Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Daniel Souza esclarece dúvidas sobre cruzamentos em produção de cordeiros

postado em 25/03/2015

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O Curso Online "Produção Intensiva de Cordeiro: do nascimento ao abate", já começou e muitas dúvidas dos alunos que estão participando deste curso já estão sendo respondidas, pelo instrutor Daniel Souza.

Mais do que uma visão estratégica, o curso abordará alguns princípios essenciais para a produção de carne de cordeiro de forma intensiva, apresentando aspectos sobre manejo pré e pós-natal de cordeiros, terminação e características desejáveis de carcaça, pensando em rentabilidade e lucratividade.

Confira abaixo algumas dúvidas sobre cruzamentos, que já foram respondidas no fórum do curso:

Aluno: O que você acha do cruzamento de Dorper com Santa Inês? E a Morada Nova com Dorper produz borregos melhores que Santa Inês e Dorper?

Daniel- O cruzamento entre as raças Santa Inês e Dorper é um dos mais bem sucedidos, atualmente. Tenho trabalhado com ele há vários anos para produção de cordeiros precoces, e também usei as duas raças nas minhas pesquisas de mestrado e doutorado. Em relação às cruzas entre Morada Nova e Dorper, conheço poucos resultados em função dos raros rebanhos comerciais de Morada Nova que adotam o cruzamento, mas, os cordeiros Dorper×Santa Inês apresentam desempenho superior e produzem carcaças mais condizentes com as exigências da indústria e mercado doméstico.

Aluno- Até que geração deve manter o mesmo reprodutor?

Daniel- No que diz respeito ao uso do reprodutor, se o cruzamento é feito apenas para a produção de cordeiros (machos e fêmeas) para abate (cruzamento terminal), não há problema de usá-lo por vários anos. Porém, quando se retêm as fêmeas no rebanho, é interessante usar carneiros de linhagens diferentes em cordeiras de segunda geração (filhas e netas do mesmo reprodutor). Mas isso é relativo, pois depende muito da forma como os cruzamentos são utilizados dentro do modelo de produção e de quais são os objetivos desses cruzamentos. As vezes, a endogamia pode ser uma ferramenta bastante útil.

As inscrições para este curso vão até dia 09/04, aproveite também para participar e tirar suas dúvidas sobre produção de cordeiros.

Para ver o conteúdo completo e realizar sua inscrição, clique aqui!

Ou entre contato:
cursos@agripoint.com.br
(19)3432-2199
 

Entre em contato com o autor deste artigo através do formulário abaixo!

deve ter o formato de 10 a 11 dígitos (ddd + telefone ou 0800, 0300, etc.)
Por favor digite o código de verificação contido na caixa ao lado:

3000 caracteres restantes

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

carlos jorge da c. baptista

OUTRA - OUTRO - OUTRA
postado em 08/04/2015

Estou a utilizar um reprodutor da raça boergot com cabras nativas aqui no sul de angola mas concretamente na província da Huila a questão é por quanto tempo devo manter o reprodutor no rebanho

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade