Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uso da terra e a falta de informação no Brasil

Por ANDRE MELONI NASSAR
postado em 21/12/2007

8 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Na era do aquecimento global, conhecer com precisão o uso da terra no Brasil se transformou em obsessão das pessoas envolvidas com o tema da mudança climática. A obsessão só tende a crescer, agora que a prevenção contra o aquecimento global ganhou status de maior ação coletiva já desenvolvida pela humanidade. O Brasil, no papel de um dos maiores depositários de terra do mundo, foi pego desprevenido. Estamos descobrindo, a duras penas, que sabemos pouco sobre o uso da terra no País. A maior prova é que o mais recente número oficial sobre a área ocupada com pastagem data de 1996. Faz tempo, não?

A questão do uso da terra ganhou status de prioridade porque o Brasil se torna o quarto maior emissor de gases do efeito estufa do mundo quando o desflorestamento da Amazônia é contabilizado quanto ao carbono que deixa de ser seqüestrado a partir do corte da vegetação. Mesmo que muita gente sensata já esteja mostrando que as emissões provenientes de setores como transporte e geração de energia elétrica têm impacto muito maior no aquecimento global que o desflorestamento - até porque, ao contrário das emissões provenientes desses setores, que são sempre negativas, no caso da mudança do uso da terra podemos conceber sistemas que levem a um aumento no carbono seqüestrado, e não o inverso, como tem sido afirmado com maior freqüência -, já passamos da hora de melhorar o grau de conhecimento sobre o uso da terra no Brasil, que, como é de esperar, está diretamente relacionado à produção agropecuária e à silvicultura, os maiores setores demandantes de vastas extensões de terra.

O que quero mostrar neste artigo é que um país do tamanho do Brasil, na posição de terceiro maior produtor agrícola e nono maior detentor de florestas plantadas do mundo, não pode continuar conhecendo tão pouco sobre uso corrente da terra em território nacional e, ainda mais importante, sobre as mudanças por que ele passará, fruto de transformações estruturais no mercado de commodities agrícolas, como o aumento do preço dos grãos e das oleaginosas e o crescimento do mercado de biocombustíveis.

Um exemplo ilustra a minha preocupação com tema tão importante e do qual temos escasso conhecimento e disponibilidade de informações. Desconheço no Brasil qualquer iniciativa na esfera governamental, acadêmica ou privada de produção de cenários de longo prazo sobre área plantada e produção agropecuária. O governo brasileiro, quando toma suas decisões de política agrícola, não tem à disposição nenhum cenário quantitativo de impacto dos instrumentos de política na alocação e no uso da terra para produção agropecuária. Quando muito, o governo trabalha com expectativas de curto prazo dos impactos de suas políticas sobre área, produção e preços agropecuários. O zoneamento agroecológico, em discussão em Brasília, vai ajudar a conhecer o uso corrente da terra, mas em nada contribuirá para entendermos as mudanças na alocação espacial das atividades agropecuárias.

Isso significa que não há informação disponível no Brasil para responder a questões básicas, antes levantadas apenas pelos concorrentes mundiais do País e, hoje, também pelas pessoas envolvidas no tema do aquecimento global: quanto de terra a expansão de cana-de-açúcar, soja, milho, algodão e florestas plantadas vai demandar no futuro e quanto a pecuária de corte vai liberar para esses produtos via ganhos de produtividade? Como a agropecuária brasileira responderá em termos de demanda de terra aos incentivos de mercado mundial? A resposta, ainda, é não sei.

Neste ponto, sou obrigado a dizer que sinto uma certa inveja dos norte-americanos. Nos EUA, o governo e o setor privado têm à disposição, anualmente, pelo menos duas previsões para dez anos de área plantada, produção, demanda internacional e preços de commodities agropecuárias. Essas previsões são chave para que o Departamento de Agricultura do governo norte-americano conheça em detalhes os impactos dos instrumentos de política de sua Lei Agrícola. Já o setor privado pode planejar-se não só conhecendo as tendências de preços, mas analisando a capacidade do setor produtivo dos EUA de responder aos incentivos de mercado.

Aqui, no Brasil, onde não temos nada disso, essa informação teria duplo valor. O primeiro é o mesmo valor auferido pelo governo e pelo setor privado norte-americano. O segundo é que seria um instrumento de grande poder para entender as tendências de longo prazo do uso da terra no Brasil e as mudanças esperadas em função das transformações do mercado mundial. Com essa informação estaríamos muito mais bem preparados para enfrentar dois debates de escala mundial que têm o Brasil no centro: as reais conexões entre expansão da área agrícola e desflorestamento da Amazônia e a real magnitude dos impactos da competição entre alimentos e energia nos mercados mundiais.

Mesmo diante de números de área da pastagem que variam entre 180 milhões e 200 milhões de hectares, e do fato de não sabermos quanto de área de pasto degradado temos no País, no frigir dos ovos o uso corrente da terra não é importante. Os números, mesmo desencontrados, mostram que a pecuária de corte é a grande atividade demandante de terra no Brasil e, ao mesmo tempo, o setor que mais liberará terra à medida que a produtividade aumentar. O fundamental é conhecer de que forma o setor agropecuário brasileiro vai responder a um fato inconteste hoje em dia: o Brasil é um dos poucos países com terra no mundo. Projetar o uso futuro da terra significa, dessa forma, conhecer para onde vai a produção de alimentos, fibras e biocombustíveis do País. É por isso que decidimos investir nesse tema no Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (Icone). Nosso maior desafio, por enquanto, é a falta de informação.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

ANDRE MELONI NASSAR    São Paulo - São Paulo

Pesquisa/ensino

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Andre Freitas Spagnol

Alto Rio Novo - Espírito Santo - Estudante
postado em 21/12/2007

Olha, eu achei muito ótimo. Vocês estão de parabéns.

Helvecio Oliveira

Belo Horizonte - Minas Gerais - Pesquisa/ensino
postado em 24/12/2007

Parabéns André,

Há muito senso críticio em seu artigo. Aproveito o contato para recomendar o site www.agrodireito.com.br.

O mesmo foi elaborado por uma cliente nossa que venceu, na justiça, uma causa contra o MST.

Temos mais direitos do que sabemos. Praticamente não há condição de vitória do MST na segunda instância. O Incra usa de um dogma de força que na verdade, este orgão, legalmente falando, não possui.

Precisamos divulgar este trabalho para o máximo de pessoas, pois é sabido, por nós que lidamos no campo, das constantes ameaças que vivemos acerca de possíveis invasões.

Abraço, Helvécio.

Normann Kalmus

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Produção de ovinos
postado em 27/12/2007

Caro André,

Esse é um aspecto absolutamente fundamental e para o qual poucos atentam.

A falta de planejamento é um mal crônico neste país. Continuamos acreditando cegamente na "providencia divina" e aqueles que pensam em organizar-se acabam sendo ridicularizados ou, ainda pior, vendo comprometida sua capacidade de geração de renda e de sustentabilidade.

Um artigo é pouco, mas é um passo. É preciso iniciar um movimento de conscientização, de profissionalização do produtor e do governo, como vetor de desenvolvimento.

Parabéns pela escolha do tema e pelo desenvolvimento do assunto.

Continue.

Breno Augusto de Oliveira

Alto Araguaia - Mato Grosso - Consultoria/extensão rural
postado em 28/12/2007

Sds. André grande texto.

Também acredito, no caso da pecuária, que além das Brachiárias, Panicuns, Cynodons entre outros, para produção de carne e leite podemos integrar a silvicutura e fruticultura regionais em uma mesma área.

É preciso profissionalizar e capacitar todos os envolvidos na cadeia produtiva e esclarecer a muitos pecuaristas que bovinos e pastagens necessitam de sombreamento.

wilson tarciso giembinsky

Paracatu - Minas Gerais - Produção de gado de corte
postado em 04/01/2008

É o primeiro artigo que leio onde há uma análise lógica e isenta de ideologia sobre o assunto.
A maioria dos agropecuaristas não sabe a sua área real de pastagem, de agricultura, de reserva, de preservação permanente etc.....

Se metade dos extensionistas fossem liberados da burocracia e se a outra metade deles trabalhasse pra valer, com um pequeno GPS que custa R$600, um carro e gasolina, em pouco tempo saberíamos a realidade, o ITR teria informações confiáveis, o governo teria melhores estatisticas e o produtor teria uma importante informação para gestão e planejamento.

Mario F. A. Paoliello .MBA

Canyon - Texas - Estados Unidos - JBS FIVE RIVERS
postado em 11/01/2008

Muito bom o artigo,
Parabens

djalma leite guedes

São Luís - Maranhão - Instituições governamentais
postado em 27/03/2008

Parabéns André pelo excelente enfoque.

Nem terminei de ler o artigo e me apresso em dar o testemunho de que realmente o Brasil sendo o maior detentor de terrras agricultáveis do mundo com quase 20% do total.

Quando denotamos que as autoridades governamentais se dão ao luxo de terem esse comportamento desprezível que é a falta de visibilidade quanto ao planejamento eficaz dos setores agrícola e pecuário quanto ao desconhecimento das suas reais dimensões.

Acho que tudo isso acontece porque as pessoas realmente competentes estão fora do sistema, no anonimato .
Precisamos refletir sobre os nossos métodos adminsitrativos e capacitar os setores profissionais.

Abdon Cavalcanti Itapá

Brasília - Distrito Federal - Pesquisa/ensino
postado em 08/05/2008

Dr. André M. Nassar

Costumo dizer, para descontrair, que se as estatísticas das safras agrícolas divulgadas pelas entidades coincidirem, ponha a barba de molho, porque foge da normalidade. Evidentemente aqui vai um certo exagero de minha parte, até porque prefiro debitar os desvios a perspectiva setorial cuja visão futura é condizente com as suas próprias expectativas.

O Senhor pressionou o dedo numa ferida ao focalizar um tema da maior relevância para o planejamento agropecuário nacional e me causou boa surpresa.
Estou encaminhando seu artigo para alguns amigos, dentre os quais um ex-Diretor da FAO para a Amarica Latina e Caribe.

Segundo tenho observado de estudos e análises divugados por órgãos setoriais govenamentais e entidades de classe dos setores produtivos, as premissas e critérios adotados na construção de cenários tendenciais no médio e longo prazo para os produtos selecionados das cadeias produtivas do agronegócio não consideram, pelo que eu sabia, os indispensáveis aspectos cruciais abordados no seu excelente artigo. Parabéns.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade