Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Entrevistas

Arnaldo Dantas, da ASCCO: "O Sergipe contribuiu muito com a raça Santa Inês"

postado em 29/04/2010

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Raquel Maria Cury Rodrigues analista de mercado do FarmPoint, entrevistou na 7ª FEINCO - Feira Internacional de Ovinos e Caprinos Arnaldo Dantas Barreto Neto, presidente da Associação Sergipana dos Criadores de Caprinos e Ovinos. Na entrevista, Arnaldo fala sobre a participação do Sergipe na evolução da raça Santa Inês, melhoramento genético e sobre a 5ª edição do sumário de carneiros e matrizes lançado na FEINCO 2010.

Destaques da entrevista

"A Associação Sergipana dos Criadores de Ovinos e Caprinos já possui 30 anos de existência e reflete sobre a tradição e a vocação do estado do Sergipe para a produção de ovinos"

"O estado de Sergipe participou fortemente da formação da raça Santa Inês e é considerado um dos "berços" da raça. Hoje nós contamos com 120 sócios, que são muito participativos. Temos reuniões semanais, com aproximadamente 30 a 40 pessoas e as relações são realmente discutidas, pois isso é uma tradição da nossa associação"

"O Sergipe contribuiu muito com a raça Santa Inês. Foi o grande exportador de material genético para o Centro-Oeste e para a região Sudeste. Hoje no Brasil não há rebanho algum registrado puro Santa Inês que não possua ao menos um exemplar de origem sergipana"

"Em 2003, buscando novos métodos de melhoramento, nós fizemos um convênio com a Universidade de São Paulo e lançamos o programa de melhoramento genético da raça Santa Inês, quando, pela 1ª vez foi editado o sumário de carneiros e matrizes Santa Inês com cálculo dos DEPs, que era uma tecnologia já consagrada internacionalmente e usada no Brasil em bovinos de corte e leite"

"A raça Santa Inês está em franca evolução e produz aquilo que uma raça materna precisa ter: adaptabilidade, boa produtividade e deve ser utilizada em cruzamentos para produção comercial"

"Hoje a associação possui o programa de melhoramento, que é apoiado e supervisionado pelo Ministério da Agricultura. Recentemente, em 2009, desenvolvemos e criamos na associação a variação morfológica para tipo, que é um complemento do cálculo de DEPs. Agora, estamos iniciando os processos de marcadores moleculares"

"Em 2010, a associação esta focada no reforço da sua marca DNA Sergipe, que além de ser um nome, é um processo de produção"

"No que se diz respeito aos processos comerciais, estamos investindo em leilões. A marca DNA Sergipe realizará em 2010 leilões locais, eventuais e faremos um grande leilão nacional que vai acontecer em Salvador/BA. Isso tudo, para que aja a possibilidade dos produtores de ovinos de todo o Brasil terem acesso a genética DNA Sergipe"



Equipe FarmPoint

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Tobias Marino

Porto Rico - Paraná - Produção de caprinos de leite
postado em 30/04/2010

O Sergipe esta sendo um exemplo para a região Nordeste. Parabéns Arnaldo e todo pessoal da ASCCO!

Denis

Pinhão - Sergipe - Produção de ovinos
postado em 01/05/2010

Eu, como produtor sergipano, me orgulho dos projetos desenvolvidos pela ASCCO e espero em breve estar participando da associação.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade