carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

13º Congresso da Abag debate a necessidade de valorizar o protagonismo do setor

postado em 05/08/2014

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Reforçar a necessidade de o agronegócio ser valorizado como protagonista do crescimento econômico brasileiro. Esse foi o tom predominante no 13º Congresso da Abag – Associação Brasileira do Agronegócio, realizado nesta segunda-feira (4/8) em São Paulo. O evento contou com a presença de várias autoridades federais e estaduais, além das principais lideranças do setor. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin reafirmou, em seu discurso, o compromisso com o apoio e estímulo ao agronegócio. “Temos dedicado esforço e recursos para incentivar o setor, desde a área de pesquisa e desenvolvimento, passando pelos investimentos em modernização e ampliação da infraestrutura de logística e de transporte do Estado, assim como ao setor sucroenergético, que tem passado por sérias dificuldades, mas é de uma importância decisiva em termos sociais, ambientais e econômicos”, destacou o governador.

Em seu discurso de abertura, o presidente da Abag, Luiz Carlos Corrêa Carvalho salientou a necessidade de se fazer alterações na prioridade dada pelo governo ao agronegócio nos últimos anos. Segundo ele, a partir de 2007 começou a haver uma forte relação entre os preços do petróleo e dos alimentos. “O impacto em um gera, em cadeia, impactos significativos nos demais, forçando mudanças essenciais no Brasil, um país que tem no agronegócio as bases de seu desenvolvimento e que deverá ter neste setor uma plataforma de importância geopolítica global”, disse Carvalho. Para tanto, ele salienta que é necessário que seja dada a prioridade que o setor necessita e merece.

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Neri Geller, por sua vez, enfatizou os esforços da pasta para dar suporte ao produtor rural brasileiro. “Tanto no aumento da liberação de crédito a juros reduzidos, quanto no encaminhamento das questões ligadas a seguro rural e a modernização da infraestrutura, nós temos procurado alinhar as ações do ministério com as necessidades levada pelas diversas lideranças do setor”, afirmou Geller.

O senador e candidato à Presidência da República, Aécio Neves, que participou da solenidade de abertura do evento salientou, em entrevista coletiva, os problemas que o setor agrícola enfrenta. “Da porteira da fazenda para dentro, o Brasil é muito competitivo, mas da porteira pra fora o produtor enfrenta muitos problemas ligados, principalmente, a infraestrutura. Por isso, devemos declarara guerra ao chamado ‘custo Brasil’”, afirmou o candidato. Ele acrescentou ainda que não se deve aceitar mais a ideia de que a produção se contrapõe com a preservação ambiental.

Após a abertura, o economista Samuel Pessoa fez a palestra no painel Agronegócio Brasileiro: Valorização e Protagonismo, na qual enfatizou que a urgência em termos de reforma no Brasil hoje é a de uma substancial alteração na área tributária que contemple uma redução dos custos das empresas com a adequação ao complexo sistema tributário. “Penso que, do ponto de vista econômico, uma diminuição nos custos da conformidade tributária teria o mesmo efeito positivo sobre a economia brasileira que teve o Plano Real sobre a inflação”, disse o economista. O painel foi coordenado pelo deputado federal Luis Carlos Heinze, presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária.

No painel seguinte, Agronegócios e as Novas Mídias, que foi coordenado pelo jornalista Heródoto Barbeiro, o jornalista Rodrigo Mesquita fez um apanhado do papel que as formas de comunicação exercem no agronegócio. A seu ver, “se as lideranças do agronegócio não se colocar nas várias plataformas das novas mídias (Facebook, Twitter, Linkedin e outros) abrirá espaço para que os segmentos que são contrários à atividade agrícola ocupem o espaço, causando enormes prejuízos para o setor”, afirmou Mesquita. Participaram, como debatedores do painel, a professora Elizabeth Saad Corrêa, da Universidade de São Paulo, e o engenheiro Demi Getschko, professor da PUC-SP e primeiro brasileiro a fazer parte do Hall da Fama da Internet.

Sobre a ABAG – Criada oficialmente no dia 10 de março de 1993, a Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG) surgiu com o objetivo principal de buscar o equilíbrio nas cadeias produtivas do agronegócio, de modo a valorizá-las, ressaltando sua fundamental importância para o desenvolvimento sustentado do Brasil. A consequência desse esforço deverá ser a liderança global brasileira na oferta, de forma competitiva, de produtos agroindustriais. Atualmente a entidade conta com 81 associadas, entre empresas, bancos, consultorias e entidades ligadas à indústria que atuam nos segmentos relacionados ao agronegócio.

As informações são da Assessoria de Comunicação da Abag.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade