Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Baixos estoques de lã garantem preços mais firmes no futuro

postado em 03/11/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os estoques mundiais de lã bruta estão nos níveis mais baixos dos últimos 50 anos e são o que sustentam os bons preços. A boa notícia é que deverão formar uma base firme para os preços da lã para a safra de 2011/2012.

"O único lugar onde poderia existir alguma recuperação é na Austrália, onde se prevê que o rebanho ovino cresça em 1 milhão de cabeças e chegue a 70 milhões de cabeças, mas, de todas as formas, terá mais peso a produtividade da lã por cabeça que o volume", estimou o chefe de informação e análise econômica do Secretariado Uruguaio de la Lana (SUL).

No entanto, dentro da recomposição do rebanho ovino australiano, a grande dúvida é que haverá um forte componente de carne ovina. Isso porque, nesse país, as ovelhas Merino são cruzadas com raças de carne buscando mais carne e isso faz com que nem toda a recuperação do estoque seja atribuída à produção de lã.

A Associação Americana da Indústria Ovina disse que a produção mundial de lã deve ser levemente superior e isso acontecerá por uma maior produção da Austrália, China, África do Sul, Reino Unido e Uruguai. Paralelamente, prevê-se quedas na produção da Nova Zelândia, Argentina e Estados Unidos, consequência direta surgida da combinação de um menor número de cabeças com condições climáticas desfavoráveis.

As últimas previsões disponíveis da consultora indicam para os principais países produtores que o aumento na produção mundial será muito leve, apenas chegaria a 0,7% até alcançar 1,112 milhão de quilos de lã limpa.

Porém, para Salgado, o dado mais valioso é que a nível de cadeia têxtil - desde o importador de lã suja até o que chega ao consumidor através de roupas - não há estoques da fibra e isso é o que fortalece os preços.

"Nos últimos tempos, esses estoques têm caído a seus níveis mínimos de atividade fabril. Os volumes produzidos estão nos níveis mais baixos e os sinais de recuperação da Austrália não são muito fortes".

No Uruguai, são poucos os negócios que se concretizaram e a safra está praticamente fechada, devido à diferença entre oferta e demanda.

Para o operador de lã, Gonzalo Barriola, os preços são bons e, pelo menos no mercado internacional, parou-se a queda brutal. Ele disse que o estoque local não se recuperará rápido, porque no Uruguai o ovino nunca foi prioridade, embora hoje o mirem com outros olhos pelo valor da carne ovina.

Por outro lado, considerou que todos os vaivens de preços que teve o setor têxtil no mercado mundial se deveram "às mudanças nas moedas que estão ocorrendo atualmente", mas destacou que há demanda mundial de lã.

A produção uruguaia de lã teve avanços substanciais na última década quanto à qualidade. O avanço mais importante foi o afinamento do diâmetro da lã. "Há uma tendência, porque o mercado pede isso, de produzir lãs com diâmetros menores nas diferenças raças ovinas, tanto a nível de lãs médias como de lãs finas, com maior avanço", disse Barriola.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade