Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Comunidade > Fique Atento

SemiáridoShow acontece de 5 a 8 de outubro e conta com tecnologias da Embrapa

postado em 05/10/2009

Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Vantagens de derivados da mamona e do caju para alimentação de caprinos e ovinos e do sistema agrossilvipastoril para a produção agropecuária sustentável na caatinga. Estes serão os destaques das tecnologias que a Embrapa Caprinos e Ovinos levará para o SemiáridoShow, que acontece de 5 a 8 de outubro em Petrolina (PE). O evento terá palestras, cursos, debates e outras atividades para mostrar as inovações tecnológicas em uso da água e produção de alimentos para o semiárido brasileiro.

As pesquisas realizadas pela Embrapa Caprinos e Ovinos com o uso do pedúnculo de caju revelam resultados como ganhos corporais no rebanho. Experiências com ovinos de corte, que receberam dietas compostas de feno de leucena com o pedúnculo permitiram ganhos médios de até 193 gramas por dia nos animais. No caso das cabras leiteiras, o pedúnculo de caju se mostrou um alimento capaz de substitui até 60% da silagem de sorgo, sem prejuízo para o desempenho. A utilização aproveita o potencial da cultura de caju no Nordeste e ameniza o desperdício do pedúnculo da fruta, representando cerca de duas toneladas de material como fonte de ração.

No caso da mamona, a Embrapa mostrará pesquisas relativas ao uso da casca e do farelo como componentes nutricionais. Ambos são obtidos a partir do processo de produção do biodiesel, tornando-se alternativas de alimento de baixo custo para os rebanhos nordestinos. A casca tem se revelado nas pesquisas um alimento com alto teor de fibra, podendo ser utilizada na dieta desses animais em substituição à forragem.

Já no caso do farelo, a Embrapa Caprinos e Ovinos possui projetos para sua destoxificação, para eliminar substâncias como a ricina. Uma das estratégias é o uso do hidróxido de sódio, que por seu baixo custo permite a utilização mesmo em pequenas propriedades rurais. As duas pesquisas se constituem em alternativas para que a caprinocultura e ovinocultura nordestinas tenham maior autonomia na nutrição animal, reduzindo os custos com a importação de alimentos concentrados, como o farelo de soja.

Experiências com o sistema de produção agrossilvipastoril na Embrapa Caprinos e Ovinos mostra sua viabilidade para que a propriedade rural tenha produção diversificada. Madeira para diversos fins, feno, grãos e produtos de origem animal (carne, leite e pele) podem ser obtidos. Atualmente, visualiza-se a existência de outras oportunidades para diversificação da renda do sistema, pelo aproveitamento econômico das frutas nativas e dos animais silvestres e pela inclusão de novas atividades, como apicultura e criação de galinhas caipiras.

As informações são de Adilson Nóbrega, jornalista da Embrapa Caprinos e Ovinos, adaptada pela Equipe FarmPoint.

Para mais informações entre em contato pelo box abaixo ou pelo telefone: (88) 3112-7528.

Entre em contato com o autor deste artigo através do formulário abaixo!

deve ter o formato de 10 a 11 dígitos (ddd + telefone ou 0800, 0300, etc.)
Por favor digite o código de verificação contido na caixa ao lado:

3000 caracteres restantes

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade