Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Comunidade > Fique Atento

Criadores gaúchos investem na ovelha negra

postado em 23/06/2008

Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Resultado da seleção de animais recessivos ou do cruzamento com as raças Karakul e Crioulo, a ovelha negra ou ovino naturalmente colorido é a bola da vez no Rio Grande do Sul. De olho no mercado das roupas feitas com matéria-prima de menor impacto ao meio ambiente, criadores gaúchos estão investindo nesse rebanho.

Antes mesmo de o Ministério da Agricultura (Mapa) abrir o registro genealógico dos naturalmente coloridos, os ovinocultores se organizaram e fundaram a Associação Brasileira de Criadores de Ovinos Naturalmente Coloridos (Abconc) em 2006. A entidade faz o controle genealógico, tatua e brinca os exemplares, para ter o levantamento do rebanho quando iniciar o registro, que será solicitado no dia 4 de julho ao conselho técnico da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (Arco). Se o conselho aprovar, o pedido será encaminhado ao Mapa.

Segundo o presidente da Abconc, Eduardo Amato Bernhard, já há grande demanda pela lã naturalmente colorida no estado, principalmente para uso em artesanato. Mas a expectativa é que a demanda cresça ainda mais.

Os ovinos fornecem lã em mais de 20 tons de marrom, cinza e preto, por isso Amato acredita que o produto está em vantagem em relação ao algodão naturalmente colorido, que existe em apenas três tons. A Abconc já tem o registro de 700 animais, informou notícia do Correio do Povo/RS.

Entre em contato com o autor deste artigo através do formulário abaixo!

deve ter o formato de 10 a 11 dígitos (ddd + telefone ou 0800, 0300, etc.)
Por favor digite o código de verificação contido na caixa ao lado:

3000 caracteres restantes

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade