Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Retratos do consumo no país, lendo as novas pesquisas

Por Luiz Alberto Marinho
postado em 24/07/2006

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Duas pesquisas diferentes, divulgadas recentemente pelos jornais O Globo e Folha, apontaram para a mesma direção - a migração de parte da população brasileira das classes D e E para a classe C.

Pelas contas do Instituto Target, a classe C foi reforçada em 1,212,814 milhão de domicílios, apenas no último ano. O instituto Datafolha, que comparou dados de outubro de 2002 e junho de 2006, registrou uma transferência para a classe C de 6 milhões de indivíduos maiores de 16 anos.

As análises do Target não se restringiram apenas a classe C, incorporando também dados das classes B1 e B2, que comporiam a classe média ou "intermediária", segundo o Instituto. Este segmento cresceu praticamente 8% de 2005 para 2006, concentrando hoje 66,4% do potencial de consumo do país.

Para entender esse movimento, é preciso levar em consideração os aumentos reais concedidos nos últimos anos ao salário mínimo, a melhoria do emprego no país, a recuperação dos indicadores econômicos e as facilidades na concessão de crédito ao consumidor. Além dos programas sociais do Governo, destinados às classes mais baixas, é claro.

A pesquisa do Datafolha verificou um aumento no consumo de alimentos na classe C de 41%. Mas considerando apenas integrantes da classe C que participam ou têm parentes beneficiados por programas como o Bolsa Família, o crescimento no consumo de alimentos sobe 52%. O mesmo acontece com as compras de refrigerantes, perfumes, iogurtes e até de cds piratas, o que demonstra a importância do dinheiro dos programas sociais também para as vendas de produtos considerados supérfluos.

Outra notícia importante revelada pela pesquisa do Datafolha é o nível de otimismo do brasileiro. Hoje apenas 28% dos entrevistados reclamam do seu poder aquisitivo. Menos de 4 anos atrás esse percentual era de 45%. O brasileiro acredita ainda que dias melhores virão - 49% acham que a situação econômica vai melhorar, contra apenas 6% de pessimistas, que apostam na piora da economia. Como todo mundo sabe, consumidor otimista compra mais e se sente a vontade para entrar de sola no crediário.

Mas não se deixem iludir por todos esses números. Apesar dos avanços, a renda média domiciliar da classe C continua rondando a casa dos R$ 1,140 mil, a da B2 está em R$ 2,220 e a da B1 em R$ 3,750.

Considerando que boa parte da classe média foi obrigada a "privatizar" saúde, educação e previdência, pagando planos particulares e matriculando os filhos em escolas privadas, além de incorporar novas despesas aos seus orçamentos domésticos, tais como conta de celular, acesso à internet, TV a cabo e prestações de eletroeletrônicos, sobra mesmo pouco para satisfazer o apetite por novos objetos de desejo. Para que isso aconteça, ainda vamos precisar de vários outros anos de crescimento expressivo.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Paulo Ricardo Massarelli Targa

São Manuel - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 25/07/2006

Na verdade eu nâo vejo tanto crescimento assim. O que eu observo muito é o crescimento da corrupção. Essa sim não para de crescer.

Casa Mineira

Tocantinópolis - Tocantins - Acessoria e Comercialização.
postado em 17/08/2006

Concordo com a matéria, houve um aumento do poder de compra da população carente. Acredito que seja um sinal que pode melhorar para agropecuária, já que o primeiro produto a ser comsumido é o alimento.

Mas levando isso na visão social é admiravel, pois o brasileiro hoje pode, pelo menos uma vez ao mês, se dar ao luxo de comer uma picanha, ou comprar um queijo fino e um vinho, elevar o número de produtos lácteos, como iorgutes para a alimentação de seus filhos.

Enfim acredito que a situação não esteja fácil devido a burocracia, corrupção e altíssima carga tributária, mas devemos reconhecer que os brasileiros estão vivendo com qualidade de vida.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade