Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Comunidade > Fique Atento

Estudo busca conhecer a realidade dos frigoríficos e abatedouros de ovinos e caprinos do Brasil para auxiliar a cadeia produtiva da carne

postado em 14/10/2008

Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O consumo de carne ovina e caprina no Brasil vem aumentando muito, e conseqüentemente, a produção destes animais para corte também, no intuito de atender a demanda do mercado nas distintas regiões do país. No entanto, existe uma desorganização dos elos da cadeia produtiva da carne ovina e caprina, isso na maioria dos casos. Tal fato pode acarretar o insucesso da atividade, seja ela, ao produtor, à indústria que abate os animais, aos demais elos da cadeia envolvidos e até a todos os seguimentos envolvidos na atividade de produção e comercialização da mesma. Muito se tem discutido nas distintas regiões do país de como organizar os elos da cadeia produtiva da carne (ovina e caprina), visando à consolidação dos mesmos, para que sejam mais competitivos no mercado e que também propicie maior lucratividade para todos os seguimentos envolvidos, além de limitar o abate clandestino destes animais.

Uma das carnes mais valorizadas no Brasil atualmente é a de ovinos e de caprinos, que vêm ganhando espaço entre as carnes das demais espécies animais. Porém, é necessário uma oferta constante de carne e de seus produtos, além da padronização das carcaças e dos cortes cárneos, para que a carne ovina e caprina seja mais uma opção ao consumidor. No entanto, é necessário saber a preferência do consumidor, para que os frigoríficos e abatedouros de ovinos e caprinos possam repassar tais informações aos produtores, e assim, permitir aos criadores produzirem carne de acordo com um padrão específico (mercados consumidores).

Este estudo tem por objetivo gerar um banco de dados, a partir de um questionário on line que está sendo disponibilizado para todos os frigoríficos e abatedouros de ovinos e caprinos do Brasil, com perguntas relacionadas à compra de animais, serviço de inspeção adotado pelos estabelecimentos que abatem os animais, raças e cruzamentos mais interessantes para a indústria adquirir, peso de abate, destino da pele, órgãos e vísceras dos animais, locais de comercialização da carne e demais perguntas relacionadas à atividade de produção de carne ovina e caprina. A partir destas informações será possível conhecer as dificuldades, interesses, limitações e qual o produto (raça, cruzamento, peso de abate, sistema de criação e alimentação dos animais) desejável de compra pelas empresas. Este questionário contribuirá para auxiliar a organização da cadeia produtiva da carne ovina e caprina.

O estudo fornecerá informações essenciais para as indústrias que abatem estas espécies animais, para os produtores de ovinos e caprinos, e demais seguimentos da cadeia produtiva, no intuito, de auxiliar o crescimento da produção de carne com qualidade. Portanto, contamos com a participação de todos os frigoríficos e abatedouros de ovinos e caprinos do Brasil, para proporcionar ao estudo uma análise com credibilidade. Caso alguma empresa não tenha acesso ao questionário, favor entrar em contato (rafaelsbp@gmail.com) com o autor do estudo para sua participação.

Responsável pelo estudo: Rafael Silvio Bonilha Pinheiro - Zootecnista e Doutorando em Zootecnia (Produção Animal) da FMVZ/Unesp, Botucatu - SP

Entre em contato com o autor deste artigo através do formulário abaixo!

deve ter o formato de 10 a 11 dígitos (ddd + telefone ou 0800, 0300, etc.)
Por favor digite o código de verificação contido na caixa ao lado:

3000 caracteres restantes

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade