Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Austrália e NZ competem pelo mercado de carne ovina

postado em 16/08/2006

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Austrália vem apresentando um rápido crescimento no número de ovinos. A maior parte da carne extra produzida por este motivo está sendo destinada à Ásia, segundo o veterinário, Bruce Farquharson.

Segundo Farquharson, a Austrália vem apresentando uma grande substituição na produção de lã por carne entre os produtores de ovinos à medida que os preços da lã caíram. Durante os próximos cinco anos, o abate de cordeiros deverá aumentar de 16,5 para 20 milhões, se aproximando do abate de 25 milhões da Nova Zelândia.

Apesar de o mercado doméstico consumir 65% dos cordeiros abatidos na Austrália, quase todo o aumento na produção deverá ser destinado ao mercado de exportação. Isso está levantando preocupações na Nova Zelândia. A Austrália tem reclamado da grande cota de carne de cordeiros da Nova Zelândia para a União Européia (UE) e tem tentado agressivamente aumentar sua participação no mercado dos Estados Unidos.

No entanto, Farquharson disse que a Nova Zelândia não precisa se preocupar com isso. "Os mercados da Austrália e da Nova Zelândia são complementares e eu não acredito que os dois países sejam competitivos. O futuro da Austrália está na Ásia e o país sempre teve os EUA. A Europa é da Nova Zelândia".

No entanto, a Nova Zelândia também tem mercado na Ásia. As exportações neozelandesas ao Japão aumentaram 30% no ano passado, à medida que os medos de doenças fizeram com que os consumidores desse país reduzissem o consumo de carne bovina e de frango. A China é o terceiro maior mercado da Nova Zelândia, que tem esperança de que o comércio com a China aumente quando for assinado um acordo de livre comércio.

No entanto, a Austrália também está buscando um acordo de livre comércio com a China e os observadores da indústria de carnes disseram que este país deverá conseguir o acordo primeiro, já que não é tão preocupado com os direitos humanos como a Nova Zelândia. Além disso, a Austrália passou à frente da Nova Zelândia em um acordo de livre comércio com o Japão.

Farquharson baseia suas opiniões na crescente afluência dos países asiáticos. O consumo de proteínas aumenta à medida que aumenta a renda, disse ele. Ele disse que os mercados da Ásia são de "elite" e que a carne de cordeiro é um produto de prestígio. Entretanto, ele criticou bastante a forma como a Austrália promove seus produtos.

Farquharson ressaltou que o sabor da carne de cordeiro dos dois países é diferente também. Segundo ele, os australianos estão dando mais grãos de trigo e milho para terminar seus cordeiros e ao mesmo tempo mudando sua estrutura de gordura para remover o diferente odor ao cozimento que afasta muitos asiáticos.

Merino é a principal raça criada na Austrália, mas as raças britânicas estão sendo cada vez mais usadas para produzir cordeiros para exportação - 22-28 quilos de peso carcaça. O país cria a maioria dos ovinos a pasto, mas vê um crescimento nos estabelecimentos de engorda.

A reportagem é do site:

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade