Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Especiais

Brasil: importações de carne ovina uruguaia continuam despencando

Por Raquel Maria Cury Pereira (FarmPoint)
postado em 18/05/2011

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Em abril, o Brasil importou uma quantidade bastante reduzida de carne ovina uruguaia comparado ao ano passado e aos outros meses deste ano, totalizando 143 toneladas, queda de 9,2% frente a março.

De uma forma geral, as exportações totais de carne ovina do Uruguai neste primeiro quadrimestre (não só para o Brasil) tiveram queda, totalizando 5.098 toneladas, 37% a menos do que no mesmo período do ano anterior, quando foram exportadas 8.092 toneladas. Os principais mercados foram em ordem de importância União Europeia (UE), Mercosul e China, concentrando 76% do total (Fonte: INAC).

Gráfico 1 - Quantidade de carne ovina importada do Uruguai x variação (%) - abril/2010 a abril/2011. Fonte MDIC, elaboração FarmPoint.



Tabela 1 - Quantidade de carne ovina uruguaia importada pelo Brasil nos meses de janeiro, fevereiro, março e abril de 2007, 2008, 2009, 2010 e 2011 (em toneladas) e variação no período entre os anos. Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint.



Valores

No mês de abril, o preço do quilo de carne carne desossada de ovino congelada cresceu 39,5%. Em março o quilo custou US$ 5,68 e em abril US$ 7,93. O preço do quilo da peça não desossada de ovino congelada apresentou um leve aumento, passando de US$ 5,81 para US$ 6,02.

Gráfico 2 - Valores praticados de abril de 2010 a abril de 2011 de carnes desossadas de ovinos congeladas e peças não desossadas de ovinos congeladas oriundas do Uruguai (US$/kg). Fonte: MDIC, elaboração FarmPoint.



Chile

Desde novembro de 2010, o Brasil retomou as importações de carne ovina chilena. Em 2009 o Brasil importou aproximadamente 6000 toneladas, porém, de janeiro a outubro de 2010 não houve negociações. Em 2011, as importações vêm crescendo novamente e de janeiro a fevereiro deste ano, aumentaram 52,6%, totalizando 104 toneladas. Em março, o Brasil não importou carne ovina chilena e em abril retomou, adquirindo 22,5 toneladas. Apesar do crescimento, deve-se lembrar que a quantidade total de carne ovina chilena importada é bastante inferior quando comparado ao Uruguai.

Gráfico 3 - Quantidade de carne ovina importada do Uruguai comparado a quantidade importada do Chile no período de novembro de 2010 a abril de 2011. (Fonte MDIC, elaboração FarmPoint).



Em entrevista exclusiva realizada pelo FarmPoint, Robson Leite, diretor da Agrosavana, comentou que o aumento das importações do Chile se deveu a deficiência do Uruguai, que por conta dos preços do ano passado, acabou reduzindo muito o rebanho e suas matrizes. "Com essa deficiência, começou-se a estudar novos fornecedores de carne ovina para o Brasil e o Chile tem um grande potencial para isso por conta do seu rebanho que é muito produtivo".

Em abril, tanto o kg da carnes desossadas de ovinos congeladas quanto o kg das peças não desossadas de ovinos congeladas oriundas do Chile custaram US$ 6,48.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Alexson Pantaleao

Goiânia - Goiás - Consultoria/extensão rural
postado em 02/06/2011

Muito interessante saber quem abasteceu o mercado brasileiro de ovinos, uma vez que seu principal fornecedor (Uruguai) tereia sofrido uma queda de incisiva em suas exportações, porem a principio e leigamente pensava eu que esta queda teria ocorrido pelo crescimento do plantel nacioanal de ovinos e nao pela variával estoque do fornecedor. Parabens!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade