Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Especiais

Paraíba conta com programa de apoio à cadeia produtiva

postado em 09/06/2006

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Num cenário que a caprinovinocultura se destaca como atividade econômica e existe a necessidade de adaptação à nova realidade de mercado, é que surgiu, na Paraíba, uma iniciativa de criar um programa de apoio ao desenvolvimento da atividade.

O APL Capri (Arranjo Produtivo Local da Caprinovinocultura) é um projeto desenvolvido pela Empresa Estadual de Pesquisa Agropecuária da Paraíba (Emepa/PB) para o apoio ao desenvolvimento desses arranjos produtivos na Paraíba.

O programa conta com a parceria com a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), recebe o apoio da Secretaria de Estado do Turismo e do Desenvolvimento Econômico e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e é financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa da Paraíba (FapesqPB) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

O caráter multinstitucional do projeto confere maior força e abrangência às suas ações, permitindo o enfoque em toda cadeia produtiva. Ao todo são 12 frentes de trabalho que envolvem desde capacitação do produtor até tecnologias de beneficiamento do produto final, seja ele carne ou couro.

Cada linha de pesquisa tem uma equipe que promove estudos e avalia seus resultados. A maioria dos experimentos acontece na Estação Experimental Pendência, da Emepa, na cidade de Soledade. Porém, também são desenvolvidos trabalhos na Estação Experimental Benjamim Maranhão, da Emepa, nos campi das Universidades envolvidas no projeto e ainda em algumas propriedades e criadores inseridas nas microrregiões do Cariri e Curimataú.

"O projeto APL Capri propõe a inserção de ações que aumentem a interação entre os fatores econômicos, sociais, culturais e ambientais em áreas indicadas tecnicamente para essas explorações, cujos estudos devem gerar conhecimentos que serão apropriados pelos diferentes atores envolvidos nessas atividades." afirma Wandrick Hauss, pesquisador da Emepa e coordenador do projeto.

O objetivo central do empreendimento é desenvolver, adaptar e incorporar conhecimentos e tecnologias à agricultura familiar e ao agronegócio da caprinovinocultura, que sejam compatíveis com a nova realidade de mercado regional e com a política de combate à fome, visando aumentar a eficiência e a sustentabilidade dos arranjos produtivos locais dos caprinos e ovinos.

Além disso, as linhas de pesquisa envolvem agregação de valor aos produtos ovinos, por meio da culinária e até mesmo do turismo. Dentro dessa idéia está o estudo "Inovação tecnológica da buchada nordestina de bode", desenvolvido pela Emepa e UFPB, que visa transformar os subprodutos da carcaça em uma iguaria de importância comercial.

Apesar da buchada ser um item tradicional na alimentação nordestina, o projeto desenvolveu um processo industrial de elaboração do prato, que vai oferecer ao consumidor um produto embalado, pronto para o consumo e dentro dos padrões de qualidade.

Dentre as inovações na elaboração da buchada estão a aplicação de produtos químicos e físicos na limpeza das víceras; a substituição da linha de costura por tecido fibroso (intestino) do próprio animal, embalagens a vácuo, além da utilização de condimentos que adicionem sabores especiais ao alimento, como ervas finas. Os estudos também avaliam qualidade nutricional do produto e realizam testes sensoriais para medir a aprovação do consumidor.


Figura 1: Cortes de carne caprina desenvolvidos pela Emepa e UFPB para agregar valor ao produto e incentivar o consumo. No canto inferior esquerdo, encontra-se a buchada pronta para consumo.

As estações experimentais estão sendo equipadas para sustentarem o bom desenvolvimento desse projeto. Auditórios para aulas de capacitação, unidade de processamento de queijo e abatedouro são algumas das instalações que estão sendo implementadas ou melhoradas.

Além do trabalho tecnológico com produtos cárneos, o projeto apresenta provas zootécnicas, avaliação de cruzamentos, estudos sobre a produção e beneficiamento de peles, entre outros tantos projetos a serem desenvolvidos. Inicialmente, o projeto foi determinado e financiado para três anos de trabalho, sendo iniciado em 2005.

Marina de Arruda C. Danés, Equipe FarmPoint

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Ruy Vasconcellos

Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul - Produção de ovinos
postado em 17/08/2006

São atividades assim que trazem benefícios ao pequeno produtor. Parabéns pelo projeto. devia ser copiado em outras regiões deste o Brasil.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade