carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Produzir pra quê?

Por Guilherme Alves de Mello Franco
postado em 06/11/2013

55 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Há tempos nos deparamos, estampada nas páginas dos periódicos especializados, com a atividade agropecuária brasileira sendo o sustentáculo de nossa balança comercial.

Até aí, nada de novidade, porque este estado de coisas sempre foi figurinha fácil em quaisquer previsões e comemorações a cada final de exercício.

Mas, se assim tem sido, o produtor brasileiro (seja ele agricultor ou pecuarista), deve estar sendo muito bem remunerado, assistido e valorizado, não é mesmo?

Infelizmente, ao contrário do pensamento leigo geral, a resposta a este questionamento está longe de ser positiva.

Em primeiro plano, estamos envolvidos em uma cultura que não valoriza a denominada “prata da casa”, que cultua o produto estrangeiro como sendo muito melhor que o nacional, mesmo que, em essência, não o seja.

Possuir ou adquirir estes estrangeirismos é sinal de status em nossa pobre sociedade, ainda que o produto nacional similar seja mais barato e mais eficiente.

Em segundo plano, o desinteresse governamental com as coisas do campo é patente, chegando ao extremo de, literalmente, matar a sua “galinha dos ovos de ouro”, com permissões eleitoreiras e ideológicas, como a constante importação de leite em pó, mesmo quando a safra brasileira encontra-se em plenos pulmões, o que faz com que o preço do produto, no mercado interno, caia a níveis menores que o custo de produção e, assim, os produtores paguem para produzir, o que, sob qualquer aspecto econômico é inviável e desastroso.

Em terceiro plano, a falta de uma política específica sobre a agropecuária nacional nos leva a ver o produtor escravo da indústria, que faz com ele o que quer, na certeza de que não haverá reação e que a exploração do homem pelo homem não terá nunca limites em nossos hemisférios social e político.

Em quarto plano, as políticas assistencialistas, voltadas, única e exclusivamente, para o voto, têm dilapidado a mão de obra campesina, de sorte que é muito melhor ficar à toa, esperando o dinheiro (ainda que pouco) dos bolsa escola, vale gás, bolsa família e tantas outras bolsas cair nas contas, todo final do mês, que suar a camisa nos quadrantes de uma fazenda qualquer.

Em quinto plano, o descaso com a educação, com a saúde, com a qualidade de vida das populações rurais, castra toda e qualquer ideologia e evita a permanência do homem no campo, atraído pelo canto de sereia da cidade grande, onde ele pode ter melhor salário, melhor residência, melhor escola, melhor sistema de saúde, melhor vida (o resultado final deste enredo é a favela, o abandono das ruas, a linha abaixo da pobreza).

Em sexto plano, as constantes exigências de melhoria de qualidade da produção nacional, voltadas somente para o produtor e, quase nunca, desferidas contra as plantas industriais, que anunciam medidas quase sempre inviáveis ao pequeno e ao médio rurícola, vêm desestimulando e inviabilizando dezenas de bons agropecuaristas que, todos os dias, fecham suas porteiras.

Em sétimo plano, a falta de uma assistência técnica eficiente, barata e democrática, além da propaganda maciça de bens e sistema de produção não condizentes com a realidade brasileira, levam à contramão genética e produtiva, que faz com que a média individual de produção de uma vaca nacional não passe dos pífios cinco litros por dia.

Em oitavo plano, a falta de infraestrutura viária, portuária e de armazenamento tem tornado o escoamento e a armazenagem da produção um verdadeiro caos, mesmo – e, ainda mais – com as enormes safras que têm sido colhidas no Brasil, levando à perda de mais de trinta por cento de todo o fruto das searas nacionais.

Em nono plano, a presença de um política internacional pífia, que se curva ante nações muito menos expressivas comercialmente que a nossa, engolindo atitudes que, em outras plagas levariam à guerra, à retaliação, ao embargo e que tornam nossa presença no comércio exterior digna de pena.

Em décimo plano, a falta de fiscalização do cumprimento das determinações legais por parte dos que por elas são atingidos, companheira inseparável da certeza de impunidade, que determina o descrédito com as normas constituídas e com a lisura da produção levada às gôndolas dos supermercados, o que diminui sobremaneira o consumo.

Em décimo primeiro plano, uma política cambial predatória que encarece os meios de produção e avilta o preço do produto, promovendo o falecimento de diversos projetos bem intencionados e viáveis e que concentra, nas mãos de poucos, grande parte das safras.

A conclusão a que chegamos, após apontarmos todos estes entraves ao bom andamento da produção agropecuária nacional é, infelizmente, a de que não há porque produzir, no Brasil, se, ao final de todo o ciclo, estaremos pagando para manter nossa atividade, trabalhando sempre endividados, desmotivados, desvalidos, abandonados, órfãos.

Se não houver uma reviravolta no foco governamental sobre a atividade agropecuária pátria, tratando os produtores com o respeito e a consideração que merecemos, teremos que importar até o ar que respiramos, mesmo sendo, o Brasil, o virtual celeiro do mundo.

 

 

Direitos reservados

Este artigo é de uso exclusivo do FarmPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Guilherme Alves de Mello Franco    Juiz de Fora - Minas Gerais

Produção de leite

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Helton Hipolito de Moraes

Sarapuí - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 06/11/2013

Concordo em número, gênero e grau !!!! Estudei uma vida inteira e até mesmo o extensionismo é tolhido ( e até extinto! ) pelos ditos governantes globalizados !!!!!!!! Mas não vamos esmorecer, vamos continuar batalhando por governos menos piores e pela união da agropecuária Brasileira, pois somente este, é o caminho: união e trabalho !!!!!

josé joaquim ribeiro de souza

Catanduva - São Paulo - Médico
postado em 06/11/2013

Ola Guilherme, bom dia!
Oportunas observações. Será que esses que deveriam focar  o setor agropecuário com olhos atentos não estão trocando celeiro por seleiro? Afinal já estamos cansados de carregar um dos produtos do seleiro. E pelo jeito o outro produto esta tapando os olhos daqueles que não conseguem ver onde esta a galinha dos ovos de ouro.

Maria Doroteia Moreira Costa

Santa Rita do Sapucaí - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 06/11/2013

Guilherme, gostei muito do seu artigo!
São de pessoas como voce que precisamos junto aos órgãos públicos para nos representar!
Não se anima não?

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade