Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Cooperativismo

Por Nei Antonio Kukla
postado em 02/08/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O sistema cooperativista está presente nas diversas ramificações da economia. No Brasil há 13 ramos do cooperativismo, são eles: cooperativas do ramo agropecuário, de crédito, de consumo, de trabalho, educacional, especial, habitacional, infraestrutura, mineral, produção, saúde, transporte e turismo e lazer. Cada um destes segmentos possuem seus interesses no que diz respeito a questão de finalidade, possuem seus diferentes profissionais e seus sócios de acordo com a finalidade da ramificação, mas todos os ramos são pautados nos princípios cooperativistas.

Mas o nobre leitor sabe qual o significado do cooperativismo?

Pois bem, cooperativismo é um movimento, filosofia de vida e modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem estar social. As suas referências são a participação democrática, a solidariedade, independência e autonomia. O sistema em si visa as necessidades de um grupo de pessoas e não objetiva o lucro ao mesmo tempo que procura atender a prosperidade conjunta e não individual.

Um pouco da história do cooperativismo:

Durante o século 18 na Inglaterra aconteceu a Revolução Industrial, onde a mão-de-obra perdeu seu poder de troca. As pessoas estavam submetidas a grandes jornadas de trabalho e salários muito baixos, o que trouxe grandes dificuldades econômicas a grande massa de trabalhadores. Em meio a tal crise, surgiram entre a classe operária lideranças que criaram associações de caráter assistencial, porém essas organizações não lograram êxito.

Após terem passado por experiências mal sucedidas buscaram novas formas, e concluíram que uma organização formal chamada cooperativa seria possível superar as dificuldades. Então, 28 operários em sua grande maioria tecelões se uniram e apresentaram as suas ideias, de acordo com os seus costumes, tradições e estabeleceram normas e metas para a organização de uma cooperativa. Passado um ano de trabalho, acumularam uma reserva de capital e abriram um pequeno armazém cooperativo, em 21/12/1844 no bairro de Rochdale-Manchester (Inglaterra).

Nascia então a sociedade dos Probos de Rochdale, conhecida como a primeira cooperativa moderna do mundo. Nasceu dela os princípios morais e a conduta que são considerados até os dias de hoje a base do cooperativismo autêntico. Em 1848 eram 140 membros e doze anos depois chegou a 3.450 sócios com um capital de 152 mil libras (havia iniciado com 28 libras).

O cooperativismo no Brasil:

A cultura de cooperação no Brasil é observada desde a época da colonização portuguesa. Esse processo emergiu no Movimento Cooperativista Brasileiro surgido no final do século 19 e estimulado por funcionários públicos, militares, profissionais liberais e operários para atender às suas necessidades.

O movimento cooperativo iniciou-se na área urbana, com a criação da primeira cooperativa de consumo que se tem registro no Brasil, na cidade de Ouro Preto (MG), no ano de 1889, com a denominação de Sociedade Cooperativa Econômica dos Funcionários Públicos de Ouro Preto. Depois, expandiu para Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, além de se espalhar em Minas Gerais.

Já em 1902 surgiram as primeiras cooperativas de crédito no Rio Grande do Sul, por iniciativa do padre suíço Theodor Amstadt. Então em seguida, em 1906 começaram a surgir as cooperativas no meio rural, organizadas por produtores agropecuários.

Depois, com a propagação da doutrina cooperativista, as cooperativas foram se expandindo num modelo autônomo, visando o suprimento das necessidades de seus cooperados e diminuindo assim, a ação dos especuladores. A falta de informação entre as pessoas sobre o cooperativismo e a cultura de trabalho escravo, bem como a grande extensão do território brasileiro, não permitiu num primeiro momento uma maior expansão do sistema.

Em 2 de dezembro de 1969 nascia a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) a única entidade brasileira representante e defensora do cooperativismo nacional. Sociedade civil e sem fins lucrativos, com neutralidade política e religiosa.

Em 1995 tivemos a eleição do ex-presidente da OCB, Roberto Rodrigues, como o primeiro não europeu a presidir a Aliança Cooperativista Internacional (ACI). Este fato contribui para o desenvolvimento do cooperativismo brasileiro. No ano de 1998 nascia o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop), com viés da educação cooperativista. É o Sescoop responsável pelo ensino, formação profissional, organização e promoção social dos trabalhadores, associados e funcionários das cooperativas brasileiras.

Sem sombra de dúvidas o sistema cooperativo merece destaque ao participar em grande parcela do PIB brasileiro nos seus diversos ramos de atuação. No próximo mês daremos continuidade a este material destacando as cooperativas agropecuárias e de serviços.

Fonte consultadas:
www.unitagri.com.br
www.ocb.org.br
www.ocepar.org.br
www.ocesc.org.br

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade