Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

BA: necessidades da caprinocultura e seu potencial

postado em 12/11/2008

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A caprinocultura baiana pode avançar ainda mais, profissionalizando-se e se consolidando como arranjo produtivo. Esta é uma das conclusões do especialista em políticas públicas e gestão governamental da Secretaria do Planejamento (Seplan), André Pamponet.

A idéia foi apresentada no 4° Congresso Internacional da Rede Sial (Sistemas Agroalimentares Localizados), que aconteceu em outubro, em Mar del Plata, na Argentina.

Segundo Pamponet, o panorama futuro da caprinocultura é percebido ao traçar um paralelo entre o histórico de investimentos governamentais, apoiados pelo Banco Mundial (Bird), e as propostas apresentadas por produtores e trabalhadores rurais na consulta popular realizada em 2007 pelo Estado para elaboração do Plano Plurianual (PPA 2008-2011).

"As políticas públicas já conseguiram assegurar a sustentabilidade da atividade para os agricultores familiares do nordeste da Bahia. O que é preciso agora é a dinamização comercial", disse o especialista. Entre os desafios, ele citou os investimentos em infra-estrutura viária e na qualificação dos produtores, a instalação de frigoríficos e matadouros e a mensuração do mercado para o produto.

Para o secretário do Planejamento, Ronald Lobato, o Plano de Desenvolvimento do Estado contempla todos esses desafios e prioriza exatamente o semi-árido, que representa 68,5% do território e mais de 45% da população da Bahia.

"Além dos investimentos em infra-estrutura e logística, como a recuperação de 1,2 mil quilômetros de estradas, propomos que o sisal, a bioenergia e a criação de ovinos, caprinos e bovinos sejam os arranjos socioprodutivos (ASPs) que modifiquem a realidade econômica e social do semi-árido", afirmou o secretário.

Entre as propostas coletadas nos territórios Sertão do São Francisco, Sisal, Piemonte Norte do Itapicuru, Semi-árido Nordeste 2 e Itaparica, destacam-se os pedidos de qualificação da mão-de-obra, investimentos em tecnologia, incluindo-se aí o melhoramento genético dos rebanhos, e a implantação de frigoríficos e abatedouros para adensar a cadeia produtiva.

Embora existam rebanhos caprinos em diversos pontos do estado, o semi-árido concentra 80% do total, estimado pela Secretaria da Agricultura (Seagri) em 4,2 milhões de animais, o que corresponde a 42% de todo o rebanho nacional.

"Apesar do tamanho do rebanho, o potencial é pouco explorado. Basicamente, utilizam-se os animais para o fornecimento de carnes, mas percebe-se a preocupação em aproveitar o couro, cujos preços no mercado são atrativos, e também com a geração de produtos com alto valor agregado, como embutidos, defumados e carnes com cortes padronizados", analisou Pamponet.

As informações são do Governo da BA, resumidas e adaptadas pela equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade