Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

A redescoberta da Ásia

Por ANDRE MELONI NASSAR
postado em 16/08/2007

7 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os leitores que acompanham a evolução do mercado de alimentos no mundo certamente estão notando que o campo anda fértil de novos acontecimentos. Chama a atenção o aumento dos preços dos produtos lácteos em função do crescimento do consumo na China. O fenômeno chinês fez com que os preços do leite em pó desnatado, principal commodity láctea transacionada mundialmente, subissem de US$ 2.200 a tonelada para US$ 4.700. O consumo de leite na China aumentou 3,5 vezes de 2001 até hoje, passando de 8,7 litros por habitante para 30 litros, em apenas seis anos.

No mercado de alimentos, o papel da Índia é, por enquanto, ainda tímido, se comparado com o da China. Enquanto a China importa mais de US$ 45 bilhões de produtos agrícolas, a Índia atingiu apenas US$ 8 bilhões no ano passado. O país, no entanto, já começa a dar sinais de que se vai transformar num dos grandes importadores mundiais de commodities agrícolas. Os indianos têm como hábito consumir alimentos frescos. Uma das razões é o fato de não possuírem geladeiras em suas casas e nas cidades não encontrarem estabelecimentos varejistas com estrutura de frio. Se o consumo de carne de frango, num país considerado vegetariano, está crescendo 8% ao ano e ainda é de apenas dois quilos por habitante, a demanda crescerá ainda mais quando forem vencidos os problemas de infra-estrutura.

Apresentar crescimento vertiginoso no consumo de alimentos não é exclusividade da China e da Índia. Os próximos anos mostrarão que esse é um fenômeno fundamentalmente asiático. O crescimento econômico de países como Indonésia, Filipinas, Vietnã, Malásia e Tailândia, aliado à forte migração do campo para as cidades, vai alterar estruturalmente o comércio mundial de produtos agrícolas e alimentos.

Reconhecendo essa tendência, o Icone adotou como prioridade investigar o que está acontecendo na demanda e na oferta de produtos agrícolas e alimentos nos países asiáticos. O primeiro resultado desse trabalho será apresentado em seminário da Rede de Pesquisa do Agronegócio Ásia-América Latina (Alarn), em 29 de agosto.

Os dados de comércio já dão as primeiras informações das mudanças que estão por vir. China, Índia, Indonésia, Malásia, Filipinas e Tailândia, países incluídos na rede de pesquisa, importaram US$ 78 bilhões e exportaram US$ 87 bilhões em 2005 de produtos agrícolas e alimentos. Embora ainda superavitários, os dados mostram que as importações estão ganhando terreno sobre as exportações. Enquanto as importações cresceram 88% de 2000 a 2005, as exportações se expandiram 65%. Assim, os asiáticos nos mostram que o mesmo que aconteceu na China deverá repetir-se em outros países, sobretudo naqueles com grandes populações: exportadores líquidos virando importadores de um conjunto de produtos agrícolas.

Se o quadro de demanda é interessante, o de oferta é ainda mais. Nosso convencimento de que os asiáticos se tornarão importadores líquidos tem uma razão de ser: a China possui apenas 2% da sua área disponível para a agricultura; Índia e Indonésia dispõem de não mais que 15 milhões de hectares para uso agrícola; Malásia, grande exportadora, já usou cerca de 60% de sua área agricultável para o dendê. Disponibilidade de terra, no entanto, é apenas parte do problema. Se não é verdade para todos os asiáticos, água é um problema de grandes proporções no norte e oeste indiano e no norte chinês, todas importantes regiões produtoras de grãos.

Quando sobrepomos as tendências na demanda às restrições de terra e água, observamos que os asiáticos passarão por uma profunda mudança de política e prioridades. Se hoje ainda impera em países como China, Índia, Indonésia e Filipinas a lógica da auto-suficiência na produção de alimentos, porque grande parte dos consumidores ainda vive no campo e consome localmente, o novo consumidor urbano e comprador de alimentos será atendido por uma combinação entre produção local e importações.

Tal transição não ocorrerá de forma homogênea nesses países. A China já iniciou esse processo, buscando aproveitar melhor a terra e incrementando a produção de itens de valor agregado, como frutas, vegetais, suínos, aves e lácteos. Essa opção levou ao crescimento das importações de produtos intensivos em terra como grãos, cereais e algodão.

Índia, Indonésia e Filipinas ainda seguem o modelo tradicional de usar a escassa disponibilidade de terra que possuem para produzir, com baixos rendimentos, cereais e grãos. A Indonésia foge um pouco à regra porque está investindo pesadamente em óleo de dendê, buscando especializar-se no produto, como fez a Malásia. Esses países, dada a sua limitação de terra, deverão tomar o caminho chinês e passarão a ter grande importância no comércio de grãos e cereais. A pergunta que fica é se conseguirão incrementar sua produção de carnes, sobretudo frangos e suínos, que são pouco intensivos em terra. No entanto, dados os problemas de infra-estrutura e a baixa capacitação dos agricultores, especialmente na Índia, um crescimento significativo do consumo deverá ser administrado com importações.

O papel do Brasil e dos demais exportadores da América Latina é claro nesse contexto: com exportações agrícolas que saltaram de US$ 35 bilhões para US$ 70 bilhões em cinco anos, a demanda asiática vai fazer diferença no futuro. Enquanto os países africanos se preparam para desenvolver seu setor agrícola, o déficit na produção dos asiáticos se converterá em grandes oportunidades de exportação para o Brasil. Por isso, conhecer a fundo o que vai acontecer na produção e no consumo de alimentos, na Ásia, passa a ser obrigação do nosso setor agroindustrial. Essa é a conclusão central da rede de pesquisa e inteligência que o Icone lidera em parceria com centros de excelência na Ásia e na América Latina.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

ANDRE MELONI NASSAR    São Paulo - São Paulo

Pesquisa/ensino

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Jaerdil Oliveira Dutra

Mantena - Minas Gerais - Produção de café
postado em 16/08/2007

Direto, abrangente e com visão de futuro!

O mercado asiático, devido ao seu imenso potencial de consumo, deve mesmo ser o ponto futuro na visão do agronegócio brasileiro.

Seria interessante a divulgação de matéria sobre o comportamento sócio-cultural do povo asiático, especialmente daqueles países importadores de maior importância econômica.

Luis Fernando Laranja

São Paulo - São Paulo - Produção de leite
postado em 16/08/2007

André,

Parabéns pelo artigo. A dedução preliminar que tiro dessas informações, antes de mais nada, é que a pressão ecológica vai ser crítica.

Abraço!

Luis Fernando Laranja
Instituto Ouro Verde

Rogerio Eduardo de Souza Junior

Goiânia - Goiás - Revenda de produtos agropecuários
postado em 17/08/2007

Muito bem elaborado. Como apreciador desta área de comércio, gostaria de ler um artigo com enfoque direto no mercado lacteo chinês, visão atual e mercado futuro.
Muito obrigado.

Daniel De Stéfani

Jaboticabal - São Paulo - Empresário
postado em 17/08/2007

É bom saber que tem intitutos como o Icone analisando o comércio mundial. O ânimo e os investimentos dos produtores tem que ser norteado por estes estudos.

Guilherme Augusto Vieira

Salvador - Bahia - Pesquisa/ensino
postado em 17/08/2007

Parabenizo o excelente artigo do Sr. Nassar, que traça um análise sistêmica a respeito da nova ordem mundial no mercado de alimentos. Há muito se aborda que se deve profissionalizar os processos de acesso aos mercados,fato que o Brasil agora que está começando a se profissionalizar.

Precisamos ainda de profissionais de comércio exterior e agronegócios que entendam de comércio internacional, principalmente na área de alimentos.

Parabenizo mais uma vez o Icone pelo excelente trabalho desenvolvido e suas abordagens.

fernando maria bontempo

Patos de Minas - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 31/08/2007

Explorar a demanda asiática é inteligente e poderá ser fonte de mercado seguro para o produtor rural brasileiro que trabalhar com produtividade, qualidade e controle orçamentário. Parabenizo o Sr. André pelo artigo.

RAFAEL DE SOUZA E SILVA MACIEL DE LIMA

Salvador - Bahia - Estudante
postado em 04/09/2008

O mercado mundial hoje exige muito, e para que tenhamos sempre ele fazendo parte da nossa economia, é preciso que haja qualificação necessaria e mais oportunidades para quem está começando, devido principalmente pelo crescimento do agronegócio no Brasil.

Toda produção brasileira não condiz com a riqueza que temos, e por isso devemos buscar sempre melhoramentos na produção, seja essa tecnológica, qualificação, e oportunidades.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade