Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Alimentos sobem, mas consumo segue firme

postado em 09/08/2007

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Mesmo com a queda do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que ficou em 0,24%, ante 0,28% em junho, o grupo alimentação continuou pressionando a inflação, com alta de 1,27%.

Segundo notícia de Adriana Chiarini, do jornal O Estado de S.Paulo, os preços dos produtos não alimentícios caíram 0,03% no mês. Entretanto, alimentos e bebidas suplantaram a deflação média dos demais produtos e responderam por 0,27 ponto percentual da inflação de julho. A contribuição só do leite e seus derivados foi de 0,24 ponto, igual ao resultado do IPCA. O item leite e derivados acelerou de 7,35% em junho para 11,31% em julho, acumulando 28,49% no ano.

E não há indicações de desaceleração no preço do leite para agosto, já que a oferta está diminuindo e a demanda nacional e mundial continuam crescendo, segundo a coordenadora de índices de preço do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eulina Nunes dos Santos.

A alta acumulada no grupo alimentação até julho está em 5,26%, acima do índice de janeiro a dezembro de 2006 (1,22%), 2005 (1,99%) e 2004 (3,86%).

Apesar do crescimento dos preços, reportagem de Márcia de Chiara e Vera Dantas apurou que a indústria de alimentos comemora a maior taxa de crescimento no primeiro semestre dos últimos cinco anos. Ganhos de renda, aumento do emprego, inflação controlada e crédito farto sustentam o desempenho.

No primeiro semestre deste ano, as vendas totais da indústria de alimentos e bebidas atingiram R$ 103,8 bilhões, um acréscimo de 8,2% em relação ao mesmo período de 2006, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia). "O brasileiro melhorou a sua alimentação", afirmou o presidente da Abia, Edmundo Klotz, destacando que vendas domésticas de sorvetes, salgadinhos, alimentos diet e light, por exemplo, aumentaram 51,71% este ano e os chocolates e as balas, 21,83%.

Nos supermercados, as vendas estão aquecidas e fecharam o semestre com alta de 7%, segundo a Associação Paulista de Supermercados (Apas). Martinho Paiva Moreira, vice-presidente da Apas, disse que o consumo mantém o ritmo de alta, apesar das elevações de preços, como o da carne e do leite, devido a serem produtos de consumo básico.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade