Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Especiais

Valores da carne ovina uruguaia importada pelo Brasil continuam crescentes

Por Raquel Maria Cury Pereira (FarmPoint)
postado em 21/09/2011

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Uruguai

De acordo com o INAC (Instituto Nacional de Carnes do Uruguai), as exportações totais de carne ovina expressa em peso com osso no período de 1 de janeiro a 27 de agosto, foram de 8.073 toneladas, 31,4% a menos do que no mesmo período do ano anterior, quando foram exportadas 11.764 toneladas. Os principais mercados foram, em ordem de importância, União Europeia (UE), Mercosul e China, concentrando 78% do total.

O número de cabeças abatidas nos estabelecimentos habilitados a nível nacional foi de 506.950 com as ovelhas representando 35% do total, os capões 14% do total e os cordeiros, 43% do total.

Importações para o Brasil

No mês de agosto, o Brasil importou 51,9% a mais de carne ovina uruguaia comparado a julho, totalizando 352 toneladas. Em julho, o Brasil importou 232 toneladas.

Gráfico 1 - Quantidade de carne ovina importada do Uruguai x variação (%) - agosto de 2010 a agosto de 2011. (Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint).



Tabela 1 - Quantidade de carne ovina uruguaia importada pelo Brasil nos meses de janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho, julho e agosto de 2007, 2008, 2009, 2010 e 2011 (em toneladas) e variação no período entre os anos. (Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint)



Valores

No mês de agosto, o preço do quilo de carne desossada de ovino congelada cresceu 13,6%. Em julho o quilo custou US$ 7,75 e em agosto US$ 8,80. O preço do quilo das peças não desossadas de ovinos congeladas cresceu 0,73%, passando de US$ 7,52 para US$ 7,58.

Gráfico 2 - Valores praticados de agosto de 2010 a agosto de 2011 de carnes desossadas de ovinos congeladas e peças não desossadas de ovinos congeladas oriundas do Uruguai (US$/kg). (Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint).



Chile e Argentina

Devido a entressafra brasileira na produção de cordeiros e demanda firme, em agosto, o Brasil continou importando carne ovina chilena e argentina. Em agosto, o Chile exportou 28,9 toneladas de carne ovina ao Brasil e a Argentina exportou 23,6 toneladas.

Tabela 2 - Toneladas de carne ovina chilena e argentina importadas pelo Brasil em janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho, julho e agosto de 2011. (Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint).



Valores

Em agosto, o Chile exportou para o Brasil carcaças e meias carcaças de ovinos congeladas e cada quilo custo US$ 4,51. O preço pago pelas peças não desossadas de ovinos congeladas argentinas (único corte comercializado este mês) foi de US$ 3,66.

Equipe FarmPoint

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Nilson Paulo Michel Missel

Cidreira - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 21/09/2011

Òtimo artigo. Parabéns! Aproveitando pergunto por que o governo não age na carne ovina como fez com os automóveis importados, recentemente?  Isto daria proteção às indústrias e ao produtor rural, conservando o emprego de tantos que trabalham na atividade. Deveríamos procurar os políticos em quem votamos para sensibiliza-los neste sentido. E não seria somente para a carne ovina. O arroz nacional passa por uma crise sem precedentes, estando o custo de produção bem abaixo do valor de mercado, e agora sendo leiloado para ração animal, por iniciativa do governo. Seria muito mais fácil aplicar tarifas altas para os produtos importados, protegendo, assim o produtor rural. Nilson Missel/Presidente Comissão de Ovinos da FARSUL

cyro calovy filho

Alegrete - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 28/09/2011

ótima reportagem atualizada , gostaria de ter mais dados constantemente de cotaçoes de animais em pé para abate no uruguai,  está iniciando a safra de ovinos no rgs , preços ainas elevados , esclas curtas , mas a tendencia deverá ser de queda nos proximos 20 dias , mas nao muito em virtude de mecanismos de financiamentos a custo zero praticamente para o produtor manter seus animais er aumentar seu rebanhos . muito boa reportaghem  e nos forneça mais constantemente estes dados .

ciro calovy
agronomo
alegrete  rs  

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade