Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Especiais

Baixa oferta de carne ovina: oportunidade para o Brasil?

postado em 16/07/2010

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O FarmPoint publicou uma notícia sobre a queda das exportações de carne ovina do Uruguai para o Brasil. O Uruguai abriu novos mercados para o produto, de maior valor agregado, e a consequencia disso é o decréscimo de carne ovina exportada para o Brasil durante este ano e em 2009. No primeiro semestre de 2010, a queda foi de 40,57% comparado ao mesmo período de 2009. Considerando a crescente demanda, você acredita que essa situação possa favorecer o desenvolvimento da ovinocultura brasileira? Vários leitores participaram e opinaram sobre o assunto.

Comentários de destaque

Guilherme A.Tessaro, produtor e pesquisador no setor de ovinocultura de Porto Alegre/RS, acredita que a demanda pela carne irá elevar ainda mais os preços pagos ao produtor, o que deverá servir como estimulo de produção. "Essa resposta de produção deveria ser rápida, de forma a evitar elevados preços ao consumidor, que além de encontrar pouca informação sobre o produto, ainda terá que pagar altos preços, resultando na substituição por outras carnes. Na mesma linha, Lucia Mabel Saavedra Bousses, produtora de ovinos de Campo Alegre/SC, comenta que "a abertura de novos mercados para a carne ovina uruguaia servirá para pressionar a cadeia da ovinocultura brasileira a se organizar mais rápido e aproveitar a oportunidade para planejar a oferta de produto."

Norberto Paiva Pereira, produtor de ovinos e presidente da Sociedade dos Criadores da raça Texel do Uruguai, citou que o aumento dos preços da carne ovina uruguaia se deve fundamentalmente às vendas para o Oriente Médio. "O estoque de ovinos está em declínio aqui e isso estimula o desenvolvimento e fortalecimento da ovinocultura de corte no Brasil e no mundo." Francisco de Assis de Carvalho Pires, produtor de ovinos de Mirandiba/PE também acredita que será positivo para o Brasil, principalmente para o mercado nordestino, contanto que esse se adapte as exigências do mercado. "Para isto ser possível, é necessário que as autoridades facilitem e criem mecanismos para podermos colocar os nossos produtos no mercado, com instalações de abatedouros e meios que facilitem as vendas."

Já Izildinha A.C. Dantas, médica veterinária de Aracaju/SE, levantou a questão: "Será que estamos preparados para fornecer carne com a padronização e qualidade que o mercado exige?" Ela conta que estamos engatinhando na articulação dos elos da cadeia produtiva para se ter produtos competitivos e com qualidade. "Temos que, a passos largos, fazer o melhoramento genético para produção de animais tipo frigorífico, analisar os melhores cruzamentos de raças exóticas com as nativas (inclusive fazendo avaliações do uso de F1 como matrizes) e ainda dispor de abatedouros com inspeção (com matéria prima à disposição num determinado raio) para alcançarmos o mercado disponível." Igor Vaz, produtor de ovinos de Pelotas/RS, reforça que "para que essa situação favoreça o desenvolvimento da ovinocultura brasileira, a cadeia necessita da união dos produtores para produção em escala, mudança da cultura da produção de lã para carne, introdução de genética eficiente e preço coerente com o custo de produção para incentivar a atividade."

Segundo Lutero de Andrade Oliveira, produtor de caprinos e ovinos, técnico inspetor da ARCO e pesquisador no setor de ovinocaprinocultura de Piripiri/PI, "precisamos aumentar o nosso plantel de forma a atender a demanda existente e sair dessa dependência externa que é a importação. Novamente, gostaria de frisar que o maior gargalo é a falta de organização da cadeia produtiva da ovinocaprinocultura, tanto por parte do produtor em produzir mais e melhor (o mesmo padrão de produto - peso, gordura, etc) e a garantia de abatedouros ou salas de abate com inspeção. A divulgação da indústria junto aos consumidores, (degustação no varejo, etc.) é fundamental dentro deste agronegócio promissor em nosso país. Devemos aproveitar esta fase oportuna."

André Oliveira, repórter do Jornal Cabra&Ovelha de São Paulo/SP, avaliou que essa medida se situa no meio termo. "Isso é bom porque aumenta a necessidade do produtor brasileiro apresentar cordeiros ao mercado e é ruim porque na maioria dos casos, eles não tem cordeiro para entregar. É fundamental que a Câmara Setorial de Caprinos e Ovinos aja imediatamente para que as instituições públicas de fomento e financiamento criem um plano de emergência para os próximos 12 meses visando oferecer condições para que os produtores consigam, pelo menos, fechar lotes para encaminhar aos frigoríficos, com terminação de cordeiros a custos mais baixos em sistema cooperativado. No médio e longo prazo o sistema de produção atual encaminha-se para suprir a demanda nacional, mas é necessário um plano de ação mais forte, que agregue produtores e pecuaristas de outras espécies e culturas."

Participe deixando o seu comentário no box abaixo:

Equipe FarmPoint

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

cyro calovy filho

Alegrete - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 16/07/2010

No meu ponto de vista irá fomentar ainda mais o mercado pois nesta época do ano o brasil é abastecido pelo Uruguai de carne ovina, nossa entressafra vai de maio a agosto, quando inicia a esquila no RS e ai as ofertas aumentam. Neste ano em minha região haverá um grande decréscimo no número de ovinos, visto que muitas matrizes foram abatidas no ano passado devido ao desetimulo com os preços em comparação ao dos bovinos. Este ano portanto com a queda de importação de carne do Uruguai os preços aqui chegaram a 3,40 o quilo muito superior ao do boi, há uma grande procura dos frigorificos e pouca oferta. Em outros anos a industria sempre se abastecia nesta época no nosso vizinho. Em suma esta queda de importação para os produtores foi muito bom e para valorizar esta atividade que estava totalmente desestimulada. Ciro Calovy
Agronomo
Alegrete rs

Jaime de Oliveira Filho

Itapetininga - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 17/07/2010

A carne vinda do Uruguai garantia crescente consumo de carne de cordeiro. No Brasil, corremos o risco de pouca oferta se o consumidor trocar por outras carnes mais baratas e diminuir o hábito da carne de cordeiro. Sabemos que no Uruguai existe a produção de leite que concorre com o espaço da ovinocultura e por isso dificilmente se passará de um rebanho de 10 milhões de ovelhas, que é o atual tendendo a diminuir esses números. A oportunidade para a ovinocultura brasileira é uma oportunidade enorme, mas que precisa de conscientização de alguns itens importantes:

-Mais profissionalismo para os produtores;
-Uso de profissionais com especialização na área;
-União da classe de produtores para se ter escala e justificar escalas de abates;
-Uso de tecnologias de manejo,nutrição,genética e gestão nas propriedades;
-Elaborar projetos antes de entrar na atividade;
-E lembrar que não é uma mina de ouro, mas se bem conduzido um negócio bem rentável.
-Oportunidade para a agricultura familiar;
-Oportunidade do apoio ao produtor dos Orgãos Públicos, como em outros países;
-E saber que o Brasil é um dos ,se não fôr o único país que tem no momento como aumentar a produção de proteína animal no mundo e não falo como intusiasta,mas pela próprios relatos de países tradicionais como a Austrália, Nova Zelândia e até mesmo o Uruguai que por motivo de clima,espaço e concorrência com outras atividades não tem como produzir mais carne,o Brasil com o uso de tecnologia na pecuária atual pode liberar milhões de hectáres de terras, sem ter que desmatar e produzir mais carne e grãos neste espaço.

Julio Erasmo Reich

Querência - Mato Grosso - Produtor de ovinos
postado em 21/07/2010

Parabéns pelo material. Estamos carentes de informações sobre esse assunto mesmo. Todo mundo fala, fala sobre o assunto mas ninguém tinha sentado para colocar os números no papel. O papel de vocês está desempenhado boas melhorias para o setor, pois a internet vem sendo usado por um número cada vez maior de produtores.

Jonas Rodrigues

Dourado - Mato Grosso do Sul - Trader
postado em 31/07/2010

Ótimas oportunidades para o Brasil. Esses dias eu fui no Carrefour fazer compras e encontrei peças de carne ovina (paleta) por um preço muito caro. Essa que é a grande encruzilhada, sair da carne exótica e cara para uma carne do dia a dia e fácil de preparar. No frezzer da carne ovina, tinha carne de pato, rã, e outras carnes diferentes. Ai entra o marketing, a propaganda e tudo o que possa ser feito neste sentido. Mais uma vez parabenizo o FarmPoint, poi suas matérias condizem com a nossa realidade ovinocultora e trazem informações quentinhaS de mercado, e claro, exclusivas.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade