Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

BA: implantação do programa estadual de sanidade

postado em 06/12/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A implantação do Programa Estadual de Sanidade dos Caprinos e Ovinos da Bahia - PESCO e a consolidação da Câmara Setorial Estadual, foram os temas da reunião de trabalho realizada no auditório do Sistema FAEB /SENAR, nos dias 05 e 06 de outubro. Durante o encontro foram apresentadas as diretrizes e estratégias de ação para a construção e implantação Programa Estadual de forma sustentável.

O fortalecimento da cadeia produtiva de caprinos e ovinos, por meio da vigilância e defesa sanitária animal e a identificação das propostas concretas e sustentáveis para a solução de entraves e fatores limitantes, foram identificados em diversos estudos. Por isso é necessário a união de esforços entre instituições públicas e privadas e toda a cadeia produtiva, de forma participativa, o que viabiliza a construção e execução do projeto.

A reunião foi uma iniciativa da Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária - SEAGRI, através da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia - ADAB, juntamente com o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura - IICA e a Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE, com apoio irrestrito da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia e do SENAR Bahia, e representa um marco para o desenvolvimento da cadeia produtiva da caprinovinocultura do Estado e do país.

A implantação de um programa oficial de sanidade dos caprinos e ovinos é uma reivindicação da classe produtora através da Comissão Nacional de Caprinos da CNA e das Câmaras Setoriais Nacional e Estadual de Caprinos e Ovinos, e a sua falta se constitui num entrave para o fortalecimento da Cadeia Produtiva da Caprino e Ovinocultura. Esse Programa foi fundamentado através do Decreto nº 5.741, de 30 de março de 2006, que organiza o Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (SUASA) e dá outras providências, o qual destaca que "as ações previstas no Programa Nacional de Sanidade dos Caprinos e Ovinos serão executadas em cada Unidade Federativa pelos órgãos de Defesa Sanitária Animal (instâncias intermediárias)".

A reunião contou ainda com as participações da Universidade Federal da Bahia - UFBA, EMBRAPA Caprinos, EMBRAPA Semiárido, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, ACCOBA, SEBRAE, Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido - IDAN, Fundação de Apoio aos Trabalhadores Rurais e Agricultores Familiares da Região do Sisal e Semiárido da Bahia - FATRES, Superintendência Federal de Agricultura (SDA/MAPA), CONAB, CNA e Câmara Setorial Nacional de Caprinos e Ovinos, que agregaram importantes contribuições à definição das estratégias de implantação do PESCO.

Nesse sentido, o presidente da FAEB, João Martins, falou sobre a importância do Projeto e da criação de mais uma Câmara Setorial dentro da Seagri, destacando a firme parceria do Sistema FAEB /SENAR para consolidação desse Programa. O presidente da Comissão Nacional de Caprinos e Ovinos da CNA e da Câmara Setorial Nacional de Caprinos e Ovinos, Edilson Maia, citou os trabalhos realizados pela Comissão, na busca de alternativas viáveis para a consolidação do setor. Declarou, também, que no Brasil vários biomas foram estudados e o segmento de caprinos e ovinos é um dos setores que necessitam de alternativas para o seu crescimento. "Esse projeto é o primeiro marco na busca de soluções para o setor de caprinos e ovinos", conclui.

O Diretor de Registros de Caprinos da ACCOBA, Paulo Theophilo Gertner, frisou o grande momento vivido pelo segmento da Ovinocaprinocultura "hoje o setor está bem diferente e as deliberações estão sendo implantadas, surtindo os efeitos já na prática", ressaltou. Comentou, também, que durante a FENAGRO acontecerão duas feiras de Caprinos e todas visam promover o programa de melhoramento genético da raça.

O Diretor Geral da ADAB, Cássio Ramos Peixoto, ressaltou que a realização desta reunião técnica representa o evento mais importante da sanidade dos caprinos e ovinos para o Estado da Bahia, desde o momento em que a SEAGRI/ADAB criou uma coordenação específica para esta área no ano de 2003. Com isso a Adab está fazendo a sua parte e o objetivo é justamente envolver a todos, principalmente o produtor rural.

O Secretário de Agricultura, Eduardo Salles, enfatizou que a FAEB hoje representa o fortalecimento dos produtores rurais e o crescimento da entidade é reconhecido por todos. Falou sobre as perspectivas com a implantação desse Projeto e com a criação de mais uma Câmara Setorial em favor do segmento de Caprinos e Ovinos na Bahia. Ressalta que esta reunião é fruto das demandas do setor, tendo sido colocada dentre as prioridades da cadeia já na segunda reunião da Câmara Setorial do Estado e todos devem apontar as suas dificuldades, visando o crescimento e melhoria do segmento Caprino Ovino na Bahia. "A união da agropecuária e de todos os setores, representa a evolução do Sistema Sindical. Sem essa união, não seria possível concretizar esse Projeto", enfatiza.

Na programação do evento, ficaram definidas as visitas técnicas aos municípios de Valente, Juazeiro e Casa Nova, para avaliar as reais demandas e desafios do setor. A representante do IICA, Lucia Maia, agradeceu o apoio de todas as entidades envolvidas na realização desse projeto, declarando que o Estado da Bahia busca sempre a excelência nas suas ações. Falou sobre a missão do IICA, destacando que o seu papel "é facilitar o processo e colaborar com o crescimento do projeto", finaliza.

Dando segmento aos trabalhos, o Diretor de Defesa Sanitária Animal da ADAB, Rui Ferreira Leal, fez um histórico das ações da Agência na área de sanidade de caprinos e ovinos, desde o ano de 2002 quando se passou a se exigir o atestado negativo de exame laboratorial da Artrite Encefalite Caprina para admissão de caprinos nos eventos pecuários realizados na Bahia. No presente ano, o Estado já conta com uma rede de 12 laboratórios públicos e privados para realização deste diagnóstico, dentre os quais cabe destacar o Laboratório de Sanidade Animal da ADAB/EBDA.

O Coordenador de Sanidade dos Caprinos e Ovinos da ADAB, Antonio Lemos Maia Neto, apresentou a proposta do regulamento para criação do Programa Estadual, sendo complementado pela apresentação do Prof. Roberto Castro da UFRPE, que discorreu sobre a criação do Plano Estadual de Vigilância Epidemiológica para as Lentiviroses dos Pequenos Ruminantes, parte integrante do PESCO, eda Lúcia Maia, representante do IICA que conduziu as oficinas que definiram as estratégias a serem seguidas a partir de agora para implantação do Programa.

"Ao considerarmos a importância sócio econômica da caprinovinocultura para o Estado da Bahia, não poderíamos ficar a mercê dos problemas e riscos sanitários que afligem ou ameaçam a cadeia produtiva", disse Antonio Maia, Coordenador da ADAB. Por isso, o Estado da Bahia de forma pioneira toma a iniciativa de implantar esse Programa, onde as competências estarão distribuídas entre o serviço oficial de defesa agropecuária, os serviços de assistência técnica e extensão rural, assim como o setor privado. "Ainda temos muito trabalho pela frente, mas o primeiro passo foi dado de forma muito segura. Temos toda uma cadeia e uma rede de instituições comprometidas com esse projeto", finaliza Maia.

As informações são da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (FAEB), adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade