Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Sem investimento, competitividade do agronegócio pode cair

Por Geraldo Sant´Ana de Camargo Barros
postado em 06/03/2012

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O investimento estrangeiro direto pode ser a alavanca que recolocará o agronegócio na rota desejada de longo prazo.

Atribui-se papel fundamental ao agronegócio brasileiro diante das perspectivas de longo prazo de crescimento mundial da demanda por alimentos, fibras e energia. Dele depende, em boa parte, o suprimento mundial a preços acessíveis à população mais pobre.

Em 2050, em relação ao ano 2000, segundo projeta a FAO, o mundo terá população 33% maior, o consumo de alimentos ficará 70% maior, com o de cereais aumentando 43% e o de carnes, 74%.

No esforço para atender essas demandas, as lavouras, em escala mundial, vão contar apenas com mais 5% de terras aráveis (70 milhões de hectares, concentrados na América Latina e África). Com isso, 90% do crescimento deverá vir da intensificação dos investimentos em capital físico e na geração de inovações tecnológicas.

A FAO tem trabalhado com taxa média de aumento do agronegócio brasileiro em torno de 3,5% ao ano, maior do que a média que tem sido observada (2,9%). Acumulada para os próximos 40 anos, a diferença leva a uma produção 35% menor do que a esperada pela FAO para 2050.

Em recente pesquisa, Cassiano Bragagnolo, doutorando da Esalq/USP, apresenta evidências de que os fatores que explicam o crescimento agropecuário no Brasil foram se alterando ao longo do tempo.

Na década de 1970, foram os investimentos em capital físico e a ampliação da área utilizada que asseguraram o crescimento do setor; a produtividade, no entanto, teve pequena contração.

De 1980 a 2000, a produtividade passou a atuar positivamente para o crescimento, enquanto a lenta expansão do investimento e da área prejudicou o crescimento.

Já nos anos 2000, como a produtividade se estabilizou, o investimento e a área voltaram a ser determinantes para o crescimento e, felizmente, vêm ensaiando uma recuperação, mas não suficiente para garantir a desejada taxa de expansão do agronegócio.

Se não for recuperado o avanço da produtividade, o Brasil estará sacrificando sua competitividade, posto que é o aumento da produtividade que tem mantido os custos abaixo daqueles de seus concorrentes.

Ademais, investimentos abaixo do necessário fazem com que boa parte das máquinas, equipamentos e benfeitorias encontre-se depreciada ou obsoleta, o que também leva a perda de eficiência.

Sob tais condições, o crescimento depende da expansão da área, o que torna mais relevantes as sérias deficiências logísticas do país. Apesar de possuir terra disponível, sua utilização eficiente não prescinde de investimentos em capital físico e em inovações tecnológicas.
Quanto ao investimento na produção agropecuária, tudo indica que, ao longo dos últimos 30 anos - devido aos profundos cortes no crédito rural - o setor não tem contado com os recursos necessários.

Dada a insuficiência de recursos próprios, o investimento estrangeiro direto pode representar a alavanca que recolocará o agronegócio na rota desejada de longo prazo.

Geraldo Barros(*), especial para Folha.


(*)Geraldo Barros, é professor titular da USP/Esalq e coordenador científico do Cepea/Esalq/USP.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Geraldo Sant´Ana de Camargo Barros    Piracicaba - São Paulo

Pesquisa/ensino

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Reinaldo Foresti Junior

Campanha - Minas Gerais - Produção de café
postado em 07/03/2012

Diagnosticar e planejar investimentos em setores exportadores com agregação de valores no agronegócio brasileiro aproveitando a excepcional oferta de dólares no mercado mundial e dirigidos para longo prazo, inclusive com beneficios fiscais para os investidores que exportarem produtos finais.

O prezado Prof. Geraldo Barros, titular da USP/Esalq e coordenador cientifico do Cepea/esalq/USP, certamente será nosso expert patrono nesta empreitada urgente e promissora.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade