Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Banco Mundial alerta sobre alta nos alimentos e pobreza

postado em 15/04/2011

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Dados apresentados nesta quinta-feira pelo Banco Mundial apontam que novos aumentos nos preços globais dos alimentos podem colocar milhões de pessoas em situação de pobreza extrema. De acordo com o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, os preços dos alimentos já estão 36% mais altos que há um ano e um novo aumento de 10% colocaria mais 10 milhões de pessoas em situação de pobreza extrema (renda menor que US$ 1,25 por dia).

Quando a projeção é de alta de 30% nos preços dos alimentos, o número de pessoas afetadas passaria a 34 milhões. Desde junho do ano passado, 44 milhões de pessoas ingressaram na categoria de pobreza extrema, levando o número de indivíduos que se encontram nessa situação em todo o planeta para 1,2 bilhão. "Mais pessoas podem se tornar pobres por causa dos preços altos e voláteis dos alimentos", alertou Zoellick, em Washington, onde ocorre a partir de sexta-feira a reunião de primavera do Banco Mundial e do FMI (Fundo Monetário Internacional). Segundo Zoellick, os preços altos e voláteis dos alimentos são hoje "a maior ameaça aos pobres ao redor do mundo".

Segundo o órgão, as crises recentes em países árabes e muçulmanos do norte da África e do Oriente Médio contribuíram para a alta nos preços internacionais dos combustíveis e acabaram tendo impacto também no aumento dos preços globais dos alimentos e na estabilidade das nações mais afetadas. "Os preços dos alimentos não foram a causa das crises no Oriente Médio e no norte da África, mas são um fator agravante", disse Zoellick, ao afirmar que a inflação dos preços dos alimentos chega a dois dígitos em países como Egito e Síria, palcos de revoltas populares recentes.

Entre os produtos que contribuíram para a alta dos preços estão milho (aumento de 74% em um ano), trigo (69%), soja (36%) e açúcar (21%). Os preços do arroz, porém, permaneceram estáveis, segundo um relatório do Banco Mundial. Outros fatores que influenciaram a alta recente dos alimentos são problemas climáticos em países exportadores, restrições a exportações em alguns mercados e baixos estoques globais.

O Banco Mundial cita ainda entre os fatores que influenciaram a alta dos preços o aumento do uso de grãos para a produção de biocombustíveis. Entre as medidas sugeridas para combater o problema está priorizar o uso de grãos para a alimentação, em detrimento de biocombustíveis, quando os preços dos alimentos excederem certos limites.

Segundo os estudos do banco, os países mais pobres são mais afetados pela inflação dos alimentos do que as nações de maior renda. Outras medidas que poderiam reduzir esse impacto, diz o Banco Mundial, são direcionar mais programas nutricionais e de assistência social para os mais pobres, remover restrições à exportação de grãos e melhorar a capacidade dos países de lidar com a volatilidade, por meio de instrumentos de mercado financeiro, melhores ferramentas de previsão do tempo e mais investimentos em agricultura.

As informações são do jornal O Estado de São Paulo, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Darlani Porcaro

Muriaé - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 16/04/2011

Os subsídios ao agronegocios´é de extrema importancia , justamente para garantir ao homem do campo uma sobrevivencia mais digna , e mante-lo no campo. Pois o plantio de qualquer produto , como as criações de animais visando à alimentação do homem fica muito caro ao produtor.

FERNANDO LOPES FONSECA

Arraias - Tocantins - Produção de gado de corte
postado em 18/04/2011

Antes de falarmos em subsídio ao agronegócio, em sua verdadeira acepção da palavra, por que não falarmos na falta de apoio dos bancos oficiais, que negligenciam e deixam de fomentar a agropecuária ?
Sou cliente do BASA - Banco da Amazônia S.A., onde apresentei proposta para aquisição de matrizes e construção de cercas. Recebi a visita do Gerente da Agência em minha propriedade (em Arraias-TO), o projeto foi elaborado com viabilidade, E DEPOIS DE PAGAR R$ 3.500,00, POR CONTA DE TAXA DE SERVIÇO DE ANÁLISE DO PROJETO, o Gerente indefere a minha proposta dizendo que o Comitê da Agência não aprovava o financiamento. Por que o BASA não aprova o crédito do cliente previamente ? Os outros bancos estariam praticando cobrança de tarifa para análise de crédito ?
Fiquei sem R$ 3.500,00, engordei a receita do Banco com o recolhimento da TARIFA (inacreditável), e ainda fiquei com a cara de palhaço.
Alguém terá que cobrar maior seriedade e participação mais ativa dos Bancos Oficiais no incremento da produção ?

Walter Jark Flho

Santo Antônio da Platina - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 18/04/2011

Os aumentos citados não são reais. Se baseiam em valores muito baixos , da safra passada. Alguem lembra do preço do milho? No Mato Grosso (Sorriso se não me engano ) estava a R$ 8.00 . Eu mesmo vendi resto de safra de 2008, em 2010 , a R$ 12,70 a saca . A soja chegou a ser vendida a R$ 28,00 . Vai ser sempre assim :Preços aviltantes levam o produtor a não plantar, no sistema capitalista. Na sequência , preços altos , apenas compensam as perdas ocorridas em anos anteriores. Portanto a intervenção do Darlani tem sentido . Como fazer para que o produtor seja bem remunerado e o consumidor possa pagar? Na UE eles subsidiam o produtor e não vão parar por uma questão de segurança alimentar. Qual a saida para os produtores brasileiros ? Sei que o modelo capitalista é feroz. Mas,que modelo adotar?

Walter

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade