Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Internacional

O agro em Brasíndia

Por ANDRE MELONI NASSAR
postado em 26/04/2011

6 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Resgatando e adaptando o termo cunhado por Edmar Bacha, nos anos 1970, do país fictício Belíndia, lanço a ideia de Brasíndia, contrafactual do agro brasileiro com produtividade e estrutura produtiva da Índia.

O agro em Brasíndia tem rendimento por hectare indiano. Nesse país, assumindo o mesmo volume produzido atualmente no Brasil, as principais lavouras (grãos, frutas, vegetais, cana-de-açúcar e mandioca) ocupariam 108 milhões de hectares, em vez dos 61 milhões hoje ocupados. Na Índia, essas mesmas lavouras ocupam cerca de 120 milhões de hectares.

A área de soja em Brasíndia seria de 51 milhões de hectares, em vez dos 24 milhões atuais. A de milho, outro produto que usa muita terra, seria de 22,7 milhões de hectares, e não de 14 milhões. A de cana-de-açúcar já estaria em mais de 10 milhões de hectares, e não nos 8,5 milhões. O feijão brasileiro, tão importante na nossa alimentação, teria 9 milhões de hectares, e não os 4 milhões atuais.

Assumindo uma área ocupada igual à atual (61 milhões de hectares), mas com produtividade indiana, o nível de produção seria sensivelmente menor. Nesse caso, a produção de soja e de milho em Brasíndia seria 57% e 39% menor. Para os níveis de produção de carne que o Brasil tem hoje, Brasíndia seria importadora de soja e milho.

Na cana-de-açúcar, a produção seria 109 milhões de toneladas menor, ou seja, Brasíndia produziria menos 15 milhões de toneladas de açúcar ou menos 8,5 bilhões de litros de etanol. Ou seríamos um exportador muito menor de açúcar, ou não haveria mistura de álcool anidro na gasolina. Manga, laranja e, sobretudo, maçã seriam produtos de luxo. Comeríamos mais bananas porque, grande exceção da amostra de produtos analisada, a produtividade na Índia é maior que no Brasil.

A dobradinha feijão com arroz custaria muito mais ao consumidor, porque a oferta desses produtos seria 55% e 26% menor. Curiosamente, a produção de leite em Brasíndia não seria muito diferente da do Brasil, pois a produtividade por vaca aqui e na Índia é parecida. Diferentemente dos setores agrícolas, a produção de leite no Brasil ainda tem muita eficiência a ganhar - talvez porque a produção de subsistência ainda seja relevante no setor.

As diferenças não estão só no volume produzido ou na área ocupada. As estruturas de produção do setor agrícola do Brasil e da Índia são inversas. A Índia tem cerca de 129,2 milhões de estabelecimentos rurais, ocupando uma área agrícola (sem incluir pastagens e vegetação nativa) de 158,3 milhões de hectares. O Brasil tem 5,2 milhões de estabelecimentos rurais, ocupando 72,6 milhões de hectares (sem incluir pastagens e vegetação nativa), e 330 milhões de hectares quando incluímos pastagens e florestas. A simples relação entre área e número de estabelecimentos já dá noção de que os dois países estão em mundos opostos.

Enquanto 83% e 41% do total de estabelecimentos e de área ocupada se concentram em propriedades menores que 2 hectares na Índia, para a mesma faixa no Brasil os valores são 20% e 0,3%; 47% e 97% do número de estabelecimentos e de área ocupada concentram-se nas propriedades maiores que 10 hectares no Brasil, na Índia essas propriedades praticamente não existem.

Os dados da estrutura produtiva saltam ainda mais aos olhos quando abertos por produto. Enquanto o tamanho médio do produtor de soja é de 72 hectares no Brasil, na Índia ele usa 0,7 hectare. O latifundiário indiano aparece na cana-de-açúcar, superando o módulo médio de 1,3 hectare. No Brasil, o tamanho médio na cana é de 29 hectares. No milho, que é um pouco menos distante, o tamanho médio é 6 hectares no Brasil e 1,8 hectare na Índia. Mesmo em frutas, em que a escala das unidades produtivas é naturalmente menor, o tamanho médio na produção de manga é o dobro no Brasil em comparação com a Índia. Apenas na batata encontramos propriedades maiores na Índia que no Brasil.

Em Brasíndia, para manter o nível de produção atual do Brasil, em vez de 193 mil estabelecimentos produzindo cana-de-açúcar, teríamos 4,2 milhões. Na soja, o número é difícil de acreditar: 216 mil ante 23,9 milhões. No arroz, os atuais 396 mil estabelecimentos não dariam conta e teríamos 2 milhões deles. No milho seriam três vezes mais chegando a 6 milhões de estabelecimentos. Haja produtor de arroz e milho pedindo ajuda ao governo federal!

Se, para alguns, ainda temos muita gente produzindo leite no Brasil, 1,3 milhão de estabelecimentos, em Brasíndia seriam necessários seis vezes mais estabelecimentos para dar conta da produção. Aqui, no Brasil, a média é de 9,4 vacas em lactação por estabelecimento produtor, ao passo que na Índia é de 1,5.

Brasíndia seria, de fato, uma grande e ineficiente fazenda, com muito mais terra alocada para agricultura e muito mais gente vivendo e produzindo mal no campo. Provavelmente estaríamos produzindo menos, exportando quase nada - para a felicidade de alguns -, a produção seria na sua grande maioria de base familiar e de subsistência, utilizadora de baixa tecnologia. A maior área alocada para produção levaria a uma maior conversão de vegetação natural, o que tornaria insustentável a manutenção de instrumentos como a reserva legal e, possivelmente, a criação de grandes reservas de conservação. O consumidor urbano estaria gastando mais de sua renda com alimentação e o contribuinte - como se não fossem a mesma entidade - não estaria contente com os subsídios que seria obrigado a dar ao setor agrícola.

É bom pensarmos em Brasíndia para nos darmos conta do que foi conquistado pelo agro brasileiro nas últimas décadas. Seja ele de base empresarial ou familiar, mas sempre com orientação comercial, é um modelo de agro que melhor atende ao objetivo de atacar a escassez de alimentos que se avizinha no mundo.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

ANDRE MELONI NASSAR    São Paulo - São Paulo

Pesquisa/ensino

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Caetano de Carvalho Berlatto

Barreiras - Bahia - Produção de café
postado em 26/04/2011

André,

Parabéns pela texto. É muito importante que todos vejam o quanto os agricultores brasileiros (sejam familiares ou empresariais) fizeram crescer a produtividade de seus campos, dando condições para o Brasil crescer e sustentar o importante papel de celeiro do mundo.

Temos que cada vez mais mostrar o quanto somos eficazes para produzir, respeitando as leis ambientais e trabalhistas. Há sim alguns pontos para melhorarmos, porém não há outro país que conseguiu fazer o que o Brasil fez nessas últimas décadas.

Marcos Vinicius Grein

Balsas - Maranhão - Consultoria/extensão rural
postado em 27/04/2011

Parabéns pelo artigo. É preciso valorizar a produtividade rural brasileira e divulgar esses índices para que a população saiba que os produtores rurais são, ao contrário de muitas inverdades ditas e publicadas por aí, preservadores do meio ambiente e da sociedade.

Carlos Otavio Lacerda

São José dos Campos - São Paulo - Produção de leite
postado em 29/04/2011

Parabéns pelo artigo e pela divulgação de dados estatísticos tão claros e reveladores do sucesso do nosso modelo agrícola.
Não podemos deixar de lembrar a contribuição da EMBRAPA na evolução da nossa produtividade, produzindo variedades adequadas as diferentes realidades de solo e clima no país, no desenvolvimento de técnicas e na disseminação de melhores práticas agrícolas. Que continue assim, livre de ideologismos, com foco: i) na melhoria da produtividade rural, independente do tamanho da propriedade, ii) na preservação da natureza e iii)  na suas funções sociais de permitir aos brasileiros alimento farto e barato e renda aos produtores, dismitificando falsos dilemas sobre a contribuição do agronegócio á sociedade.

Carlos Otavio Lacerda

São José dos Campos - São Paulo - Produção de leite
postado em 29/04/2011

Parabéns pelo artigo e pela divulgação de dados estatísticos tão claros e reveladores do sucesso do nosso modelo agrícola.


Não podemos deixar de lembrar a contribuição da EMBRAPA na evolução da nossa produtividade, produzindo variedades adequadas as diferentes realidades de solo e clima no país, no desenvolvimento de técnicas e na disseminação de melhores práticas agrícolas. Que continue assim, livre de ideologismos, com foco: i) na melhoria da produtividade rural, independente do tamanho da propriedade, ii) na preservação da natureza e iii)  na suas funções sociais de permitir aos brasileiros alimento farto e barato e renda aos produtores, dismitificando falsos dilemas sobre a contribuição do agronegócio á sociedade.

Henrique de Souza Dias

Serra do Salitre - Minas Gerais - Produção de café
postado em 29/04/2011

Concordo! Temos é Produtos Primeiros e não Primários!


Está na hora de a inteligência brasileira ter uma atitude racional sobre as exportações


do País. Dizer que só exportamos produtos primários, sem valor agregado, é mais uma demonstração do "complexo de vira-latas" que assola o Brasil. Soja é um gerador de produtos de alta tecnologia como máquinas de plantio e colheita que agregam valor a um nº enorme de indústrias. Quando a soja sai, vai junto com ela tudo isso. Açúcar exige preparo industrial (usinas), a mesma coisa vale para carne e frango congelados. Celulose e minério de ferro também precisam de enormes investimentos e dependem de milhares de trabalhadores. Idem para café e suco de laranja, que exigem preparo e industrialização.


E somos os maiores em tudo isso ou quase tudo. Esses produtos são 70% do valor total das receitas externas. Sofrem muito mais com o câmbio do que o resto. No entanto a elite formadora de opinião trata nossas vitórias com assombroso desdém. Só interessam produtos industriais. Vamos exportar automóveis para a Alemanha? Geladeiras para os EUA e China? Tratam a nossa vocação e sucesso natural como símbolo do atraso!


O País pode procurar sua crescente industrialização, mas tem que melhorar as condições para os seus PRODUTOS PRIMEIROS que precisam de estradas, portos e contínuos investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento.








Henrique de Souza Dias


Carlos Eduardo Costa Maria

Anhembi - São Paulo - Instituições governamentais
postado em 29/12/2011

Provavelmente, nem precisaria criar uma Brasíndia para se analisar a produtividade tupiniquim, gostaria que o autor apontasse o trabalho de nossos pesquisadores e extensionistas (Embrapa e Emater) distribuidas neste imenso país que alavancaram muito desta produtividade agropecuária e que seria muito mais se as condições de aquisição de terras e acesso às tecnologias e instrumentos credíticios não fossem tão desiguais.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade