Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Argentina teve queda de 20,83% no rebanho ovino em 2011/12

postado em 13/09/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A safra laneira de 2012/13 da Argentina começou com valiosas tosquias pré-parto, que sempre despertam bom interesse da indústria exportadora devido à sua qualidade muito boa e aos dados de processamento. As condições ambientais desse inverno são, em geral, melhores que em 2011/12.

A Federação Laneira Argentina (FLA) publicou recentemente as estatísticas até 30/06, que informaram que o rebanho ovino do país teve uma queda de 20,83% com relação aos dados anteriores, para 9,975 milhões de cabeças.

A produção estimada de lã suja foi de 44.000 toneladas. O remanescente de uma safra para outra foi estimado em 28.988 toneladas base suja. O consumo da indústria doméstica foi de 3.000 toneladas base suja (6,8%).

Em 2011/12, foram exportadas 22.466 toneladas base limpa, equivalentes a 40.264 toneladas base suja, por US$ 224,781 milhões FOB. Do total, 65,2% foram exportados como tops, 17,54% como lã suja, 9,89% como blousse, 4,98% como lã lavada, 2,20% como subprodutos e desperdícios e 0,18% como fiados.

Os destinos foram: Itália, com 21,4%; China, com 19,3%; Alemanha, com 16,4%; Turquia, com 9,3%; México, com 9,1%; Peru, com 5,3%; Uruguai, com 5%; Taiwan, com 2,1%; Índia, com 2%; Chile, com 1,8%; e outros 11 países, com 8,3%.

As primeiras 5 companhias representaram 71,56% dos embarques, seguidas muito de longe por outras 14 companhias integrantes da FLA.

Hoje em dia, os principais desafios para a indústria exportadora da Argentina são: o escasso prazo de somente 30 dias para pagar as dívidas, que tradicionalmente era de 180 dias, facilitando as habituais vendas a prazo. Além disso, a questão cambial frente a crescentes custos e inflação também influencia. Tudo isso, enfrentando grandes dificuldades atuais para concretizar novas vendas ao exterior, devido às incertezas econômicas globais, mais o habitual recesso de vendas no verão europeu.

Na China, forte motor de negócios laneiros, há também dificuldades devido à redução de pedidos por parte dos varejistas europeus e dos Estados Unidos. Seu crescente consumo interno não chega a compensar essas baixas nas vendas de exportação do gigante asiático.

A reportagem é do www.woolpatagonia.com.ar, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade