Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Inovações tecnológicas e políticas públicas para a produção sustentável de ovinos e caprinos no estado de São Paulo

Por carlos frederico de carvalho rodrigues , João Elzeário Castelo Branco Iapichini , Frederico Fontoura Leinz , Cristina Fachini e Mauro Sartori
postado em 27/06/2008

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo elabora, executa e avalia as diferentes políticas públicas voltadas para o desenvolvimento do agronegócio caprinos & ovinos através das realizações da sua agência de pesquisa - APTA (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios), das coordenadorias - CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral), CDA (Coordenadoria de Defesa Agropecuária), CODEAGRO (Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios) e do FEAP/BANAGRO (Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista/Banco do Agronegócio Familiar).

Com ações multi-institucionais e multidisciplinares, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo tem como objetivo a implantação e condução de ações regionais para estimular o desenvolvimento da ovinocaprinocultura paulista, com a participação de interessados de todos os segmentos dessas cadeias de produção, atendendo ao significativo aumento da demanda por informações sobre essas atividades. Desta forma, o relacionamento com o setor produtivo garantirá a adequação e o desenvolvimento das ações de pesquisa, fomento e demais políticas públicas.

A APTA desenvolve e transfere tecnologias e insumos para a sustentabilidade de diferentes sistemas de produção de caprinos e ovinos, focando o agronegócio de pequenos ruminantes domésticos como alternativa para a viabilização sócio-econômica da agricultura familiar, atenta também às demandas de outros empreendimentos agropecuários.

Para tanto, desenvolve projetos de pesquisas e outras ações em seis dos seus quinze Pólos Regionais de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Sudoeste Paulista (cidade sede: Capão Bonito), Extremo Oeste (cidade sede: Andradina), Médio Paranapanema (cidade sede: Assis), Centro Oeste (cidade sede: Jaú), Centro Norte (cidade sede: Pindorama) e Alta Sorocabana (cidade sede: Presidente Prudente).

No Instituto de Zootecnia, no Instituto Agronômico, no Instituto Biológico, no Instituto de Tecnologia de Alimentos e no Instituto de Economia Agrícola, todos vinculados à APTA, que conta também com Instituto de Pesca, são realizados outros projetos, muitos deles em parceria com as Unidades de Pesquisa e Desenvolvimento dos Pólos Regionais, com Universidades, outras instituições de pesquisa e empresas do setor.

Atendendo ao significativo aumento da demanda por informações para ovinocaprinocultura e na busca constante por inovações tecnológicas para o segmento, recentemente a APTA implantou o Colegiado de Áreas de Competência em Ovinos e Caprinos, um grupo de trabalho multidisciplinar e intrainstitucional formado por pesquisadores científicos.

Entre outras especificidades concernentes, o Colegiado está incumbido de preliminarmente proceder a um ajuste na carteira de projetos existentes no SIGA (Sistema de Informações Gerenciais dos Agronegócios), fazer um diagnóstico situacional da cadeia de produção de ovinos e caprinos, e ainda gerar documentos consolidando as tecnologias preconizadas pela APTA, buscando primariamente enquadrar os projetos de pesquisas e outras ações pertinentes nos cinco Programas Estratégicos da APTA: Organização do Espaço Rural e Periurbano; Produtos e Processos Estratégicos; Segurança Alimentar; Sustentabilidade Ambiental e Bioenergia.

Principais fontes de inovação e difusão tecnológica da APTA para o agronegócio ovinos & caprinos, o Instituto de Zootecnia e a Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Itapetininga primam pelo pioneirismo, tradição, continua e profícua produção científica, contribuindo de forma marcante para a ovinocaprinocultura nacional.

Integrante do Pólo Regional do Sudoeste Paulista, a Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Itapetininga em parceria com outras instituições públicas e privadas realiza pesquisas nas áreas de nutrição, sanidade, reprodução e estudos sócio-econômicos para a ovinocaprinocultura, notadamente voltadas para as realidades e necessidades da região Sudoeste do estado de São Paulo, atuando também na difusão de conhecimento, tendo como principal público-alvo agricultores familiares. Primeira instituição pública estadual de pesquisa e fomento na área de ovinocaprinocultura, a segunda no Brasil, atuante desde 1958, o PECO-Posto Experimental de Caprinos e Ovinos, atual UPD de Itapetininga, tem atuação histórica na pesquisa, formação e capacitação profissional, fundamentais para difundir e aprimorar essas atividades no Estado.

Há mais de 20 anos, o Instituto de Zootecnia, na cidade de Nova Odessa-SP, tem gerado e difundido conhecimento técnico e científico para incrementar a produção ovina e caprina, desenvolvendo sistemas de produção e tecnologias comprovadamente viáveis ao produtor, coordenando a condução de inúmeros projetos de pesquisa em parceria com as Unidades de Pesquisa e Desenvolvimento da APTA e outras instituições.

A Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Itapetininga, em parceria principalmente com o Instituto de Zootecnia, gerou e difundiu uma gama diversificada de projetos de pesquisas.

Os projetos recém concluídos foram difundidos para diferentes público-alvos através de publicações técnico-cientificas diversas, palestras, reuniões técnicas e outros meios, a saber:

• Avaliação da Aceitabilidade de Leite de Cabra por Crianças e Adultos;
• Aveia, cevada, trigo e triticale para produção de silagem;
• Características e cronologia do parto induzido com cloprostenol ou d-cloprostenol em associação a carbetocina em cabras Saanen;
• Desempenho e características de carcaça de cabritos Saanen e mestiços Bôer x Saanen, abatidos com diferentes pesos;
• Desempenho de ovinos das raças Texel e Morada Nova alimentados com silagem de soja e de milho;
• Efeitos de frequências de corte e fontes de adubos nitrogenados na produção e valor nutritivo do rami;
• Interface planta-animal em diferentes pastagens de Panicum maximum jacq. visando a preferência com ovinos;
• Níveis de cloreto de sódio na mistura múltipla para caprinos alimentados com palhada de trigo;
• Silagem de soja na alimentação de cordeiros confinados.

Outros tantos projetos estão em andamento, cujos resultados já são parcialmente divulgados, entre eles:

• Avaliação de cultivares de milho e sorgo para produção de silagem;
• Cruzamentos absorventes Saanen x Boer para formação de rebanho de caprinos de corte;
• Determinação da condição sanitária dos rebanhos caprinos e ovinos do Estado de São Paulo.

Vários projetos estão em fase inicial de implantação ou fase final de elaboração, voltados principalmente para atender demandas e solucionar e ou minimizar entraves e necessidades da região Sudoeste paulista, destacando-se:

• Produção de ovinos e caprinos em sistemas agrossilvipastoris;
• Situação da resistência de helmintos de pequenos ruminantes a anti-helmínticos no Estado de São Paulo - Região Sudoeste;
• Expansão e consolidação da caprino-ovinocultura paulista: políticas públicas e pesquisas para o desenvolvimento agrofamiliar regional.

Este último é a base para o "PECO - Programa de Expansão e Consolidação da Caprino-Ovinocultura Paulista: Políticas Públicas e Pesquisas para o Desenvolvimento Agrofamiliar Regional", que recentemente deve seu orçamento de execução aprovado e liberado pelo Governo do Estado, sendo investido nos próximos três anos, R$ 830 mil no programa de geração e transferência de tecnologias e material genético de caprinos e ovinos, dos quais R$ 400 mil em 2008. O objetivo é apoiar o desenvolvimento da ovino-caprinocultura em moldes familiares e em bases técnico-científicas.

Coordenado pelos pesquisadores científicos da UPD Itapetininga Carlos frederico de Carvalho Rodrigues e João Elzeário Castelo Branco Iapichini, o Projeto PECO vai promover ações de pesquisa e desenvolvimento focados primariamente na região Sudoeste paulista, contando para tanto com equipe multi-disciplinar de pesquisadores científicos da APTA, interagindo com outras instituições de pesquisa e principalmente com as Casas da Agricultura dos municípios da região.
As linhas mestres de atuação do Projeto Peco serão conduzidas inicialmente para a recuperação estrutural e funcional da UPD Itapetininga, e nos seus subprojetos de pesquisa e desenvolvimento: geração e difusão de material genético, redes de referência para a caprino-ovinocultura familiar, produção de ovinos e caprinos em sistemas agrossilvipastoris e alimentos alternativos para a produção de ovinos e caprinos.

O Projeto PECO tem como objetivos específicos caracterizar o produtor familiar da região, aumentar a produção e produtividade por meio da melhoria sanitária, nutricional e zootécnica do rebanho, desenvolver sistemas tecnológicos para a produção econômica e sustentável, promover a capacitação e treinamento de técnicos e de produtores, estudos dos mercados, estimular a organização dos produtores familiares e o seu o acesso ao crédito (FEAP Ovinos e FEAP Caprinos) e principalmente levantar as demandas de pesquisas e políticas públicas em todos os segmentos da cadeia de produção de ovinos e caprinos da região Sudoeste.

As características e potencialidades do estado de São Paulo para a produção de pequenos ruminantes domésticos, levantadas a partir de estudos de prospecção de demanda participativa, permitem a adequada geração, validação e difusão de conhecimentos técnicos e científicos para a devida competitividade e sustentabilidade dos agronegócios ovinos & caprinos, focando na diversidade agropecuária e preservação ambiental a meta finalista das inovações tecnológicas e políticas públicas, alicerces e norteadores das ações da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios.

Saiba mais sobre os autores desse conteúdo

Cristina Fachini    Capão Bonito - São Paulo

Pesquisa/ensino

Mauro Sartori    Brasil - Distrito Federal - México

Pesquisa/ensino

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Prof.Méd.Vet.Benedito Marques da Silva Junior

Itapetininga - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 27/06/2008

Conhecendo a UPD-Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Itapetininga-SP-APTA-Polo Regional Sudoeste-SAA, ou "PECO" (antigo Posto Experimental de Caprinos e Ovinos) desde 1.970 (há então 38 dos seus 50 anos), quando lá realizei meu 1º Curso de Ovinocultura e demais Cursos de Caprino e Ovinocultura, considero um privilégio poder ter amplo acesso a essa importantíssima instituição.

Sou, como já coloquei, um estudioso da Caprinovinocultura há muitos anos, tendo, em todas as oportunidades que tive, enaltecido o trabalho respeitadíssimo desenvolvido em favor dos pequenos ruminantes domésticos nos âmbitos estadual e nacional, todavia, cumpre-me desta feita, agradecer e ressaltar o trabalho admirável desenvolvido nos últimos anos, por todos os Pesquisadores Científicos, especialmente Carlos Frederico de Carvalho Rodrigues e João Elzeário Castello Branco Iapichini, que, além de grandes amigos e tudo o mais, abrilhantam os trabalhos desenvolvidos por 2 (duas) entidades representativas no contexto do Agronegócio Regional, das quais participamos como dirigentes, quais sejam, o COMDERI-Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural de Itapetininga e ACCORI-Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos da Região de Itapetininga, dos quais os mesmos são grandes colaboradores.

Eumene Sbrana

Sorocaba - São Paulo - Produção de caprinos de leite
postado em 30/06/2008

A iniciativa é boa, mas falta ainda uma politica especifica, para viabilizar o produtor familiar de leite e derivados, principalmente queijos artesanais, ter a aprovação do Serviço de Inspeção Estadual, o qual hoje aplica as mesmas normas de grande laticinios, ou seja, para produção industrial, igualmente para o produtor artesanal. Tal postura faz com que o produtor familiar se torne clandestino, o que não é bom para niguem. Mas de qualquer forma esta nova politica do estado de São Paulo é louvavel.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade