Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

União Europeia aprova nova política agrícola comum com subsídios

postado em 17/12/2013

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

União Europeia aprova nova política agrícola comum com subsídios

Os ministros da Agricultura da União Europeia (UE) adotaram formalmente nesta segunda-feira (16) a reforma da Política Agrícola Comum (PAC), pondo fim a um longo processo de negociações. Com o aval dos 28 países-membros do bloco, a nova PAC irá vigorar entre 2014 e 2020, com recursos estimados em 408,31 bilhões de euros, dos quais 76,6% serão para pagamentos diretos e organização do mercado e o restante para aplicação em desenvolvimento rural. O total destinado ao PAC corresponde a 38% do Orçamento da União Europeia.

Em preparação desde 2009, a reforma da PAC envolveu, pela primeira vez, o Parlamento Europeu, que aprovou, em novembro, a reforma do programa para o período. De acordo com as novas regras, até 2019, nenhum membro deverá receber menos de 75% da média europeia e nenhum agricultor receberá menos de 60% da média nacional. A nova PAC prevê também um mecanismo de travamento, que assegura que as perdas de cada agricultor não sejam superiores a 30%.

"Acreditamos firmemente que o resultado está equilibrado: mantivemos uma robusta estrutura comum, o que responde às necessidades dos agricultores", disse o ministro da Agricultura da Lituânia, Vigilijus Jukna, país que atualmente preside a União Europeia.

As novas medidas, em sua maioria, serão aplicáveis depois de 1º de janeiro de 2015. Até lá, serão tomadas medidas de transição, com o estímulo de arranjos técnicos para que os produtores se adaptem ao novo quadro legal.

"Nosso objetivo era evitar qualquer vácuo legal ou financeiro, que poderia ter causado sérios problemas tanto para os produtores quanto para as instituições administrativas. A PAC irá continuar como uma política vital da união, permitindo que mantenhamos um setor agrícola sustentável, produtivo e competitivo, e a prosperidade da área rural do bloco", acrescentou Jukna.

Portugal elogia iniciativa

A ministra da Agricultura de Portugal, Assunção Cristas, congratulou-se ontem com a aprovação final da reforma da Política Agrícola Comum (PAC), um instrumento que considerou "extraordinariamente importante" para apoiar a "reconversão" deste setor em Portugal.

"Estamos agora em plenas condições de executar a PAC, que já provou no passado recente ser extraordinariamente importante e estou convencida que com os resultados positivos que alcançamos para Portugal vai continuar a mostrar a sua relevância", afirmou aos jornalistas em Bruxelas. Assunção Cristas disse que o setor agrícola em Portugal faz "um esforço muito grande de investimento e de trabalho contínuo".

As informações são da Agência Brasil.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Rodrigo

Divinópolis - Minas Gerais - Revenda de produtos agropecuários
postado em 17/12/2013

Ai aparece um politico brasileiro ou ministro "farofa" da agricultura criado com todynho em apartamento .....metendo o pau nos europeus por isso, ao inves de fazer o mesmo por aqui

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade