território nacional e atribuímos aos proprietários de terras o ônus da preservação quando, noutros países, como os Estados Unidos, os governos compensam aqueles que tomam para si esta tarefa.

O Brasil assumiu –e é justo que tenha feito– a responsabilidade de preservação da Amazônia. Mas é insuportável que a circunstância alimente inverdades que, perversamente, comprometem nossa produção agrícola desenvolvida fora desse bioma e com padrões de mercado concorrenciais. Nosso pecado é competir, acidentalmente, com a soja americana.


Fonte: Assessoria de Comunicação da Senadora Kátia Abreu.
 

 

Direitos reservados

Este artigo é de uso exclusivo do FarmPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Kátia Abreu    Palmas - Tocantins

Instituições governamentais

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Claudio Winkler

Carambeí - Paraná - Produção de leite
postado em 30/04/2014

A verdade é que, mesmo com "a mais rigorosa legislação ambiental do planeta", o desmatamento só aumenta. Isso é fato, incontestável. Inargumentável. Não basta ter "a mais rigorosa legislação ambiental do planeta". É preciso pô-la em prática. E todos sabemos que o enorme número de interesses envolvidos nessas terras da Amazônia legal não facilita em nada esse processo. Enquanto formos relapsos, e não cumprirmos nossas leis (isso é, obviamente, um problema endêmico, não se aplica apenas às leis ambientais), estaremos sujeitos a avaliações como essa do NYT que, ainda que levianas, são baseadas em fatos.

nelsomar pereira fonseca

Mutum - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 04/05/2014

Parabéns, temos que ter coragem para respondermos aos que realmente merecem respostas, principalmente pôr não terem respeito ao meio ambiente, pois eles em nenhum momento tomaram posições em favor, nas reuniões que aconteceram.

Vorneis de Lucia

São Roque - São Paulo - Produção de ovinos de corte
postado em 05/05/2014

Políticos de todo o Brasil são donos de terras na Amazônia e Cerrado.

O jornalista Alceu Luís Castilho, autor do livro, lançamento recente da Editora Contexto, analisou quase 13 mil declarações de políticos eleitos em 2008 e 2010.

Veja matéria: http://terramagazine.terra.com.br/blogdaamazonia/blog/2012/09/24/politicos-de-todo-o-brasil-sao-donos-de-terras-na-amazonia-e-cerrado/

Pedro Porto

Vassouras - Rio de Janeiro
postado em 06/05/2014

     A CNA Confederacao Nacional de Agricultura, como tudo em nosso pais, e um orgao politico, e como todos os orgaos politicos deste pais, uma "FARSA". Uma maquina de arrecadar o suado e sofrido dinheiro do 'inocente" produtor rural brasileiro.
Pago R$ 101,00 por ano, sobre uma gleba de terras de 39 hectares a esta maquina devoradora de recursos, para nao ter nada em troca, e pior o pagamento e obrigatorio.
Quando leio uma replica destas fico arrepiado, pois e uma defesa leviana, falsa, para uma situacao que todo brasileiro conhece bem (desmatamento). A CNA assim como todos os orgaos publicos nacionais, vivem em outra dimencao, onde tudo e diferente da realidade, menos os 'vultuosos" salarios de seus gestores, e mais uma vez... com o meu,seu ,suado dinheiro. Somos o "PIOR" em tudo, mesmo em relacao aos nossos 'Hermanos" da America Latina. Nossa pecuaria tem indices pifios, e querem vender uma imagem que estamos no primeiro mundo. Nossa carne e exportada para ser moida e virar Hamburguer, pois nem padronizacao na producao  nos conseguimos. Frigorifico, tem FRIBOI, outra farsa que pertence aos politicos. Brasileiros, esta na hora de cair na real, e fazer o pais mudar, sem mentira , sem ilusao, nao temos nem estradas... somos uns herois.

Ataliba F Aguilar

Ribeirão Preto - São Paulo - Produção de caprinos de corte
postado em 06/05/2014

Bem é um assunto muito polemico, como fala a senadora Katia Abreu, o orgão que foi publicado é muito forte o que ele escreve, gostaria que perguntasse aos americanos, como é produzida a soja deles é entre as arvores, ou eles não derrubaram toda floresta deles para plantar! no Brasil, não é so no bioma amazonico que se produz soja, são em todos estados,portanto o novo codigo florestal rege em todoas regiões, a lei está aí,o mundo tem fome,parabéns a todos que se preocupam com isto,obg

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade