Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Banco Mundial: aumento do protecionismo preocupa

postado em 30/09/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Ontem, durante o fórum público anual da Organização Mundial do Comércio (OMC), o representante do Banco Mundial, Richard Newfarmer alertou para o possível aumento do protecionismo no comércio mundial. Newfarmer citou um relatório do Global Trade Alert (GTA) que aponta que pelo menos 140 medidas protecionistas estão prontas para ser usadas contra interesses comerciais estrangeiros pelo mundo.

Ele assinalou que no momento a boa notícia é que medidas de proteção não estão impedindo a recuperação do comércio mundial. A produção industrial deu uma virada, com uma tendência positiva em todas as regiões. Mas insistiu que todo cuidado é pouco, à medida que recuperação comercial implica também uma nova luta em torno de importações.

O Banco Mundial vê proliferação de medidas protecionistas desde o ano passado, no rastro da dramática crise global. As investigações antidumping aumentaram 18,5% no primeiro semestre e novas sobretaxas aplicadas cresceram em 30,5%. O protecionismo disfarçado cresce com implementação de regulações, procedimentos aduaneiros mais lentos etc.

O banco constata que os países ricos têm usado subsídios com mais frequência. Já países em desenvolvimento preferem aumentar tarifas, até porque não têm dinheiro para dar subvenções. Três setores agrícolas (de carnes, pesca e de frutas e legumes), metais básicos, têxteis e vestuários e químicos básicos estão no topo da lista das importações sofrendo mais barreiras.

Luiz Felipe Lampreia, ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil, alertou em debate no fórum que a falta de perspectivas para a conclusão da Rodada Doha deverá provocar um número bem maior de disputas comerciais, com os países tentando abrir mercados para suas exportações.

Patrick Low, principal economista da OMC, mantém a estimativa de queda de 10% a 11% em volume no comércio global neste ano. A Iata, entidade das empresas aéreas, reforça essa possibilidade. Informou que o transporte de cargas, que dá uma ideia da saúde no comércio global, melhorou 12% em agosto em comparação ao ponto mais baixo de dezembro de 2008. Mas continua 16% abaixo do nível de abril do ano passado, quando a demanda começou a declinar.

A matéria é de Assis Moreira, publicada no Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade