Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Argentina cria uma nova raça ovina com condições especiais para a Patagônia

postado em 12/09/2013

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Técnicos do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA) da Argentina desenvolveram uma nova raça ovina idealizada para produção nos vales do norte da Patagônia. A raça tem alta prolificidade, maior rendimento e uma formação que permite uma melhor adaptação à produção.

“Trata-se de um genótipo especializado em produção de carne com uma composição genética baseada na progênie de ovelhas Merino australiano, com carneiros da raça Texel e Ile de France”, disse o diretor do INTA Valle Interior, Mauricio Álvarez. Ele disse que para os produtores o manejo de duas ou mais raças é complexo, de forma que se buscou criar uma raça com duplo propósito e que simplifique o trabalho no campo.

Segundo o INTA, durante 17 anos foi realizado um grande trabalho de seleção e melhora da raça que permitiu desenvolver uma espécie desprovida de chifres tanto em machos como em fêmeas e com a cara descoberta, sem pelos visíveis. “Embora seja uma raça desenvolvida para produzir carne, sua lã se destaca com relação a de outros genótipos de produção de carne”.

A raça, Comarqueña, possui lã branca a creme claro, com espessura média de 28 micra e de 26 para as borregas e mechas de 80 milímetros de largura. Suave ao tato, possui cachos definidos, uniformes e uma baixa porcentagem de fibras meduladas no velo.

De acordo com o especialista, essa espécie produz lã de “boa qualidade”, mas em menor quantidade que os animais da raça Corriedale, tradicional da região. Por esse motivo, os rendimentos pela lã em ambas as espécies seriam similares. “A Comarqueña apresenta uma maior produção de cordeiros, de maior peso e com menos gordura que as raças utilizadas na região”.

O peso médio dos animais adultos é de 85 a 120 quilos para os machos e de 50 a 80 quilos para as fêmeas. Além disso, possui aptidão materna e capacidade leiteira muito boas.

A reportagem é da agência Télam, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Anneliese de Souza Traldi

Pirassununga - São Paulo - Pesquisa/Ensino
postado em 25/09/2013


Não se trata de BAIXA PORCENTAGEM DE FIBRAS MODULADAS e sim MEDULADAS, conforme o texto:
Suave ao tato, possui cachos definidos, uniformes e uma baixa porcentagem de fibras moduladas no velo.

Raquel Maria Cury Pereira

Piracicaba - São Paulo - Mídia especializada/imprensa
FarmPoint - postado em 25/09/2013

Obrigado pela observação Anneliese. Já alteramos. Abs, Raquel

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade