Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Entrevistas

Aldo Rebelo fala sobre o Novo Código Florestal

postado em 20/08/2010

34 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Miguel da Rocha Cavalcanti conversou com o deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB SP), relator do novo Código Florestal Brasileiro e autor da proposta que já foi aprovada na Comissão Especial da Câmara dos Deputados no dia 6 de julho, com 13 votos favoráveis.



Destaques:

"O Brasil é um país que deve muito à sua agricultura e pecuária".

"A pecuária existe na Amazônia e no Pantanal há 300 anos e, recentemente, fruto dos exageros da legislação ambiental e das alterações sofridas pelo Código Florestal Brasileiro essa atividade passou quase toda para a ilegalidade.

"Eu acho que é preciso haver um equilíbrio entre a preservação do meio ambiente e a produção agrícola, pois é um patrimônio que produz alimentos, valores, cultura, que também precisa ser preservado".

"Parto do princípio de que quando maior o desenvolvimento, maior a preservação ambiental".

"O grande problema é que por trás desses assuntos estão interesses comerciais. As Organizações Não Governamentais estrangeiras, com sede na Europa e EUA, na verdade funcionam aqui como braços dos interesses comerciais da agricultura dos países ricos, que se sentem ameaçados pela competitividade da agricultura brasileira".

"O Brasil deve continuar fazendo o esforço para se constituir como uma sociedade ambientalmente saudável, mas não pode cair na ingenuidade de que essas ONGs internacionais vem aqui para defender o nosso bem. Elas não estão aqui em busca do nosso bem, elas estão em busca dos nossos bens".

"A reserva Legal nos termos da que é imposta no Brasil, não existe em nenhum lugar do mundo".

"A Reserva Legal é uma criação do patriarca da nossa Independência, José Bonifácio de Andrade Silva. Que a criou por razões muito pragmáticas, ou seja, o Estado Português e depois o Estado Brasileiro, precisavam de madeira para a construção naval e a madeira não podia estar na floresta mais longinqua, precisava estar perto da sede da fazenda para ser acessível e ser transportada. Essa madeira também era uma reserva de energia. Além disso a madeira também era importante para a sustentação do próprio empreendimento agrícola. Então era uma medida de defesa da sustentabilidade do Estado e da produção".

"Esse conceito de Reserva Legal foi reproduzido no Código de 34 e depois no de 65. O proprietário era obrigado a manter uma reserva, que ele mantinha de bom gosto, pois ele precisava daquela madeira para a sua propriedade e ele podia usar".

"O problema aparece quando essa Reserva Legal foi transformada em reserva biológica. De reserva econômica ela foi transformada em reserva biológica, para reprodução da fauna e da flora. A partir daí ela passou a ser intocável e não se discutiu se a reserva de 10, 20, 30, 60 hectares cumpriria a função biológica. Essa reserva precisaria contemplar toda a complexidade de uma cadeia biológica avançada e isso não foi discutido".

"Assim o proprietário perdeu o interesse nessa reserva e ela deixou de ser cumprida. Os ambientalistas ao invés de observarem que a legislação era impossível de ser cumprida, acharam que precisava endurecer cada vez mais, com dispositivos de punição para ver se ela era cumprida. O resultado disso é que alteraram profundamente o Código Florestal".

"Com seguidas alterações e pouca discussão [a legislação] virou uma balburdia incapaz de ser cumprida".

"É isso que nós estamos procurando corrigir para que o meio ambiente seja preservado e para que a produção agrícola seja protegida".

"A questão da anistia é outro ponto que os ambientalistas procuram confundir ao invés de esclarecer."

"Eu estou propondo uma regularização ambiental, para que os produtores possam voltar à legalidade."

"É preciso reconhecer que a preocupação das ONGs é justa e legítima. As ONGs ambientais surgiram porque os problemas ambientais surgiram e não são pequenos, o problema é que a partir daí surge a manipulação da questão ambiental a favor dos interesses dos países ricos. Aqueles que chegaram no topo do desenvolvimento chutam a escada dos que estão abaixo para que ninguém se desenvolva mais".

"Tenho identidade com muitas ONGs, nacionais, locais, que são pessoas que querem a preservação do meio ambiente, mas acham que é importante a vida das pessoas, dos pequenos agricultores, a produção, a infra-estrutura. Não é uma visão de transformar o ser humano em inimigo da natureza".

"Eu não sou integrante da frente da agropecuária, não sou ligado ao tema da Agricultura no Congresso. Só aceitei ser relator porque vi que ai tinha o interesse do meu País e do povo brasileiro".

"Eu defendo o interesse do agricultor brasileiro, não porque seja agricultor, mas por que o interesse do trabalhador está ai. Mais do que ninguém o trabalhador brasileiro precisa de alimento barato".

"O Agronegócio precisa mostrar o que tem de positivo".

"O problema que eu vejo é tentar enquadrar uma coisa tão ampla e tão rica como a Agricultura simplesmente como um negócio. A Agricultura no Brasil não é só isso, ela é a base do no nosso processo civilizatório, dos nossos valores, da nossa cultura, da nossa culinária, é segurança alimentar, é segurança econômica".

"As pessoas que tem uma causa generosa e humana têm que se dedicar à política e enfrentar a campanha contra a política que se faz. As pessoas que chegam erradas na política já vieram prontas. Na política ele simplesmente passou a fazer aquilo que já fazia antes. As pessoas boas, patriotas, democratas, as pessoas justas precisam entrar na política também. É assim que ela vai melhorar".

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

marcio de castro porto

Barueri - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 23/08/2010

Pois é , eu achava o Aldo Rebelo um banana e agora eu peço desculpas pela minha ignorancia .

Ele tem uma visão clarissima do que acontece e ele age em beneficio do Brasil e não de entidades rurais especificamente . Ele quer o melhor para a natureza e para o Brasil . Ele separa as ongs entre as que querem o bem da natureza as que querem o bem dos paises ricos que representam .

Imagino as pressões que esse homem está sofrendo por parte dos ambientalistas radicais .

Parabens deputado Aldo Rebelo ! conte com o meu voto .

Paulo Ernesto Menta

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Produção de gado de corte
postado em 23/08/2010

Bravo, Bravisssimo, gostaria que todos os politicos tivessem a visão desse exemplo de Brasileiro. Parabens Dep. Aldo Rebelo

Eugenio Mario Possamai

Água Boa - Mato Grosso - Produção de gado de corte
postado em 23/08/2010

Em nosso congresso temos vários homens de bem, porém são uma minuria, a grande maioria trabalha com interresses próprios sempre a frente e isto distorce muito as coisas, o Brasil deve muito a nos agricultores, e devemos sermos tratados como os empresários o são, todos temos uma parcela de atribuições a favor do Brasil.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade