Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Uma visão da ovinocultura dos Estados Unidos

Por EDUARDO AMATO BERNHARD
postado em 05/11/2010

8 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Para muitos brasileiros, a ovinocultura nos Estados Unidos é um importante referencial em diversos aspectos. Não é novidade que a qualidade de vida do povo norte-americano é superior a brasileira e existem importantes diferenciais e experiências que podem servir de exemplo para o Brasil. Porém, as condições do produtor de ovinos naquele país, na sua grande maioria, não diferem muito do que se vê por aqui. É interessante poder conversar com produtores e ouvir as histórias do que é e do que já foi um dia a ovinocultura norte-americana e o que representou comercialmente para a economia deles. Soa até irônico, mas se assemelha ao discurso de muitos ovinocultores brasileiros, só que em inglês. O que é certo é que a produção de cordeiros e lã nos Estados Unidos se mantém estagnada há vários anos, devido aos altos custos de produção que envolve a atividade, tornando-a pouco competitiva quando comparamos com países como o Uruguai, a Nova Zelândia e a Austrália.

O rebanho norte-americano atual é inferior a 6 milhões de cabeças, sendo formado predominantemente por raças e cruzamentos com aptidão para carne. Na tabela 1 apresentamos o ranking das 10 principais raças, cabendo especial destaque às raças Katahdin e Dorper, ambas deslanadas, que entraram mais recentemente no país e vêm crescendo fortemente e a Rambouillet, única exceção da lista, com aptidão para lã. O número de raças existentes é superior a 70, se somada a grande quantidade de compostos e cruzamentos industriais.

Tabela 1 - Ranking das 10 raças mais criadas nos EUA (Fonte: USDA/ASI Survey 2009).



A carne de cordeiro, principal produto, é bastante apreciada na culinária local e está presente no cardápio de muitos restaurantes franceses, mexicanos, árabes e orientais, inclusive redes de fast food. Porém, assim como no Brasil, é difícil encontrar carne de cordeiro nas casas de carnes e supermercados e quando ela existe, normalmente é de origem neozelandeza ou uruguaia e o preço igualmente elevado. A lã, predominante de raças com aptidão de carne, possui pouco valor para a indústria, porém, move um grande mercado de artesanato, extremamente valorizado naquele país, com grande destaque às lãs naturalmente coloridas. O mercado de leite ovino vem crescendo no país, com a produção de queijos especiais, iogurtes e outros produtos, a partir de raças tradicionais para produção de leite e cruzamentos para este fim.

Um interessante nicho de mercado americano são os chamados "Club Lambs", que são propriedades especializadas na produção e comercialização de cordeiros em aleitamento para estudantes, que devem cuidar destes por um período que varia de 6 meses a 1 ano, como parte de um projeto pedagógico que envolve as regiões com economia predominantemente agropecuária.

Os rebanhos de elite, para produção de matrizes e reprodutores, se utilizam de conceitos modernos de melhoramento animal e técnicas de avaliação como as DEPs (Diferença Esperada de Progênie), como armas de marketing e numa constante busca pelo aumento da produtividade do rebanho, com aumento de prolificidade, redução de mortes neonatais e aumento das taxas de desmame. Atualmente os EUA importam 43% da carne ovina consumida no país, sendo que somente da Austrália, importam 23% da carne produzida anualmente.

Isto se traduz em uma grande preocupação com um futuro desabastecimento, por conta da grande concorrência do Oriente Médio, que aumentou suas importações em 41% desde 2005, elevando também os preços internacionais. Além da Austrália, a Nova Zelândia, o Uruguai, o Chile e a Argentina são os principais fornecedores de carne ovina do país.

As projeções para 2010 são um aumento de 10% nas importações em relação a 2009. As exportações do país para México, Canadá e outros países, representaram em 2009, 1,5 mil toneladas de carne de cordeiro e 5,9 mil toneladas de carne de ovelha, crescimentos de 9% e 39% respectivamente em comparação a 2008. A exportação de animais vivos teve uma redução de 8% no mesmo ano.

O preço da carne de cordeiro começou 2010 em baixa, mas já mostra sinais de recuperação com preços médios de US$ 2,9/kg vivo para animais até 35kg e US$ 3,22 para animais em torno de 45 kg em junho (USDA - Market Summary 25jun2010). Estes valores, embora superiores aos preços praticados no Brasil, são motivo de reclamação dos produtores norte-americanos, devido ao elevado custo de produção. Cabe ressaltar ainda, que em muitos estados são mais valorizadas as carcaças com peso acima de 18kg.

Os valores de um reprodutor ou matriz ficam em patamares bastante semelhantes aos registrados no Brasil, com animais de excelente qualidade vendidos a US$ 600 e média geral de US$ 300,00 para machos e US$ 200,00 para fêmeas, preços em conformidade com a realidade do mercado, para a produção de cordeiros. Não existe um claro mercado de animais de pista, como aqui.

A lã segue o mercado internacional, porém os valores variam entre si pela micronagem (finura) da mesma. Para este ano, os valores praticados para lãs acima de 28 micras não ultrapassaram US$ 1,6, enquanto lãs de 21 micras chegaram a US$ 3 (base limpa). O mercado de peles, devido ao clima frio em boa parte do país, abastece o mercado interno para roupas de inverno (casacos e calçados), com preço médio de US$ 6,5 em fevereiro de 2010.

Contudo, é a existência de uma cadeia produtiva bastante organizada o que realmente faz a grande diferença naquele país. A Associação Americana da Indústria Ovina (ASI - American Sheep Industry Associaton - www.sheepusa.org), conta com a participação e colaboração de todos os elos envolvidos da cadeia, em todos os estados norte-americanos. A ASI, além de incentivar todas as iniciativas em relação a cadeia, promove ainda importantes programas marketing e de incentivo a produção de carne de cordeiro (Fresh American Lamb) e lã (American Wool), entre outros. Assim como ocorre em outros países, a ASI disponibiliza um programa de aumento de produtividade (LAMBPLAN), que auxilia o produtor nas tomadas de decisão quanto ao manejo reprodutivo do rebanho.

Associado a isto, existe um programa sanitário oficial bastante rigoroso, coordenado pelo USDA (Departamento Federal de Agricultura), que mantém o país livre de muitas doenças e atua no controle e erradicação de outras, com principal preocupação no controle do Scrapie, doença semelhante a vaca louca, que além de um programa federal obrigatório de controle e certificação das propriedades, conta com programas próprios em vários estados e é alvo de campanhas em exposições e feiras, jornais e programas de TV locais. Por trás de tudo isso, ainda existe uma eficiente rede de diagnóstico e troca de informações, formada por veterinários credenciados e laboratórios especializados, que realizam necropsias e todos os tipos de exames diagnósticos, com excelente estrutura e muito bem equipados. Todo animal que morre na propriedade deve ser comunicado e, quando necessário, encaminhado a necropsia e exames laboratoriais. Toda a movimentação de animais ou rebanhos também é rigorosamente acompanhada e todas as informações são transmitidas em tempo real através uma rede interligada diretamente ao USDA. A verminose, o foot rot (podridão dos cascos) e o ectima, são outras doenças comuns aos rebanhos e que apresentam as mesmas limitações existentes aqui no Brasil.

Para o escoamento da produção, centenas de pequenos abatedouros estão distribuídos por todo o país. Estes seguem todas as normas da legislação sanitária vigente e funcionam como prestadores de serviços ou comercializam regionalmente suas produções. Muitos produtores optam por terceirizar o abate nestes locais e comercializam diretamente na fazenda ou para restaurantes e supermercados. O abate para consumo próprio é permitido sem a necessidade de encaminhar ao frigorífico, porém também possui limitações e devem ser comunicados.

Existe ainda uma grande preocupação do governo federal na manutenção do homem no campo, de forma que o governo cobra menos impostos de quem produz e vive na propriedade e investe em programas de incentivo ao setor. Ao contrário do que muitos pensam, não existe um subsídio direto, como nos países europeus, e as taxas e impostos oneram bastante o setor primário norte-americano. Em 2009, a ASI realizou um grande censo nacional, publicado em abril de 2010, que é um raio X da ovinocultura americana. Os dados coletados mostram a importância desta na cultura e na economia do país e vão permitir que sejam tomadas as atitudes necessárias para uma possível correção de rumo desta atividade, atualmente em expansão. Algumas informações relevantes constam da tabela 2.

Tabela 2 - Dados da produção ovina dos EUA coletados no Censo realizado em 2009 (Fonte: USDA/ASI Survey 2009).



Cabe salientar que normalmente nas estatísticas apresentadas, é considerado somente o número de matrizes em produção e de reposição, ou seja, se um criador diz que possui 200 animais, está se referindo exclusivamente a esta categoria animal, ficando de fora os cordeiros e carneiros do rebanho. A ovinocultura norte-americana não é um modelo perfeito, mas nos apresenta claramente algumas idéias que podem ser facilmente implementadas no Brasil, assim como alternativas e exemplos que podem e devem ser seguidos. Muitas dessas idéias já estão há muito tempo na cabeça dos envolvidos com a cadeia e muitas vezes já apareceram no papel e em constantes fóruns de discussão, faltando torná-las realidade.

É importante lembrar que todo esse trabalho só é possível por que é realizado por pessoas sérias e baseados na confiança mútua, envolvendo diretamente todos os membros da cadeia produtiva, com participação ativa.

A matéria é de Eduardo Amato Bernhard, publicada no jornal da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (ARCO), adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Ivan Saul

São José dos Pinhais - Paraná - Produção de ovinos
postado em 05/11/2010

Caro Dr. Bernhard e colegas de FarmPoint.

Parabéns, em primeiro lugar, por trazer este instrutivo levantamento ao nosso fórum!

Gostaria de perguntar sobre a Tabela 1, ela se refere ao número de exemplares de cada raça ou ao número de criadores da raça?

Devo ressaltar, que a lã das ovelhas de carne não tem pouco valor para a indústria e sim para o produtor, fato que deve ser lembrado pelos brasileiros que "dão" a lã para o esquilador. Esta "Lã Capacho" - "Carpet" - sempre foi muito valorizada para a fabricação de tapetes e forrações resistentes ao fogo (obrigatórias na indústria aeronáutica e na automobilística de alguns países desenvolvidos), o ovinocultor é que nunca recebeu o preço justo por ela.

Que este seu artigo nos sirva de exemplo e orientação sobre o que copiar e, principalmente, o que "não copiar" da ovinocultura do grande irmão do norte.

Saudações ovelheiras!
Ivan Saul D.V.M., M.Sc.Vet, - Granja Po´A Porã, 05/nov/2010.

eldar rodrigues alves

Curitiba - Paraná - governo
postado em 05/11/2010

Parabens pelo artigo, tambem fiquei muito contente dos resultados da raça DORSET nos ESTADOS UNIDOS
sem mais. Eldar.

EDUARDO AMATO BERNHARD

Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Consultoria e Assessoria Veterinária
postado em 06/11/2010

Prezado Saul,

A Tabela 1 refere-se às raças mais criadas em quantidade de animais.

Realmente as "Carpet wools" tem um uso expressivo no mercado mundial, porém não pode-se confundi-la com a lã de "capacho", da mesma forma que não podemos generalizar as lãs das raças de ovino aptidão carne nesta 1ª classificação. As raças "cara negra", em todos os países do mundo onde são criadas, tem a sua lã desvalorizada por conta da presença de pelos curtos (fibras meduladas) na lã, que dificultam a sua fiação e o tingimento. As lãs de capacho possuem um importante mercado em países com invernos rigorosos, por conta que são utilizados na construção civil como isolantes térmicos, além da produção de feltros para diversos fins.

É importante considerarmos no processo que a indústria tem uma quebra inicial de 50% em média na lavagam e cardagem da lã, que é muito maior no caso de lãs excessivamente sujas e fibras muito curtas. Também existe hoje uma falta de cultura laneira, fazendo que a indústria brasileira, formada atualmente por 2 empresas para ser mais exato, não possui uma política de pagamento diferenciado por qualidade como em outros países. Dessa forma, nos encontramos em um triste círculo vicioso, onde não se remunera melhor por que não tem qualidade e não se investe em qualidade por que não é melhor remunerado. A mesma situação ocorre atualmente com a pele ovina.

De toda forma, concordo plenamente que devemos conhecer a ovinocultura em diferentes países e saber avaliar o que é bom e o que pode ser adaptado a nossa realidade, criando nosso próprio sistema. Eu não tenho dúvida que devemos aprender com estas culturas a tratar com seriedade todos os processos da cadeia produtiva, principalmente em relação a sanidade e produtividade.

Ivan Saul

São José dos Pinhais - Paraná - Produção de ovinos
postado em 09/11/2010

Dr. Bernhard e colegas do FarmPoint.

Errei, e como costumo fazer, venho ao mesmo fórum desculpar-me. Meus erros foram os seguintes:

Confundi "cascarra", lã de garreio, capacho, com "lã carpet" que é um "produto nobre", proveniente de ovinos brancos, bem diferente da lã dos caras negras, dos quais, coincidentemente tenho uns poucos exemplares. E, também por coincidência, em postagem feita domingo e publicada hoje (segunda-feira), fiz referência a esta depreciação sofrida pelas lãs Hampshire Down e Suffolk (principalmente, já que não são os únicos ovinos de cara negra). Devo agradecer a preocupação do Dr. Bernhard, ilustre presidente da "Associação de Ovinos Naturalmente Coloridos", portanto um conhecedor de lãs, em esclarecer minha completa ignorância em termos de sua classificação. Assim como desculpar-me publicamente pelo erro contido na postagem.

Meu outro erro pode ter sido o de pensar que, com minha postagem, conquistaria aliados na defesa da valorização das lãs provenientes de ovinos carne. Bem como de todas as outras lãs, tem que haver mercado e preço inclusive para as "lãs de cachorro impossíveis de tingir" (fibras meduladas). Afirmo que, se esta lã não tem valor no mercado e há de ser presenteada, que seja doada para uma instituição de caridade. Em um mundo em que os rejeitos devem ser reciclados, armazene a lã e faça caridade e não presenteie ou venda por preço baixo, como se lixo fosse. Este tipo de atitude, de presentear o esquilador, que vai acabar vendendo a lã por qualquer preço (haja vista não ter envidado esforço ou investido um centavo na sua produção), nunca vai influenciar positivamente a remuneração justa do produto.

Quanto aos caras negras, posso dizer aos "meus amigos que gostem muito de carne", se quiserem degustar um "cordeiro mamão" Hampshire Down, me visitem em meados da primavera, no verão já é demasiado difícil encontrar um borreguinho com carcaça de 18Kg ou menos.

Enfim, humildemente, peço desculpas a todos e prometo não voltar a abordar temas sobre os quais não tenha razoável conhecimento.

Saudações ovelheiras!
Ivan Saul D.V.M., M.Sc.Vet. - Granja Po´A Porã, 08/nov/2010.

EDUARDO AMATO BERNHARD

Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Consultoria e Assessoria Veterinária
postado em 09/11/2010

Prezado Saul,

Talvez eu não tenha me expressado adequadamente na minha resposta. Em momento algum eu quis desprezar a lã das caras negras , apenas comentei que possuem um menor valor de mercado internacional pelas questões que lenvantei. De forma alguma também discuto a qualidade e o sabor destas carnes. Quem me conhece profissionalmente, sabe que sou um apaixonado por ovinos e pela ovinocultura e sempre defendi que existe espaços para todos, apenas devemos saber como melhor aproveitá-los. A própria criação dos ovinos coloridos, que sempre estiveram a margem da ovinocultura, é um exemplo disso, e com muito trabalho sério, estamos conseguindo abrir espaço inclusive nas indústrias. Atualmente, o preço pago para o produtor por um velo preto não ultrapassa R$ 1,00, quando muito, e após processadas na indústria, na forma de "tops", são vendidos com preços bastante semelhantes a lã branca de mesma qualidade. Porém, esse produto beneficiado artesanalmente, pode ter um incremento em mais de 100X após lavado, cardado e fiado, ou no produto acabado. Da mesma forma as lãs dos ovinos aptidão carne, incluindo os "caras negras" são utilizadas e transformadas artesanalmente em algumas regiões produzindo peças com alto valor agregado. Eu convido aos leitores que vejam exemplos disso nos sites abaixo, que se utilizam de diversos tipos de lãs na sua produção artesanal:

www.caixadagua.com
www.cabanhaecolan.com.br
www.acontecerladeovelha.com.br
www.maluramalho.com.br

Espero que desta vez tenha ficado mais claro o meu pensamento e em nenhum momento pretendi dar uma aula sobre o assunto, apenas esclarecer alguns pontos que talvez fossem desconhecidos de muitos produtores que tem pouco contato com o mercado da lã. Sempre acompanho seus comentários neste fórum, que considero bastante contudentes e coerentes e acredito que temos que aproveitar destes meios para que todos possamos crescer juntos, respeitando as opiniões individuais e cada qual aproveitando aquilo que melhor condiz a sua realidade.

Um forte abraço!

eldar rodrigues alves

Curitiba - Paraná - governo
postado em 10/11/2010

Quando os equivocoss de um ou de alguns são esclarecidos, temos um resultado: O APRENDIZADO DE TODOS QUE PARTICIPAM. Sem mais. Eldar. www.cabanhakingsize.com.br

eldar rodrigues alves

Curitiba - Paraná - governo
postado em 10/11/2010

Caro Dr Eduardo Amato
Não sei se lembra , mas o boton que le dei na feinco do POLL DORSET , ainda esta nesse maravilhoso chapeu , que eu considero um verdadeiro estandarte, em defesa da ovinocultura ? heheheheh

EDUARDO AMATO BERNHARD

Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Consultoria e Assessoria Veterinária
postado em 12/11/2010

Prezado amigo Eldar,

Com certeza lembro e carrego com muito orgulho este presente. Agradeço igualmente o apoio.

Um forte abraço!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade