Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Especiais

5ª cotação mensal do preço do cordeiro: preços permanecem estáveis com tendência de crescimento devido a entressafra e queda nas importações

postado em 20/05/2011

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Desde janeiro deste ano, o FarmPoint está realizando a cotação mensal do preço do cordeiro. O objetivo inicial é coletar informações com agentes de mercado de alguns Estados, de modo a estabelecer um entendimento claro de como está funcionando a ovinocultura e futuramente, elaborar artigos com análises e tendências. Este conteúdo é inédito, as perspectivas são de crescimento e uma das metas é coletar informações de outros Estados que ainda não estão incluídos na nossa pesquisa. Esta é a 5ª Cotação Mensal do Preço do Cordeiro realizada pelo FarmPoint.

Para a elaboração deste projeto, realizamos um levantamento e entramos em contato com frigoríficos e produtores de carne de várias praças (associações, cooperativas e produtores que possuem uma marca de comercialização de carne) e órgãos estaduais que realizam cotações regionais de carne de cordeiro.

Neste mês, o FarmPoint também lançou um formulário para aumentar a rede de informantes, captar as tendências de mercado dos estados brasileiros e levar informações relevantes ao leitores. Este formulário permanecerá em aberto e também será utilizado para as próximas cotações. Até ontem, mais de 70 produtores de 18 estados brasileiros participaram e contribuíram com a pesquisa. O FarmPoint agradece a colaboração dos participantes!

Tabela 1 - 5ª Cotação Mensal do Preço do Cordeiro - maio de 2011.



* Fonte: Formulário de Cotação do FarmPoint, Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri), Emater/RS, Secretaria da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário (Seagro), Centro de Abastecimento Alimentar de Pernambuco (Ceasa), Informativo Semanal do Preço do Cordeiro - UNICETEX/FZEA/USP, frigoríficos dos estados participantes, cooperativas, associações e produtores de ovinos. PS: cotação realizada entre os dias 10 a 20 de maio de 2011.

Destaques

Informantes de MG destacaram que o preço não está ruim, porém, estão esperando que aumente ainda mais devido a falta de cordeiros. "A perspectiva é que o preço chegue pelo menos a R$ 4,60".

De acordo com um dos informantes do Rio Grande do Sul, o preço está variando muito. "O preço está dependendo do acabamento do animal e do desespero do comprador que está sem matéria-prima para abate. Acima de R$ 3,50 só recebe quem faz parte de alguma parceria com frigorífico e mesmo assim, o produtor precisa entregar animais bem terminados". Um leitor do mesmo estado frisou que os preços estão variando entre R$ 3,50 e R$ 4,20 dependendo da região. "Preços satisfatórios para os produtores quando comparados aos preços de quatro anos atrás".

Leitores de Pernambuco citaram que o preço está razoável. Um deles destacou que na Região da Mata Norte de Pernambuco há dificuldade para encontrar quem compre os animais. "Enquanto isso, no resto do Brasil a oferta é menor que a procura", completou ele. Um segundo leitor, de Recife, completou dizendo que Pernambuco praticamente acompanha o preço do restante do Nordeste. "O preço está variando entre R$ 9,00 e R$ 10,00/kg/carcaça dependendo do animal. Uma ovelha de primeira cria (SRD) está custando em média R$ 200,00/cabeça".

Leitores de Santa Catarina enalteceram que há uma crescente demanda do produto no estado e que a procura por cordeiros é constante. Corroborando com este comentário, produtores do Maranhão citaram que o preço vivo de ovinos e caprinos na região atende as leis de mercado, baseando-se principalmente na procura e oferta de carne da região. "São Luís não produz carne ovina para atender a demanda e boa parte do produto é adquirido do Piauí".

Informantes do Estado de Espírito Santo citaram sobre o abate clandestino. "Não temos abatedouros disponíveis na região e o abate é todo informal. Na mesma linha, um produtor de Bataguassu/MS disse que "por falta de um frigorífico, eles ficam nas mãos dos compradores na porta de casa" e de acordo com um leitor de Presidente Venceslau/SP, "há criadores de ovinos na região que não conseguem colocar o produto em grande escala, somente no mercado informal e em pequenos comércios".

Um produtor de Ponta Grossa/PR finalizou destacando que houve um aumento no preço de 2010 a 2011 devido o aumento do consumo. "Posso garantir que 80% dos produtos são oriundos de animais abatidos nos famosos abatedouros debaixo de árvores, pois os preços no mercado estão bem acima dos preços de um produto com inspeção sanitária".

Raquel Maria Cury Rodrigues, Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

cyro calovy filho

Alegrete - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão
postado em 24/05/2011

sou  agronomo , trabalho com compra de ovinos para abate amais de 10 anos , represento 05 empresass no rgs - marfrig - frigo w , carneiro sul- bristot - frigo sao jorge, tenho cadastraddo cotaçoes  desde 2007 mensal a evoluçao dos preço do cordeiro na minha regiao que fronteira oeste do estado do rio grande do sul - alegrete
atualmente aqui o preço é 4,00 para pgto a vista e 4,20 com 30 dias
ciro calovy filho
ccalovy@gmail.com

Daniel Henrique de Lima Carvalho

São Gotardo - Minas Gerais - Distribuição de alimentos (carnes, lácteos, café)
postado em 25/03/2013

quero começar a criar cordeiros porem preciso de ajuda

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade