Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Especiais

FAO: Previsões para o mercado mundial de carnes

postado em 20/12/2006

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Preços

Os mercados globais de carne em 2007 deverão se recuperar gradualmente após os surtos de doenças animais que afetaram o setor nos últimos anos. Os baixos preços da carne de aves e a renovada confiança dos consumidores, em um contexto de forte crescimento econômico e reduzidos surtos de doenças animais, deverão sustentar uma recuperação gradual na demanda global por carnes.

Apesar de isto dever estimular um aumento na produção de carnes, a resposta do setor será bastante dependente do impacto dos maiores preços dos alimentos animais na lucratividade da indústria. Do lado do comércio, os envios de carne, após terem visto padrões cíclicos de perdas e recuperações induzidos por doenças animais, deverão aumentar 7%, para 22 milhões de toneladas em 2007. Essas previsões favoráveis são dependentes de uma retirada progressiva das barreiras comerciais relacionadas às doenças animais e a uma firme recuperação no consumo. Importante, tanto para o consumo como para o crescimento comercial, são as respostas dos consumidores a qualquer surto de doença animal.

Apesar das expectativas de recuperação gradual no consumo e comércio de carnes em 2007, os preços das carnes na maior parte de 2006 permaneceram deprimidos, com o índice de preços da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), até setembro de 2006, em 115 pontos, menos que os 127 pontos no meio de 2005, o mais alto da base de dados da FAO, que começou em 1990.



Tabela 1. Mercados mundiais de carnes


1 Janeiro-Março
NOTA: Porcentagem calculada com dados não arredondados.

Produção

A produção global de carnes deverá aumentar em mais de 8 milhões de toneladas para quase 285 milhões de toneladas em 2007, um aumento de mais de 3% com relação ao nível anterior em um contexto de recuperação da confiança dos consumidores. Quase 70% desses ganhos deverá ocorrer na Ásia e na América do Sul que são responsáveis, respectivamente, por 42% e 12% da produção global.

O forte crescimento econômico e o consumo na Ásia estão dando suporte aos ganhos na produção enquanto nos países orientados à exportação da América do Sul, uma redução nas barreiras comerciais anteriores deverá estimular um aumento no abate e na produção. O aumento estimado de 4% na produção de carne nos países em desenvolvimento é duas vezes o esperado para as regiões desenvolvidas, trazendo sua contribuição à produção global para 60%, 10 pontos percentuais a mais do que na década anterior.

Enquanto os países desenvolvidos deverão ver aumentos relativamente grandes na produção, a maioria dos ganhos deverá se originar nos Estados Unidos e na Oceania, região afetada pela seca. A produção na Europa deverá aumentar somente marginalmente, com os maiores preços da carne estimulando um leve aumento nos abates de bovinos e suínos.

Entretanto, as incertezas que a indústria de carnes terá que enfrentar incluem efeitos potenciais dos maiores custos dos alimentos animais em muitos países, à medida que o crescente interesse na produção de biocombustível combinado com as quedas na produção relacionadas ao calor impulsiona os preços dos grãos. No começo de novembro de 2006, o preço do milho nos EUA, o maior produtor e exportador de alimentos animais, aumentou para os maiores níveis dos últimos 10 anos, fazendo pressão na lucratividade dos pecuaristas e sugerindo preços potencialmente maiores das carnes em 2007.

A produção de carne ovina deverá atingir 13,8 milhões de toneladas em 2007, 3% a mais do que em 2006. A maioria do crescimento deverá se concentrar na Ásia, em particular na China, Índia, Irã e Paquistão, que são responsáveis por quase 60% da produção global. Enquanto a produção nas principais regiões exportadoras da Oceania deverá aumentar devido aos abates induzidos pela seca na Austrália, a recuperação na Argentina e no Uruguai refletem programas de governo voltados a revitalizar o setor, que esteve sob pressão no final dos anos 1990 pelos baixos preços da lã.

Utilização

À medida que as preocupações com a saúde humana relacionadas à influenza aviária reduziram em um contexto de mudanças nas percepções de risco dos consumidores, o consumo per capita de carnes deverá aumentar em 2%, para 43 kg/pessoa.

Influenciados por uma redução no número de casos de influenza aviária, estratégias mais efetivas de comunicação e forte crescimento econômico, os países em desenvolvimento, que já representam 60% do consumo de carnes, deverão ser responsáveis por quase 80% dos ganhos na utilização de carne.

Apesar de o consumo per capita nos países em desenvolvimento dever aumentar em quase 1 kg/pessoa, para 32,3 kg/pessoa em 2007, isso ainda é um terço do consumo médio per capita de 85,1 quilos nos países desenvolvidos.

Comércio

Os preços relativamente baixos das carnes e a recuperação no consumo deverão levar a um aumento de 7% no comércio de carnes em 2007, para 22 milhões de toneladas. Apesar de as previsões comerciais para todas as carnes mostrarem-se favoráveis, os setores de carne bovina e de aves deverão ser responsáveis por 80% desses ganhos, à medida que ambos se beneficiarão da retirada das restrições comerciais relacionadas a doenças animais. O Brasil, que ultrapassou os EUA como o maior exportador de carne desde 2004, deverá manter sua posição em 2007. Apesar de ter perdido alguma participação no mercado em 2006, as exportações brasileiras de carne deverão se expandir em 8% em 2007, suportadas por uma forte demanda de importação em mercados tradicionais no Oriente Médio e África.

Um aumento nas ofertas exportáveis de carne ovina induzido pela seca da Austrália em 2006 e 2007 está antecipando um impulso às exportações globais de quase 5%, para 855 mil toneladas em 2007. Dois anos sucessivos de forte crescimento nas exportações da Oceania, uma região que fornece mais de 80% dos envios globais, induziu uma queda de quase 16% no indicador de preços da FAO para carne de cordeiro desde o meio de 2005. Esses baixos preços deverão estimular as importações em muitos dos principais mercados, incluindo Canadá, China, Japão, México e EUA. Entretanto, a lenta reconstrução dos rebanhos e a oferta escassa na UE, maior mercado mundial de importação, deverá estimular uma recuperação nas importações. Ofertas adicionais também estão sendo fornecidas por exportadores não tradicionais, como Argentina e Uruguai.

Fonte: adaptado da FAO

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade