Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

As ovelhas e o prazer da remuneração

Por Ivan Saul
postado em 28/10/2010

6 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Ivan Saul, médico veterinário, mestre pela UFPEL e sócio da Granja Po'a Porã de São José dos Pinhais/PR, escreveu uma carta comentando sobre os novos produtores de ovinos. Respondendo a um comentário feito por Ivan Claudio de Figueiredo, de Pocrane/MG em sua carta, Saul escreveu um artigo dando continuidade ao tema.

"Caros colegas e meu caríssimo futuro colega ovelheiro Ivan Cláudio de Figueiredo.

O senhor tem razão quanto aos anos de luta que tenho em defesa da pecuária nacional, agindo de forma contrária eu seria como um daqueles veterinários que atribuem a culpa pelo efeito estufa aos animais pecuários. "Coma menos carne e preserve o mundo para a atividade industrial!"

Porém ao contrário do que pode ter transparecido do meu comentário anterior, pelo qual devo pedir desculpas, se assim foi. Eu não guardo nenhum tipo de ressentimento quanto à ovinocultura em si, e muito menos quanto às ovelhas em geral. Infelizmente, não tive a oportunidade de herdar nada, nem um capão cego. E, se pareceu aos nobres leitores, que fui um dos que desistiu da atividade quando a lã deixou de ser um produto comercialmente importante, devo dizer que eu teria apreciado ter nascido produtor rural e lutado contra aquela drástica redução dos rebanhos.

Quando me referi aos "marketeiros" não tive a intenção de imputar culpa aos veículos de mídia - a responsabilidade de filtrar as informações recebidas é do consumidor - acredite no que quiser. Os "marketeiros" só criaram o fato (ou factóide), a imprensa somente noticiou. Infelizmente, dando destaque para "operações comerciais totalmente fora da realidade do produtor comum", destaque que gerou uma expectativa de mercado falsa, que trouxe para a atividade montanhas de dinheiro novo. Dinheiro de origem urbana, que saiu do mercado de capitais com taxas e rendimentos previsíveis (em maior ou menor grau) e caiu na cabanha de terno e gravata pisando em bosta com seu sapato italiano, achando que seus métodos de gestão seriam aplicáveis na nova situação.

É à isto que, em postagem anterior, o Dr. Giorgi Kuyumtzief se refere como: "sobra de dinheiro aliada à falta de conhecimento e à presunção gerando exemplos negativos de 'novos empreendimentos em ovinocultura', os quais, são abandonados e passam a imagem de uma atividade duvidosa e de alto risco" (sábias palavras!).

Por outro lado, FELIZMENTE, todo esse alvoroço sobre o tema, deu destaque à ovinocultura, gerou curiosidade nos potenciais consumidores, sacudiu os antigos produtores e trouxe gente nova, com a séria intenção de ganhar dinheiro, para a atividade. Estes são os iniciantes obstinados a quem o senhor se refere.

Permita-me discordar da sua afirmativa relacionada ao desafio ou paixão, se não for pela remuneração estes iniciantes tanto vão apanhar que vão desistir, assim como muita gente boa desistiu da lã, do leite, do suíno e do frango. É verdade, a pequena propriedade deve ser produtiva mas, muitas vezes, ela é mais viável arrendada para as monoculturas. Quem investe, o faz para recuperar seu capital com algum lucro se não, enterra dinheiro e queima o mapa.

Por isso insisto que devemos ser objetivos em nossas postagens, e acima de tudo honestos, não passemos a impressão de que a ovinocultura é uma maravilha, que tudo é fácil, lindo e lucrativo. Que basta um medicamento diferente, um novo resultado de pesquisa científica, uma determinada raça ovina ou um frigorífico melhor situado geograficamente, para o produtor passar a ganhar dinheiro como aquele outro que ele viu na televisão ou nas páginas da revista. Os antigos sabem que proveito podem tirar das novidades e "não se atiram", os novos, estes sim devem ser informados com imparcialidade quando procuram a ajuda dos mais experientes.

Uso o seu raciocínio e experiencia sobre o leite para exemplificar o que penso sobre a carne de cordeiro. A indústria regula o preço pago ao produtor, assim, não adianta produzir leite de melhor qualidade pois a remuneração é a mesma. Quem investe e produz "Leite Tipo A", saudável, nutritivo, palatável, etc, etc... concorre na prateleira refrigerada do supermercado com aquelas caixas cheias de embalagens de "leite longa vida" esparramadas para todo lado. Qual é o apelo do "Leite A", a garrafa? O apelo comercial da caixinha para a dona de casa é grande: é leite (tá escrito na embalagem), é barato e não estraga (dá para comprar às duzias e poupar idas ao mercado), não tem que ferver e não derrama no fogão (despeja na mamadeira e esquenta no micro-ondas). Pronto, cria-se o guaxinho humano com o paladar apuradíssimo em laticínios processados; ofereça-se a ela "Leite A" e a criança pode dizer: "isso tem gosto de vaca, eu não gosto disso!". O laticínio quer comprar "Leite A"? E a remuneração do produtor desse leite com alto valor agregado (haja vista seus custos de produção)?

Que seria do "amarelo manteiga" se todos gostassem do "branco cal"?

Houve um tempo em que se encontrava no mercado curitibano, um ótimo "Leite A Integral - Esterilizado por Raios UV", desapareceu das prateleiras subitamente! Ao perguntar para o SAC do laticínio onde encontrá-lo a resposta foi que sua produção havia sido descontinuada pois os clientes queixavam-se da coloração amarelada do produto. (Conhece leite minha senhora???)

Assim é com a carne de cordeiro, o consumidor só tem acesso ao que encontra no supermercado, alto apelo comercial: "carne congelada num pacote meio rasgado por um preço elevado ao lado daquela sorridente picanha bovina maturada embalada à vácuo", insiste, compra faz um churrasquinho minguado com aquela morrinha de sebo de ovelha velha. "Isso tem gosto de tapete velho molhado, eu não gosto disso!" O frigorífico quer pagar 5 dólares pelo quilo do cordeiro? Vale a pena produzir cordeiro para abate aos 2, 3, 4 meses por menos de US$5 o kg vivo?

Hábito de consumo é fácil de adquirir na infância, mãe que não gosta de chuchu, não compra, não faz e não oferece para o filho! Também vejo um futuro promissor na produção de carne ovina, o presente já dá sinais de economicidade na atividade. É pena que os produtores, sem cair na ilegalidade, só podem ajudar na popularização da carne do cordeiro produzindo cordeiro. Políticas efetivas para o setor, já começa com a palavra errada - política. Associativismo para alcançar escala de produção e assim poder negociar melhores preços de compra de insumos e venda de produtos, pode ser.

Pode também, ser importante abandonar o discurso "gourmet" da carne de alta qualidade, leve, saudável, refinada e consequentemente cara... sem esquecer que nunca vai ser tão barato produzir cordeiro quanto é produzir frango, que o frango brasileiro só é barato por ter escala de produção e por ser criado com mão de obra familiar, que o produtor independente de frangos está enchendo os aviários de cordeiros tentando melhor remuneração do seu capital.
Acreditar na ovelha como produtora de proteína de alto valor biológico e alternativa viável para a diversificação da produção na pequena e na grande propriedade, com certeza!

Quanto à atividade prazerosa meu caro tocaio, pode parar de pesquisar, a ovelha é a resposta certa para a sua busca. Seja muito bem vindo ao clube! Sucesso"!

Saudações ovelheiras
Ivan Saul D.V.M., M.Sc.Vet. - Granja Po'A Porã, 26/out/2010

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

eldar rodrigues alves

Curitiba - Paraná - governo
postado em 30/10/2010

Dr Ivan Saul, parabéns pelas colocações. E gostaria de falar que uma coisa que muito me incomoda, é quando de maneira implicita, colocam , principalmente para produtores onde o manejo deve ser mais exato , ainda, devido a periodos de seca etc , a idéia de que ovelha nâo precisa de bastante comida , não so´comer , e sim ser nutrida, tipo, assim LARGA NA CAATINGA , DURANTE A SECA , QUANDO CHOVER ELA VOLTA( claro de maneira figurativa e exagerada de minha parte) em quanto sabemos que , Não é verdade, sabemos que tem animais adaptados que ate sobrevivem, mas sera que serão viaveis comercialmente ? acho que ate servem para uma produçâo de consumo propio . Outra idéia que os marketeiros vendem e nâo me conformo é a de que existe uma unica raça salvadora, sabemos que os maiores produtores de carne do mundo,( raças realmente de carne) Novazelandia e Australia utizam 2, 3 ate 4 raças para chegar ao produto final ( aqui fico muito contente pois sei que a minha escolhida POLL DORSET ) sem demerito a nenhuma outra, esta presente em 80% (diferentes grau de sangue) desses cruzamentos , sendo a segunda raça de cara branca mais criada nos EUA etc etc.... Quando falamos de falsas ilusoes criadas por esses mesmos marketeiros, devemos ter cuidado com as matérias pagas, essa semana recebi o exemplar de uma reista, a qual assino , a revista quaze que na sua totalidade era de matéria de uma unica raça , ( nada contra a raça) até mesmo porque na sua formaçâo 50% do seu composto é Dorset, mas na minha opniâo os artigos eram tendenciosos e até mesmo, em parte, questionaveis , quando acabei de ler ri muito de mim mesmo ..... pois eu havia anunciado na revista e tinha de forma direta ajudado a patrocinar a divulgaçao de dados e fatos que se não são ilusorios são no minimo questionaveis heheheheh
O QUE ME PARECE É QUE QUEREM VENDER A ILUSÃO QUE OVELHA SE CRIA EM QUALQUER ESPAÇO , CLIMA E LUGAR E NÃO É VERDADE , SE CRIA OVELHA NAS REGIOÊS DE EXTREMO FRIO E NEVE ? SIM SE CRIA . SE CRIA OVELHA EM REGIOES DE MUITO CALOR , EXEMPLO ALGUMAS REGIOES DA AUSTRALIA ? SIM , SE CRIA ....POREM COM MUITA LOGISTICA E TECNOLOGIA , É COMUM SE VER ENORMES CARRETAS , CARREGANDO MILHARES DE TONELADAS DE FENOS E ALIMENTAÇÃO , PARA NA HORA DO APERTO, SERA QUE NO BRASIL JA TEMOS ESSA CAPACIDADE? ISSO TAMBEM DEVE SER MOSTRADO E QUESTIONADA AOS PEQUENOS E NOVOS PRINCIPALMENTE NAS REGIÕES ARIDAS
Uma vez na feinco Walter Celani , me perguntou em uma entrevista Resuma ovinocultura? Eu respondi, RAZÃO E EMOÇÃO , e completei EMOÇÃO , EM VER NASCER CRESCER MULTIPLICAR, RAZÃO EM FAZER QUE A TIVIDADE SEJA RENTAVEL E LUCRATIVA

roger pagel soares

Tupanciretã - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 31/10/2010

Como criador de ovinos,engº agrº e instrutor desta atividade concordo plenamente com as ideias do nobre colega.Gostaria de acrescentar que a ovinocultura não é uma atividade para qualquer um,para ter sucesso na mesma é necessário em primeiro lugar, decidir que quer ser um ovinocultor e isto exige dedicação,organização e prioridade para a mesma.Tenho quase 30 anos de dedicação a ovinocultura e conheci muito poucos "ovinocultores",podendo ser contados nos dedos de uma mão,conheci muitos pecuaristas que criam ovelhas e quando perguntados sobre suas atividades na propriedade sempre dizem eu sou produtor de bovinos e tenho umas ovelinhas para consumo na propriedade(mesmo que tenha 200,500 ou 1000 cabeças).Considerada sempre como uma atividade secundaria na propriedade,julgo ser este realmente um dos fatores da falta de importância da ovinocultura como um negócio importante da agropecuária.O proprio criador desvaloriza a ovinocultura,por não dar prioridade a mesma ,vende seus animais por qualquer preço e quando faz uma doação para uma "rifa "ou para um "comício" a primeira coisa que lembra para dar é de uma ovelha.Enquanto não mudar a mentalidade ou a cultura dos produtores a atividade vai continuar sendo a 2°,3°,4°.... prioridade e este "crescimento/encolhimento"ira manter a ovinocultura sempre na corda bamba.

Ivan Saul

São José dos Pinhais - Paraná - Produção de ovinos
postado em 01/11/2010

Caros Eldar Rodrigues Alves, Roger Pagel Soares e demais colegas que aturam meus palpites. :)

Um pouco sem tempo por estes dias, não quis deixar de saudá-los e agradecer pelas suas manifestações. Prometo postagens mais longas (como sempre... hehehe) para os próximos dias, já que ambos abordaram temas que se ajustam perfeitamente ao meu objetivo de DESMISTIFICAR A OVINOCULTURA.

Conterrâneo Roger, realmente parece que nos envergonhamos de ser profissionais da ovinocultura. Acredito que esta vergonha seja decorrente da presunção e preconceito - coisa de país novo - não posso dizer que trabalho com um animal deprezível, mal comparando, é como criar ratos (ainda que ratos de laboratório e alta linhagem genética).

Enquanto isso, permitam-me rir da piada do outro conterrâneo o "generoso Eldar"!

"Vizinho, como é que eu faço para arranjar um patrocínio da Cab. King Size?"
hehehehehe

Bom feriado à todos!

Saudações ovelheiras!
Ivan Saul D.V.M., M.Sc.Vet, - Granja Po´A Porã, 1º/nov/2010.



ivan claudio de figueiredo

Pocrane - Minas Gerais - Produção de ovinos
postado em 03/11/2010

Caro Professor, em primeiro lugar agradecido pelos apelos de sorte e se um dia me tornar ovelheiro com certeza lembrarei deste fato com muita honra principalmente por ter sido comentado por alguém tão prestigiado no meio, por isso desculpas algumas são necessárias em relação ao publicado anteriormente por vossa pessoa e que gerou este debate. Na verdade me reportei ao fato com a intenção de deixar meu legado no que diz respeito a viabilidade de produção em pequenas propriedades, e no meu entendimento a ovinocultura seria uma opção dentre outras tantas e ai sim posso até ter sido influenciado num primeiro momento pela mídia mas no que diz respeito a procura pelos setores frigorificos pelo produto, mesmo porque acredito que se a ovinocultura ainda não se fortaleceu e velhos produtores as vezes não encontram parceiros para o fortalecimento da cadeia produtiva é pelo fato de que vários proprietários de pequenas propriedades não têm a certeza que seu produto final terá giro ou seja, não sabemos se teremos saída do produto seja por questões de distância do frigorifico ou mercado consumidor, seja por termos como fator limitante de tamanho de rebanho o tamanho da propriedade mesmo que esta esteja preparada dentro de técnicas recomendadas e aceitas por todos no meio ovinocultor, e sendo assim a partir do momento em que se vê que frigorificos se interessam em rodar grandes distâncias para encontrar o produto, isto já ânima o pequeno mesmo este sabendo que teria que ter um número adequado de animais às ambições dos compradores e desta forma acredito que os pequenos proprietários teriam uma saída para produção em pequenas propriedades.

Quanto ao "marketeiros" acredito sim que estes pintem a onça de uma cor só e de preferência dourada, mas isto cabe a cada pessoa avaliar e filtrar as informações mesmo por que sabemos que não existe nada mágico nem ganhos exorbitantes dentro da legalidade dos setores na atualidade e que qualquer promessa de ganhos fáceis devem ser olhados com certa cautela, e ainda mais nada se conquista sem trabalho duro e muitas das vezes a recompensa por tal trabalho é mínima, e assim seguimos persiguindo nossas "paixões".

Quanto a questão de arredamentos destas propriedades para monoculturas vejo como opção porém para aqueles que só vêem sua propriedade como caso exclusivo de ganho sem trabalho, sem contar que neste imenso país de terras de todas as formas, fracas ou férteis, de vários relevos e climas nem sempre o pequeno proprietário encontrará fregueses dispostos a pagarem o justo pelo arrendamento.

Em relação ao aprendizado que tiro deste debate este sim de grande valia, pois entendo em suas palavras toda segurança de quem fala com propriedade e conhecimento de causa no que cerne à pecuária e principalmente a ovinocultura, sendo assim encerro este com a convicção de que se nos tornarmos colegas de profissão, ovelheiros, será principalmente pela atividade prazeirosa.

Henrico Dinapolli

Santa Maria - Rio Grande do Sul - Produção de ovinos
postado em 23/11/2010

Olá Ivan, bom dia. Parabéns por suas colocações. Abs, Henrico

Ivan Saul

São José dos Pinhais - Paraná - Produção de ovinos
postado em 24/11/2010

Caro Henrico!

Muito grato pelo teu apoio! Estou à tua disposição por aqui!
Se eu puder ser útil é só me mandar um e-mail.

Abraço, Ivan.

Saudações ovelheiras!
Ivan Saul D.V.M., M.Sc.Vet. - Granja Po´A Porã, 24/nov/2010.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade