Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Especiais

Brasil: Uruguai exporta menos carne ovina em janeiro e participação chilena cresce

Por Raquel Maria Cury Pereira (FarmPoint)
postado em 18/02/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

No último mês de janeiro, o Brasil importou 0,58 mil toneladas de carne ovina do Uruguai. Desta quantia importada, 81,6% se refere às peças não desossadas de ovinos congeladas, 13,9% se refere às carcaças e meias-carcaças de ovinos frescas ou refrigeradas, 4,3% é referente às carnes de ovinos desossadas e congeladas e 0,26% às carcaças e meias-carcaças de cordeiro, congeladas.

Comparado a dezembro de 2010 (recorde de importações no ano passado/1,1 mil toneladas), as importações em janeiro de 2011 diminuíram 48% (Figura 1). Porém, comparado ao mês de janeiro de 2010, as importações de carne ovina cresceram 58% (Figura 2).

Em comentário enviado ao FarmPoint, Robson Leite, presidente da fornecedora de carne ovina Savana, afirmou que a redução do rebanho no Uruguai foi maior do que o previsto e muitos produtores aproveitaram a alta dos preços de 2010 e venderam suas matrizes. "Com isso, deve faltar muito cordeiro em 2011, o que, consecutivamente, impactará nos preços desses animais. Estamos prevendo grandes dificuldades a partir de abril".

Figura 1 - Quantidade de carne ovina importada do Uruguai (julho de 2010 a janeiro de 2011). (Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint).

Clique na imagem para ampliá-la.

Figura 2 - Quantidade de carne ovina importada do Uruguai no mês de janeiro de 2010 e no mês de janeiro de 2011. (Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint).



Devido à baixa oferta de carne ovina no mercado brasileiro em razão da alta demanda, o Brasil buscou uma alternativa para suprir o mercado de carne ovina em 2010: aumentar as importações de carne ovina da Argentina. Comparando 2009 com 2010, o crescimento das importações foi de 39,5%, totalizando 0,31 mil toneladas.

Neste ano, o Brasil não importou carne ovina argentina, porém, importou carne ovina chilena. Desde novembro de 2010 vêm ocorrendo importações oriundas do Chile e o principal produto são peças não desossadas de ovinos congeladas. Em janeiro deste ano, também foi exportado ao Brasil uma ínfima quantia de carne desossada de ovino congelada.

Em 2009, o Brasil importou grande quantidade de carne ovina chilena, totalizando 5,9 mil toneladas (quantia composta pelos dois produtos citados acima).


Figura 3 - Quantidade de carne ovina importada do Chile (novembro de 2010 a janeiro de 2011). (Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint). De novembro a dezembro, as importações cresceram 49% e de dezembro a janeiro, cresceram 7%.



Valores Uruguai

Em janeiro, o kg das peças não desossadas de ovinos congeladas custou US$ 6,25 e o kg da carne ovina desossada e congelada US$ 8,41, queda de 9,7% e crescimento 1,9% frente ao mês de dezembro, respectivamente.

Figura 4 - Evolução dos preços das peças não desossadas de ovinos congeladas e importadas do Uruguai. Período: janeiro de 2010 a janeiro de 2011. (Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint).

Clique na imagem para ampliá-la.

Valores Chile

Em janeiro, o kg das peças não desossadas de ovinos congeladas custou US$ 5,54 e o kg da carne ovina desossada e congelada US$ 7,19.

Figura 5 - Evolução dos preços das peças não desossadas de ovinos congeladas e importadas do Chile. Período: novembro de 2010 a janeiro de 2011. (Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint).

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade